Pular para o conteúdo
16/04/2024 05:32:13 - Farroupilha / RS
Acessibilidade
Atualizado em 22 de dezembro de 2017

Memorial Lidovino A. Fanton é inaugurado no Legislativo

Lidovino Antônio Fanton foi, em 1974, o primeiro deputado federal farroupilhense. Tendo grande participação na política do Estado e do País. Forte incentivador da emancipação de municípios, participou de mais de 40 criações de novas cidades. Desde 1995, a Casa Legislativa de Farroupilha leva seu nome.

Parte de sua história, a partir de hoje está exposta no Plenário da Câmara de Vereadores com documentos pessoais e fotos do ex-deputado. O trabalho contou com o apoio do historiador Vinicius Pigozzi, juntamente com o presidente Fabiano Piccoli, e de familiares do homenageado.

Lidovino faleceu em 1982 e não teve filhos. Seu velório ocorreu na Assembleia Legislativa, no qual exerceu o cargo de deputado estadual de 1962 a 1973. Seu corpo também foi velado na Câmara Municipal de Farroupilha, sendo encaminhado para o Cemitério Público Municipal.

Texto e Foto: Gabriel Venzon – MTE 18.804

Conheça a história de Lidovino Fanton com mais detalhes:

Lidovino Antônio Fanton nasceu em 16 de dezembro de 1920 na localidade de São Luiz, na época interior de Caxias do Sul, e atualmente pertencente à Farroupilha. Filho de um casal de agricultores, José Fanton e Vicença Paraboni, passou sua infância dedicado à agricultura e os estudos.

Com 16 anos, após terminar o primário na região, transferiu-se para Porto Alegre onde cursou o ginasial nos Colégios Anchieta e Júlio de Castilhos, concluindo em 1942. Com 22 anos ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Porto Alegre, hoje denominada de UFRGS.

Durante seus estudos, para manter-se na capital, trabalhou como ferroviário na Viação Férrea do RS, e nas Caixas de Aposentadorias e Pensões de Serviços de Mineração, e posteriormente, de Urbanos por Concessão. Em 1949, após graduar-se, retornou para Farroupilha para exercer a advocacia.

Ainda como estudante, em 1947, introduziu-se na militância política através da Ala Moça do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), chegando, na década de 50, a presidir o diretório municipal do Partido em Farroupilha. Em 1959, com a eleição de Leonel de Moura Brizola como Governador do RS, Lidovino foi nomeado como Diretor Geral do Departamento das Prefeituras Municipais na Secretaria Estadual do Interior e Justiça do RS, tornando-se um grande defensor das causas municipalistas e incentivando a emancipação de mais de 40 cidades na época.

Em 1962, concorreu pela segunda vez para deputado estadual, obtendo a suplência, exerceu o mandato substituindo Beno Orlando Burmanne e posteriormente Sereno Chaise. Com isso, Lidovino inicia sua carreira política junto a Assembleia Legislativa.

Após o movimento político de 1964, e a instauração do bipartidarismo, filiou-se no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), onde se elegeu em 1966 e novamente em 1970, como deputado estadual. Neste ano, o parlamentar recebeu o “Prêmio Springer por um Rio Grande Maior”, outorga concedida ao deputado que mais se destacasse na Assembleia.

Em 1974, Lidovino elege-se como deputado federal, tornando-se o primeiro farroupilhense a ocupar um assento na Câmara Federal. Com atuação na Capital, auxiliou o presidente do MDB, Ulisses Guimarães a alavancar os ideais do partido através de uma legislação eleitoral esquecida pelos agentes políticos, cuja norma permitia o direito dos partidos de utilizarem a transmissão de rádio e televisão no tempo de uma hora por ano.

Com a extinção do bipartidarismo em 1979, participou ao lado de Leonel Brizola da fundação e regularização do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em 1981.  Em 1982, como secretário-geral do Partido, implementou medidas para que o programa partidário fosse transmitido em cadeia nacional por rádios e televisões.

Ainda neste ano, após ser internado com uma crise depressiva, Lidovino Antônio Fanton faleceu no dia 12 de setembro. Seu corpo foi velado na Assembleia Legislativa do RS e na Câmara de Vereadores de Farroupilha.

Desde 1995, o Poder Legislativo de Farroupilha, através da Resolução 310 denominou seu plenário como “Casa Legislativa Dr. Lidovino Antônio Fanton”, permanecendo com esta nomenclatura até hoje.

Pesquisa realizada pelo historiador Vinícius Pigozzi

Programação