Pular para o conteúdo
19/08/2022 23:07:49 - Farroupilha / RS
Acessibilidade
Atualizado em 24 de maio de 2022

Movimento expõe as dificuldades de autistas no ensino regular

Nesta semana, os vereadores tiveram a oportunidade de ouvir sobre a Lei federal 12.764 – que institui políticas de proteção a pessoas com transtorno de espectro autista (tea). O conteúdo foi expresso pela cidadã Danielle Lima Gardini, através da Tribuna Popular, representando o Movimento Orgulho Autista Brasil – Farroupilha.

A lei completará dez anos e nela consta as características do Tea, as diretrizes de proteção ao portador, os direitos dos autistas e a regulamentação da Ciptea (carteira de identificação da pessoa do transtorno de espectro autista). De forma complementar, há também a Lei estadual 15.322 que garante o atendimento integrado as pessoas com Tea. Ambas asseguram a inclusão de portadores nas escolas regulares com o devido acompanhamento especializado.

Porém, conforme Danielle, a inclusão desses jovens no ensino municipal possui estratégias precárias contrariando a política de proteção nacional. A manifestante, que possui um sobrinho com Tea, informou os vereadores que houve falta de monitores no início do ano letivo, e quando contratados, eles não possuem o preparo necessário. Outro ponto abordado foi a estrutura física da escolas e ausência de atividades voltadas ao jovem autista.

A Câmara, sensibilizada com as circunstâncias expostas, buscará a celeridade das demandas com a administração pública, referente ao ensino, confecção das ciptea e na prioridade de vagas em estacionamento para os pais e tutores de crianças com espectro autista.