Pular para o conteúdo
23/04/2021 01:41:50 - Farroupilha / RS
Acessibilidade

Ata 4088 – 22/02/2021

Presidência: Sr. Tadeu Salib dos Santos.
Às 18 horas o Senhor Presidente Vereador Tadeu Salib dos Santos assume a direção dos
trabalhos. Presentes os seguintes Vereadores: Calebe Coelho, Clarice Baú, Cleonir
Roque Severgnini, Davi André de Almeida, Eleonora Peters Broilo, Eurides Sutilli,
Gilberto do Amarante, Juliano Luiz Baumgarten, Marcelo Cislaghi Broilo, Mauricio
Bellaver, Sandro Trevisan, Thiago Pintos Brunet e Tiago Diord Ilha.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Invocando o nome de Deus, declaro abertos os
trabalhos da presente sessão ordinária. Em aprovação as atas nº 4.084 de 01/02/2021, nº
4.085 de 02/02/2021 e nº 4086 de 08/02/2021 bem como a ata nº 4087 de 09/02/2021. Os
vereadores que estiverem de acordo, permaneçam como estão. Aprovado por todos os
vereadores com a ausência justificada do vereador Felipe Maioli. Cumprimentar a todos os
vereadores, ao pessoal que está aqui também acompanhando essa sessão ordinária junto
conosco, os trabalhos desta Casa Legislativa, cumprimentar os colegas trabalhadores deste
Poder Legislativo. E começamos solicitando ao vereador Calebe Coelho, 2º secretário,
para que proceda à leitura do expediente da Secretaria.
EXPEDIENTE
2º SEC. CALEBE COELHO: Boa noite a todos. Ofício nº 30/2021 – SEMS; Ilustríssimo
senhor Tadeu Salib dos Santos, presidente da Câmara Municipal de Farroupilha. Assunto:
realização de audiência pública. Senhor presidente, dirigimo-nos a vossa senhoria para
solicitar a realização de audiência pública no dia 24/02/2021, às 10h, para apresentação do
Relatório de Gestão da Secretaria Municipal de Saúde 3º quadrimestre/2020 e anual/2020
financeiro conforme estabelece Lei federal nº 8689/93 de 27/07/1993, Decreto Federal nº
1651/95, Lei Complementar nº 101/00, Portaria Estadual nº 37/03, Resolução CIB nº 38/03
e Portaria Estadual nº 882/2012. Certos de podermos contar com a vossa colaboração,
desde já agradecemos. Atenciosamente, Clarimundo Grundmann – secretário municipal de
saúde. Ofício nº 13/2021 – SEGDH; Excelentíssimo senhor Tadeu Salib dos Santos
presidente da Câmara Municipal de Vereadores – Farroupilha/RS. Assunto: mensagem
retificativa ao Projeto de Lei nº 06/2021. Senhor presidente, honra-nos cumprimentar vossa
excelência na oportunidade em que submetemos a elevada apreciação desta Casa de leis a
presente mensagem retificativa ao Projeto de Lei nº 06/2021 que autoriza a abertura de
crédito especial para fins de constar que no art. 1º onde se lê: “03 – Secretaria Municipal
de Gestão e Desenvovimento Humano” leia-se “03 – Secretaria Municipal de Gestão e
Desenvolvimento Humano”. Atenciosamente, Fabiano Feltrin prefeito municipal. Ofício nº
007/2021 – SEGDH; Excelentíssimo senhor Tadeu Salib dos Santos, Presidente da Câmara
Municipal de Vereadores – Farroupilha/RS. Assunto: Projetos de Lei. Senhor presidente,
honra-nos cumprimentar vossa excelência na oportunidade em que solicitamos a essa
egrégia Câmara de Vereadores a apreciação dos seguintes Projetos de Lei: a) Projeto de
Lei nº 04, de 09/02/2021, que reconhece a prática da atividade física e do exercício físico
ministrado por profissionais de educação física como essenciais para a população de
Farroupilha em estabelecimentos prestadores de serviço destinados a essa finalidade em
tempos de crise ocasionadas por moléstias contagiosas ou catástrofes naturais; b) Projeto
de Lei nº 05, de 09/02/2021, que denomina via pública municipal, e dá outras providências;
c) Projeto de Lei nº 06, de 09/02/2021, que autoriza a abertura de crédito especial.
Atenciosamente, Fabiano Feltrin, prefeito municipal. Ofício nº 011/2021 – SMF; vossa
excelência Tadeu Salib dos Santos presidente da Câmara Municipal de Vereadores – nesta.
Assunto: Recolhimento e repasse ao FPS. De conformidade com o art. 7º § 3º da Lei
Municipal nº 2.993, de 31/05/2005, remetemos-lhe, anexo, informações acerca do
recolhimento e repasse das contribuições ao FPS relativa aos meses de novembro e
dezembro de 2020. Salientamos que as referidas informações de repasse das contribuições
ao FPS foram encaminhadas ao Conselho Municipal de Previdência – CMP conforme
cópia do ofício nº 009/2021 e do e-mail em anexo. Atenciosamente, Plínio Balbinot –
secretário municipal de finanças. Ofício nº 12/2021 – SEGDH; Excelentíssimo senhor
Tadeu Salib dos Santos, presidente da Câmara Municipal de Vereadores – Farroupilha/RS.
Assunto: Resposta ao Pedido de Informação nº 03/2021. Senhor presidente, honra-nos
cumprimentar vossa excelência, na oportunidade em que respondendo ao ofício nº
030/2021 que trata do Pedido de Informação nº 03/2021, de iniciativa do vereador Juliano
Luiz Baumgarten – bancada do PSB, segue o retorno em anexo. Atenciosamente, Fabiano
Feltrin, prefeito municipal. Era isso, senhor presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Calebe Coelho, 2º secretário.
E passamos ao espaço destinado ao Grande Expediente.
GRANDE EXPEDIENTE
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Convido o partido progressista – PP para que
faça uso da tribuna. Vereador Calebe Coelho fará uso da tribuna.
VER. CALEBE COELHO: Boa noite a todos, senhor presidente e demais colegas
presentes na Casa. É sempre uma satisfação poder estar aqui poder comentar alguns
assuntos que acontecem em nossa cidade. Essa semana aconteceu uma coisa muito
incrível, na verdade na semana passada, juntamente com um colega e excelentíssimo,
competentíssimo profissional, que é o Rafael Ames, eu estive visitando uma entidade
chamada ‘Esquadrão da Vida’. Essa entidade ela é destinada o objetivo dela é tentar ajudar
as pessoas que estão em dificuldades com dependência química né e como sair dessa
situação; é sempre muito complicado, porque exige um tratamento bastante intenso nesse
sentido e um trabalho psicológico muito forte. Nós pudemos perceber então a dificuldade
que aquela entidade encontra né e também os avanços que eles estão fazendo. Existem
muitas coisas que estão acontecendo lá que a sociedade não sabe né e que é muito
importante que, com o passar do tempo, eu vou mostrar tudo isso né a nível de fotos e um
vídeo que eu estou preparando, tome conhecimento desse trabalho que está sendo feito.
São aproximadamente 15 pessoas que estavam lá digamos assim internadas né, mas são
hóspedes eles são livres para sair se quiserem né, mas eles não saem, eles normalmente
eles ficam o tempo todo. E é muito importante esse trabalho, porque nós sabemos a
dificuldade de quem tem dependência química né conseguir abandonar o vício e os
recursos também né; essa entidade ela não cobra do paciente e tem feito um trabalho
maravilhoso. Então uma senhora muito querida na cidade doou o terreno, doou inclusive
tijolos e também já existe alguma fundação lá para construir um prédio né em que se
trabalhe muitos aspectos da sociedade, inclusive também para com os idosos. Então eu
fiquei bem surpreso né com o a nossa reunião, com o senhor Valdecir Bergamin; ficamos
em torno de 2 horas conversando com eles, conversamos com as pessoas que estão
hospedados né e foi muito bom, é muito bom saber que na nossa cidade tem pessoas que
fazem essas coisas muitas vezes a nível até de trabalho voluntário né. O senhor Bergamin
ele trabalha apenas com isso ele se dedica muito a isso, todo dia, todos os dias ele está lá
né para conversar com as pessoas e muitas vezes o que faz a diferença é uma boa conversa
com os internos. Porque muitos de nós já passamos por momentos na vida em que uma
conversa fez toda a diferença para que a gente pudesse tomar alguma decisão né. Então
essa entidade que é o ‘Esquadrão da vida’ junto com a ONG Reavivar quero deixar aqui os
meus parabéns dizer que fiquei muito contente em conhecer essas entidades e sei que na
nossa cidade existem outras também que nós poderemos, mais adiante, trazer ao
conhecimento. Como também aconteceu um outro fato muito, muito incrível na semana
passada em que eu e o vereador Sandro estivemos numa experiência que foi uma das mais
incríveis da nossa vida. Nunca imaginávamos que a gente passaria por isso, porque é uma
coisa muito simples, muito básica, mas que a gente não tem ideia de que acontece. Na
quarta-feira à tarde, em torno de 3 horas, estivemos na AFADEV, fomos vendados, nos foi
oferecida uma bengala e nós andamos pelo centro da cidade vendados, com bengala,
guiados por outros cegos para ter uma noção de como é o sentimento que eles têm ao andar
na rua. Para nós foi uma coisa quase que desesperadora assim a princípio né.O professor
Sandro, como ele é mais alto e magro, ele chegou ficar um pouquinho curvado para
encostar a bengala no chão né, eu como sou mais baixinho e gordinho, eu estava mais
tranquilo, porque se eu batesse nas coisas eu sou mais fofinho então… Mas é uma sensação
muito diferente sabe, porque a gente tem uma noção a nível do barulho né dos carros das
pessoas, aquilo que a gente já viu também né na cidade quando algum cego se aproxima a
gente se afasta para não ser tocado pela bengala né, mas é muito difícil. É uma coisa que
realmente não é bem assim, a gente acha que é tranquilo né. Até conversando algum tempo
atrás com meu amigo Alexandre Batisti, ele comentou que ele tinha um pouco de
dificuldade em sair na rua com a bengala né, ao passos que outros colegas eles já tinham
muita facilitada, porque a pessoa já é mais despachada, não tem tanto medo; mas a gente
que enxerga normalmente a gente não percebe o quanto é difícil. E nesse nosso passeio
então nós saímos da AFADEV fomos até a Praça da Matriz onde a gente aguardou por um
ônibus, sempre têm pessoas boas para ajudar, para dizer: “olha, teu ônibus está chegando”
é uma coisa muito incrível né; eles devem ter percebido que nós não eram deficientes
visuais, porque a gente estava com a mascara né, professor, e a moça do ônibus, aliás,
quero mandar um abraço e dizer parabéns à motorista Fernanda. E nossa vida na cidade
mudou depois que os ônibus começaram a colocar as mulheres no volante né. Como elas
são jeitosas, elas são queridas; ela parou, abriu a porta do meio, primeiro a gente entrou
pela porta da frente, depois ela abriu a porta do meio para que a gente pudesse entrar com
mais conforto, esperou a gente sentar tranquilamente, nenhum momento nós tiramos as
vendas né. Uma querida essa moça. Eu tenho percebido a nível do trajeto, sempre que eu
ando na cidade, quando são as moças que estão dirigindo, elas são muito mais cuidadosas
que nós. Eu acredito sim que as mulheres dirigem melhor que os homens, porque os
homens eles são muito ousados e inconsequentes às vezes né. Mas eu não estou aqui para
falar sobre essas diferenças entre homens e mulheres até porque isso sempre é um assunto
polêmico né, eu só quero dizer inclusive me referindo a Clarice e a doutora Eleonora né
que se um homem diz que vai fazer alguma coisa em casa, se ele vai consertar alguma
coisa, ele vai fazer tá, ele vai, não precisa ficar cobrando a cada 6 meses tá. Ele vai fazer.
Mas brincadeiras à parte, ficamos muito contente com atendimento que essa moça nos deu
né, fomos então daqui do centro até o Medianeira aí lá na casa do Pablo, a gente tomou
uma aguinha lá e depois a gente voltou de táxi né. Mas é uma dificuldade muito grande
para que não enxerga. O bom é que as pessoas elas são muito solícitas, elas ajudam: “oh,
cuida aqui”; e tem uma coisa que nos incomodou um pouquinho, tanto a mim quanto ao
Sandro, que a gente não tinha ideia disso o quanto isso atrapalha. Antigamente existiam os
orelhões, então para o cego que está com a bengala, ele vai cutucando embaixo, mas o
orelhão fazia aquela volta, então isso é um problema né muitas vezes dando cabeçada ali
né. No nosso caso, nós sentimos dificuldades com relação às placas das lojas que sempre
acontece de ter uma placa ou duas no caminho. Então isso é uma coisa que a gente sentiu
como dificuldade né. Eles já estão acostumados, mas eles vão numa velocidade e eles
sentem pelo piso, piso tátil, eles sabem exatamente quando eles estão no asfalto quando
eles estão na calçada; para mim me incomodava um pouquinho piso tátil né porque a gente
não tá acostumado né e o sapato um pouco fino aquele piso incomoda um pouco, mas é
muito importante para eles. Então foi uma experiência incrível que eu nunca imaginava ter
na minha vida. Eu estava vendado, mas eu estava com os olhos abertos e eu percebi que
em determinado momento os meus olhos ficaram procurando os lugares que não ia e aí eu
fechei os olhos e tentei relaxar e caminhar, porque eu sabia que eu estava sendo bem
guiado né. Nós temos na Bíblia um texto que diz como um cego pode guiar outro cego e
existe a determinada colocação exata para isso, mas neste caso nós fomos guiados por
outros cegos e foi uma experiência maravilhosa. Nós precisamos então nos colocar na pele
dos outros para saber como eles vivem, como eles passam o seu dia a dia, o quê que nós
podemos melhorar né. E essa coisa que se chama empatia é uma das melhores coisas do
mundo para a gente saber a necessidade do nosso irmão seja ela qual for. Porque na
verdade, muitas vezes, nós acabamos julgando as pessoas, mas nós não estamos aqui para
julgar, nós estamos aqui para aprender e a minha necessidade pode ser diferente do meu
irmão; eu posso ter qualidades diferentes, como necessidades diferentes, só que se a gente
abrir a nossa mente nós podemos fazer mais. Então tenho focado meu mandato em buscar
essas informações e saber o quê que nós podemos ser útil sob a ótica de mudar a realidade
dessas pessoas. Isso foi muito bom. Pensando nisso também, nessa coisa da empatia, de
mudar um pouco a realidade da vida das pessoas, conversando hoje à tarde sobre as
demandas da cidade na reunião com o prefeito e vice-prefeito, gostaria de informar que nós
vamos então protocolar hoje a solicitação para o adiamento do pagamento do IPTU.
Vamos conversar sobre isso e vai ser muito importante, porque no nosso momento de crise
né que a gente tá, existe muita dificuldade para todo mundo né ainda mais agora que
estamos com bandeira preta; ainda não né a partir de amanhã acho né. Mas estamos num
momento muito delicado. Então é sempre uma tentação nós sairmos por aí retirarmos a
máscara, mas esse momento é complicado e a gente precisa tomar todo o cuidado possível,
porque talvez a gente possa até pegar né o covid e não acontecer nada, mas alguém que
está perto da gente pode acontecer isso né. Então contando sobre essas notícias boas, nós
vamos protocolar hoje então o pedido do adiamento né desse pagamento do IPTU para
facilitar um pouco mais a vida das pessoas; conversamos também hoje sobre as grandes
coisas que estão sendo feitas a nível de obras né na cidade, muitas obras acontecendo. E
gostaria de colocar para a sociedade que muitas vezes acontece o seguinte: as pessoas elas
ficam um pouco incomodadas, porque a obra chegou até determinado ponto e não passou
50 metros daquele ponto. Porém existe toda uma programação, não dá para sair fazendo
aquela rua inteira, tem que ser feita até ali no outro dia dele para lá né. Têm problemas
também que as pessoas às vezes pode acontecer algum problema de não terminar naquele
dia e aí as pessoas terem a ideia de que aquele, aquela estrada, aquela rua, aquele trabalho
ficou pela metade né e aí ligam para rádio para dizer “oh não terminaram”. Sim, às vezes
não dá para terminar nem sempre dá né. Mas o pessoal está muito esforçado apesar de
todas as dificuldades né, da necessidade urgente de todo mundo, porque agora todo mundo
quer tudo para ontem e é natural isso né. Conversamos também hoje à tarde sobre o
REFIS, sobre as normas né, então existe uma série de coisas que estão acontecendo para
que a população possa se sentir um pouco mais abraçada, digamos assim, com relação às
coisas da nossa cidade né. Na quinta-feira também tivemos uma reunião com todos os, com
a grande maioria dos vereadores, alguns por motivos bem difíceis não puderam estar né,
mas estamos tentando fazer com que a Câmara seja uma Câmara bastante unida nos
objetivos, trabalhando em prol das coisas que realmente importam e possam mudar. Então
é como se fosse um corpo humano esse corpo humano tem que estar todo em condições,
saudável, perfeito; quanto mais unidos nós conseguirmos ser, mais resultados nós teremos.
Então quero dizer que eu estou muito feliz de estar fazendo parte dessa composição de
vereadores aqui né com cada um a gente aprende muito com o jeitinho de cada um e é
muito importante nós sabermos defender né, ou melhor, definir quem é quem, quem faz o
quê, porque todos nós temos muito a oferecer e de cada jeito cada um do seu jeito nós
podemos contribuir muito para a nossa cidade. Então você que está nos assistindo agora na
TV Serra, ao Leandro Adamatti também o nosso abraço, muito obrigado pela oportunidade
de estar aqui quanto a mim e tenho certeza que aos meus colegas também. Nós vamos
fazer tudo que estiver ao nosso alcance para lhe deixar contente, se a gente não conseguir
fazer tudo é porque, às vezes, as coisas elas são um pouco mais morosas do que eu
imaginava que fosse. As coisas poderiam ser mais rápidas, mas muitas vezes envolve
dinheiro público, envolve situações que podem dar problema ali adiante; então nem sempre
a gente consegue resolver tudo para hoje, mas a gente vai tentar resolver no melhor tempo
possível. Então muito obrigado pela oportunidade de estar aqui, obrigado aos colegas e
uma boa noite a todos.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Calebe Coelho. Convido o
Partido Liberal – PL para que faça uso da tribuna. Vereador Chico Sutilli.
VER. EURIDES SUTILLI: Boa noite a todos. Meus cumprimentos ao senhor presidente
Tadeu Salib dos Santos, colegas vereadores, colegas vereadoras, o nosso secretário
Fernando, o nosso amigo senhor Arielson Arsego, funcionários da Casa, senhores
presentes, imprensa e também aqueles que estão nos acompanhando pelas mídias sociais.
A minha preocupação que eu vejo no dia a dia aqui na cidade é com relação ao
desemprego. Todo dia eu tenho contato com pessoas que me procuram pelo desemprego
que nós temos na nossa cidade. Mas pelo outro lado, eu tenho um leque de amigos
empresários que nas reuniões e encontros que a gente faz eles sempre me procuram
pedindo informação se eu tenho amigos/conhecidos desempregado para indicar para eles
para possíveis trabalhos né. Mas nesse meio tempo, a gente sempre se depara com o a
dificuldade do emprego e a dificuldade de termos profissionais formados para suprir a
necessidade das empresas. Com o nosso crescimento que nós temos na cidade hoje lento
por vários fatores, mas logo na frente nós vamos deslanchar de novo, eu peço
encarecidamente que nós, onde pudermos ajudar com dar ideia para os jovens participar
mais de cursos profissionalizantes SENAI/SENAC o nosso menor aprendiz que foi
deixado assim teve épocas que uma empresa para ter menor aprendiz tinha que ter acima
de 50 funcionários né. Só que temos setores da nossa cidade que é criado de pequenas
empresas, empresas mais familiares que o nosso setor calçadista, que já esteve gigante,
também eu vejo bastante hoje são empresas familiares que não demanda mais de muita
mão de obra e não forma mais ninguém, só que é um setor que está se extinguindo na
cidade por falta de formação de profissionais. E mais no comércio a gente vê bastante as
lojas que não têm essa quantidade certa ou que atinja a quantidade necessária para termos
menores aprendizes. Só que também de outro lado tem que partir também de nós pais, de
pôr nossos filhos, independente se for diretamente da família não precisa ser diretamente
pela empresa indicar para um amigo conhecido de outro setor, porque a gente se formando
profissional não precisa ser justamente no nosso setor. A grande dificuldade das empresas
virem se instalar aqui é que vão ter que trazer os profissionais formados de outro lugar.
Nós temos que ter arrecadação, mas também temos que dar a mão de obra, oferecer a mão
de obra aqui do nosso município para ter os dois benefícios né; ter nossa população
trabalhando e ter arrecadação necessária para o nosso município. Essa é uma das grandes
motivos que eu vejo aí e grande procura que o pessoal vem me procurando. Seria isso. Em
nome do Executivo peço desculpa aos cidadãos que tinham agendado com o prefeito para
amanhã que por motivo da nossa bandeira será reagendado para uma próxima data.
Obrigado e boa noite a todos.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Boa noite, vereador Chico Sutilli. Convido agora
o Partido Socialista Brasileiro – PSB para que faça uso da tribuna. Vereador Roque
Severgnini.
VER. ROQUE SEVERGNINI: Senhor presidente, senhores vereadores, senhoras
vereadoras, demais presentes. Cumprimentar aqui a imprensa que nos acompanha de modo
especial aqui o Adamatti sempre faz as filmagens aqui da sessão, quem sabe um dia a
gente contrate aí a TV para fazer a filmagem oficialmente aqui da Câmara. Saudar aqui o
ex-vereador Arielson, não sei se o Fernando ainda está por aí, o secretário, enfim os demais
presentes aí. Queria comentar sobre uma situação ali de São Pauleto de um asfalto que
está sendo feito, que foi feito na verdade já, que é aquele Programa de Asfaltamento Rural
que nós deixamos licitado aí que tá sendo executado essas obras inclusive que o Calebe
comentou. Notei que havia ali uma largura menor do que os 6 metros de pista né,
aproximadamente meio metro a menos em determinados locais espessura menor também já
contatamos com o fiscal responsável pela obra e prontamente já foi in loco averiguar. É
importante acompanhar por que são obras caras né e sempre pode ter algum não
voluntariamente, mas às vezes involuntariamente também não fica a contento, mas para
isso existe a fiscalização. Também quero comentar sobre um patrolamento da estrada aí
que liga o Salto Ventoso, na verdade, agora é igreja da linha Muller a divisa de Barbosa né
por que até a igreja da Linha Muller está toda asfaltada, para que seja encaminhado um
patrolamento; já encaminhei aí para o nosso amigo Arielson que encaminhe diretamente lá
ao prefeito sem passar pela Câmara. E também um patrolamento ali da Rua Vitório Dal
Monte que também essa rua já está contratada a obra é uma obra que foi feita através de
uma permuta ali que uma empresa recebeu um terreno para fazer algumas obras de
pavimentação na cidade e a Vitorio Dal Monte é uma dessas obras que já ficou pronta
também inclusive a empresa já certinho ali deve estar processo em andamento
possivelmente logo esteja calçada. E um outro também de melhorias da Praça Latina no
bairro São Luiz que precisa fazer alguns reparos, mas são coisas pequenas, não tem
maiores dificuldades, já encaminhei direto aí para o Arielson aí para ir lá para a Prefeitura.
Queria comentar aqui sobre a questão do preço da uva. Nós temos a nossa região, ela se
destaca pela produção de uvas, e temos aí diversas variedades de uvas que agora vem se
somando cada vez mais novas variedades. E esse ano é um ano que a safra está muito
grande, está muito forte, tiveram algumas dificuldades aí com excesso de chuvas aí no
início do ano, mas agora está na colheita, está no forte da colheita. E a gente observa que
esse ano é um ano que a uva vai dar menos grau devido à chuva, devido a ter muita carga
de uva mesmo. Então quando tem muita uva é natural que o grau diminua um pouco. O
que causa surpresa para nós é o preço da uva, o preço da uva 2021. A uva ela está com
preço mínimo garantido pelo Governo Federal, pelo Ministério da Agricultura e pela
CONAB no valor de R$ 1,10 ao quilo. O ano passado a safra 2020 foi 1,08 agora é 1,10.
Melhor seria que não tivesse dado esses R$ 0,02 né; parece uma esmola para o agricultor.
Então subiu 1,85%, não chegou a 2% aumento do preço da uva em um ano; e nós tivemos
o aumento da gasolina só no mês só no ano 2021 de 34% e do diesel 27%. Então a gente
nota que o agricultor ele é o último a poder dar qualquer opinião sobre a venda do seu
produto. Quando vai vender, pede quanto pagam, quando vai comprar, pede quanto
cobram. Então a gente está fazendo um requerimento à ministra de Agricultura, ministra
Tereza Cristina deputada do Mato Grosso que é a secretária da Agricultura atualmente,
para que ela tome conhecimento também da Câmara de Vereadores de Farroupilha da
nossa insatisfação em relação a essa migalha de pagamento do preço da uva; a exemplo de
várias Câmaras de Vereadores aqui da região que também já mandaram. É bem verdade
que não vai ela se sensibilizar com o requerimento da Câmara de Vereadores de
Farroupilha, mas é um aceno né. Porque para fazer a composição do preço da uva, o
Conselho Monetário Nacional ele ouve lá a Secretaria da Agricultura, provavelmente dos
Estados, ele ouve a CONAB e deveria ouvir os agricultores também; está lá que é assim
que se faz. Mas eu duvido que algum dia alguém tirou né a sua, se alguém saiu do seu
gabinete para ir conversar com um agricultor e conhecer um pouquinho a árdua luta que
tem esses agricultores para fazer chegar na mesa das pessoas um bom vinho, um bom
espumante, que aliás Farroupilha é a capital nacional do moscatel. E não foi algo que nos
deram foi uma conquista. Isso foi uma conquista. Nós conquistamos, porque ninguém vai
te dar algo que você não merece então foi uma conquista. E o bom é quando a gente
conquista, não é uma concessão é uma conquista. E diante disso, a gente entende que o
governo federal deveria de criar um programa de redução do custo de produção da uva e
quem sabe, quem sabe não com certeza diminuir os impostos sobre o vinho, porque daí as
cantinas conseguem pagar mais por que terão menos impostos a pagar. Você imagina que
se subiu 27% o diesel você acha que o cara do frete não vai aumentar o frete? E tudo vai
aumentar. Uma vez se dizia o seguinte: subiu a gasolina, sobe tudo. E é verdade, continua
sendo assim, subiu a gasolina todo mundo reajusta. Vocês notaram o preço que tá a carne?
Fui no açougue esses dias comprar uma carne, sábado, aí me encontrei com uma senhora
ela falou “nossa eu comprava ponta de peito a 9,90 na metade do ano passado”; ponta de
peito desossado. E está 32 no mercado que estávamos, R$ 32,00. Mas será que isso está
certo? Será que o Brasil está no rumo certo? Fica um ponto de interrogação. Será que está
no rumo certo? Eu vi agora que Israel já vacinou mais da metade da sua população. Então
não é de esquerda ou de direita que faz a diferença; faz a diferença de competência e de
incompetência. Israel não é um estado de esquerda, Israel é um país que tem um governo
de direita; eu não estou fazendo crítica de direita e nem elogiando a esquerda. Estou
falando de competências. A gente fica se enrolando, se enrolando, se enrolando, achando
que é o melhor ‘o gás da coca’ e na hora de fazer não tem o que fazer. Então nós vamos
encaminhar esse requerimento depois, senhor presidente, para que a gente encaminhe uma
moção de protesto ao Ministério da Agricultura em função do pouco preço da uva. E quero
também aproveitar, falando de vacinação, não têm sido fácil esses primeiros dias do ano
2021. Eu acho até que tem algum fundo também de trocas de prefeito e eu não estou
dizendo que trocar o prefeito tenha causado o problema. Não. É que todo mundo que
reiniciou, reiniciou né, doutor Thiago, numa nova plataforma, mas o vírus não está
esperando o vírus tem que continuar e eu acho que nós precisamos divulgar mais. Eu acho
que todo dia tem que falar do coronavírus, todo dia tem que falar da covid-19, dos
malefícios, dos cuidados, orientar nossa população; a população tem que saber que é
perigoso. Porque senão a gente para de falar nisso, daqui a pouco para de usar máscara,
daqui a pouco para de usar álcool gel, daqui a pouco para de se cuidar e o principal
elemento de salvação é os cuidados. Até porque nós vacinamos, não chegamos a 6 milhões
ainda de vacinação, de vacina no Brasil, a primeira dose né; que a segunda dose está um
pouco mais de um milhão e meio num pais de mais de 200 milhões de habitantes. Nós
estamos fazendo requerimento para que seja encaminhado ao ministro da Saúde para que
possa colocar como prioridade a vacina para os professores; os professores e funcionários
de escola. Porque da mesma forma na questão da uva nós também não temos a imaginação
de que o ministro vai pegar o nosso requerimento e vai sair correndo vacinar os
professores. Não é isso. É que tem centenas de prefeitos, milhares de vereadores, têm
governadores pleiteando isso, então quanto mais chegar lá mais força vamos ter para que
se sensibilize e se faça a vacina. Se nós olharmos aqui, tem um cronograma de vacinação, a
gente vai ver que os professores estão lá em 19º e 20º lugar na ordem de prioridade. É claro
que quem faz isso aí, esse cronograma, são pessoas qualificadíssimas e elas compreendem
e sabem o que é prioridade. Mas vamos lá nós tivemos primeiro todo o pessoal da área da
saúde que foram vacinados. Ok, inconteste isso; é importante. Os idosos e ali vem 75 aos
79 anos e não chegamos aí né, mas tem lá em 8º lugar; aí depois vem as comunidades
ribeirinhas, os quilombolas, aí vêm de novo os de 70 a 74; depois descendo mais um pouco
aqui em 13º lugar e 14º vem de 18 a 59 com comorbidades, aí vem as pessoas com
deficiências permanentes, pessoas de ruas, população privada de liberdade que são os
presos, vêm os funcionários que trabalham em presídios, depois vêm os professores.
Depois vêm os professores. Então eu acho que o grande problema do nosso Brasil hoje,
nessa área, é que não se faz uma leitura da realidade de cada local. Por exemplo, nós aqui
na nossa região não temos quilombolas, então esse local poderia ter um outro grau de
prioridade. Têm locais que tem mais quilombolas, tem lugares que o estado praticamente é
a maioria são índios como tu pega o caso do Acre, mas tu pega o Rio Grande do Sul tem
menos. Então teria que ter leituras diferentes para que a gente pudesse aproveitar melhor
isso. Vou dar um outro exemplo, no ano passado, quando deu ali os primeiros sintomas do
covid-19, se fechou cidades inteiras, a mesma regra de Porto Alegre valia para Farroupilha
e valia para Alto Feliz. Se você pegar a cidadezinha nossa coirmã que é Alto Feliz, tem
menos habitantes do que um prédio em Porto Alegre e valia as mesmas regras. Então eu
acho que a dificuldade do nosso governo de enxergar o Brasil com as suas diferenças que
têm e pôr políticas diferenciadas para cada região. É diferente, é diferente né tem que
analisar melhor. Então deixei esses dois requerimentos depois oportunamente quando for
em votação podemos conversar novamente, mas queria desde já pedir o apoio dos nobres
colegas vereadores, porque acho importante a gente se manifestar sobre estes temas macros
que atinge todos os brasileiros. Obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Roque. E convido a Rede
Sustentabilidade para que faça uso da tribuna. Vereador pastor Davi.
VER. DAVI DE ALMEIDA: Boa noite, senhor presidente, boa noite aos excelentíssimos
vereadores, vereadoras, funcionários desta Casa, vi que estava presente também aqui o
porta-voz da Rede Sustentabilidade: André, mas já não o vejo aqui; saudando todos que
estão presentes, a imprensa. Dizer que nós chegamos a um momento muito difícil, muito
crítico nessa pandemia/covid-19; acredito que um dos momentos mais difíceis, porque a
conta vem né. A conta de uma virada de ano, de férias, de carnaval, de falta de
fiscalizações, e eu quero deixar um pequeno pensamento de que nós não podemos pagar
essa conta com o comércio, com as indústrias, com o fechamento, com o lockdown, porque
neste momento o lockdown, pelo entendimento que se temos, não será resolutivo. O que
será resolutivo? Uma eficácia na fiscalização uma eficácia na prevenção; que possamos
retomar as falas diárias contra esse vírus, porque o vírus traz as suas variações, a vacina se
se encontra dificuldade para que ela seja aplicada, que se tenha essa vacina. Então a gente
vê muitas dificuldades aí pela frente. Situação econômica preocupante e muitas coisas para
que a gente possa trabalhar nesses dias, mas deixo esse pensamento para que juntos a gente
possa encontrar soluções né. Creio que o nosso executivo já tem sua manifestação também.
E da importância que eu vejo de nós trabalharmos para que as nossas crianças possam
voltar às escolas, para que a gente não venha ter esse fator negativo no futuro, da ausência,
da prática de esportes, da cultura deles estarem em comunhão e crescer juntos; vejo que é
importante as escolas se prepararam os professores se prepararam e vejo a importância de
nós seguirmos no retorno às aulas também. Senhor presidente, trago aqui também o
trabalho da nossa semana, dos nossos dias, temos recebidos inúmeras solicitações de ajuda
por parte dos nossos munícipes e tem chegado até mim, e quero aqui compartilhar com
excelentíssimos vereadores, um golpe que vem sendo aplicado nesses últimos tempos. Na
verdade depois de estar com o PROCON essa semana fui informado de que desde o ano
passado, doutora Clarice, vem se aplicando um golpe em que os bancos virtuais se
apossam do número de benefício dos aposentados pelo INSS e então recebem em suas
contas um valor contratado de um empréstimo que esse beneficiário não tenha feito
contratação, seus familiares não tenho tido contratação, mas recebe um valor em sua conta
e também uma carga de uma parcela de mais de 80 vezes para pagar algo que não tenha
sido contratado. Felizmente aqui em Farroupilha nós temos o PROCON atuante e eu quero
aqui parabenizar as atendentes do PROCON, em especial uma delas a Amanda, que estive
in loco me atendeu com uma habilidade tamanha e que resolvemos o problema. Então eu
quero deixar aqui para essas pessoas que têm enfrentado essa dificuldade, desde o ano
passado muitos golpes o PROCON me relata e eu quero dizer que todos aqueles que têm
encontrado dificuldade ou tenham recebido algum valor na sua conta ou desconto na sua
folha de INSS procure o PROCON para que rapidamente seja resolvido; senão realize um
boletim de ocorrência para que a gente possa terminar com esta este dano, essa fraude né.
E eu pergunto aqui a todos nós: e o INSS? Como que as pessoas têm, como que os bancos
têm acesso ao número do benefício podendo fazer um empréstimo no nome de cidadão que
nem tem conhecimento. E em contato com o INSS, em contato com este banco, a resposta
do banco foi a seguinte: “que eles tem uma parceria com o INSS para fazer tais
procedimentos”. Eu não acredito que se tenha essa parceria sem o consentimento da
população, mas foi essa a fala que recebi deste banco chamado C6, um banco virtual que
não temos nem o conhecimento. Haja visto que já resolvido o problema né, mas trago aqui
em conhecimento então dos nossos vereadores, porque muitos devem estar recebendo tal
fraude. Tivemos também junto à ECOFAR fazendo um requerimento para que eles possam
ampliar o atendimento e colocação de containers na nossa cidade, no interior e informação
a ECOFAR que o nosso a nossa Secretaria de Meio Ambiente então que demanda essas
solicitações e analisa. Então deixando claro aqui para as pessoas que não solicitaram, já
encaminhamos, já conversamos com a secretária e ela vai fazer então essa análise para que
sejam ampliada a colocação desses containers. Trago também para todos aqui que a
passagem e lembro aqui dos 87 anos do nosso Hospital Beneficente São Carlos, faço aqui
citação e também protocolarmos nessa Casa no dia 12/2 um pedido que a gente possa
enviar votos de congratulações ao Hospital Beneficente São Carlos que muito tem nos
atendido e que muito tem ampliado o seu atendimento; a gente sabe que as demandas elas
são infinitas e os recursos são finitos, mas temos o hospital que nos atende aqui na nossa
cidade. E hoje também, senhores vereadores, terei um requerimento para apreciação dos
senhores, uma sugestão de um projeto de lei na qual visa transformar duas leis em uma
única lei. Já estive falando com o nosso prefeito, com o vice-prefeito e coloquei para eles
então, ele me colocou que fizesse esse requerimento para que ele pudesse então fazer, essa
sugestão ao prefeito para que ele pudesse fazer então essa alteração nesse projeto de lei que
visa transformar a marcha para Jesus na nossa cidade e a mateada cristã, que é realizada no
final do ano, em um só projeto para que possa entrar no calendário de eventos do nosso
município. No demais, agradeço aqui a todos e uma boa noite.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador pastor Davi. Convido o
Partido Democrático Trabalhista – PDT para que faça uso da tribuna. Fará uso da tribuna o
vereador Thiago Brunet
VER. THIAGO BRUNET: Boa noite, senhor presidente. Boa noite colegas vereadores, a
todos que nos prestigiam até o momento, imprensa, funcionários e todos que estão nas suas
casas também. Bom, o que me traz hoje a essa tribuna, é para que a gente possa conversar
um pouquinho sobre a manifestação do senhor Governador né sobre a sua postura e a
colocação então a partir de amanhã da bandeira preta que eu acho que ele tem as condições
necessárias, ele tem talvez a questão técnica/médica que a gente sabe hoje né que quanto
mais circular o vírus, e o vírus circula com as pessoas, ele não circula sozinho, não sai
voando né, então quanto mais tiver circulação de pessoas mais tem circulação do vírus e
mais tem uma taxa de contágio. Tudo isso a gente entende e eu, mais do que ninguém,
porque estou estudando esse assunto já faz um ano. Aliás, né quem aqui imaginava que o
pico da pandemia seria um ano depois. Eu não, e muitos médicos também não. Todo
mundo falava em agosto, junho, julho né. Eu mesmo, eu errei muito né, mas a gente erra né
quando a gente fala a gente se coloca, mas também acertei bastante. Então não me
arrependo de nenhuma fala que tive, porque continuo com a minha essência essa não muda
né. A gente está se protegendo trabalhando. Por favor, gente, deixam as pessoas
trabalharem. Isso eu não posso mudar doutora Eleonora, isso não tenho como mudar.
Porque não é só o trabalho do cidadão é uma série de outras situações que também
acontecem quando a gente não vai trabalhar. Quando a gente não vai trabalhar a gente vai
para o litoral, a gente no Centro, a gente fica circulando né. Então, porque não trabalhar.
Por favor, gente, não façam de novo, não cometam o mesmo erro que cometeram há um
ano atrás de fechar comércio, de restringir que as pessoas possam ter aquilo que lhe dá
dignidade, que lhe dá dinheiro no bolso. 80% da minha saúde depende do meu trabalho e
do dinheiro que eu ganho com ele o resto eu vejo depois. Vírus, bactéria, a minha saúde em
si, vem num segundo plano, mas primeiro preciso do meu trabalho para ter a minha saúde
estabelecida. E o que me traz aqui hoje especificamente tá é com relação à conduta não do
governador da bandeira preta, não; a conduta do Governador no dia 31 de janeiro/1º de
fevereiro, final de janeiro e início de fevereiro, quando ele nas redes sociais, se gavando,
aceita vim cerca de 50/60 pacientes de Manaus, do norte do nosso país, tá. Não quero ser
mal interpretado aqui, por favor, eu sou um cidadão, sou um médico e quero sempre salvar
vidas. Agora jamais poderiam ter tirado de lá uma variante nova, gente. Porra tchê! O
governador é o do “fica em casa”, fica em casa fica onde tá. Quer ajudar, manda recurso
humano para lá, manda médico, manda respirador, mas não tira o cidadão que tá lá com
uma nova variante no mundo, gente, e coloca ele aqui no Rio Grande do Sul. E bateram
cabeça aqui. Vocês sabiam que botaram esses pacientes junto com pacientes não
contaminados no hospital? Vocês viram a matéria? Procurem. A senhora leu, doutora
Eleonora. Então? Gente, trouxeram para cá, quem é que vai pagar essa conta? Aqueles
seres que foram contaminados por um erro crasso de tu colocar o paciente covid junto com
paciente não covid, e com uma nova variante que agora já está aqui em nosso Estado.
Como é que nós vamos fazer? Nós vamos vacinar agora uma vacina que talvez já não
funciona mais para um vírus que está vindo. Gente, isso sim eu condeno no nosso
Governador; jamais ele deveria ter trazido esses pacientes, essas pessoas para cá para o
nosso Estado e sem os cuidados necessários tanto é que deu no que deu. Outra coisa, pastor
Davi falou muito bem aqui e o Roque também e eu quero ratificar, pelo amor de Deus,
gente, deixam as crianças voltarem para as escolas. A gente sabe que o Governador está
com dificuldade né para se organizar na rede pública, a rede privada já está organizado,
meu filho já está indo todos os dias estuda aqui no São José em Caxias né a semana
passada todos hoje foi para aula também de novo não sei como é que vai ser daqui para
frente agora né. A Sociedade Brasileira de Pediatria eu tenho amigo meu, amigo da doutora
Eleonora que tem os três filhos hoje estudando nos Estados Unidos, Nova Jersey, e lá só
pararam às aulas por causa da nevasca agora. Por quê? Porque a Sociedade Brasileira de
Pediatria que é uma das sociedades mais importantes no ramo da pediatria do mundo já
deu a sentença dizendo que as crianças devem voltar para as escolas, principalmente
aqueles que estão em período de alfabetização, aqueles que estão em período de
aprendizagem, até porque escola não é só matemática, português, é saber conviver com as
pessoas, é ter a parte cognitiva. Isso nós não podemos, e eu quero colocar aqui para que as
pessoas possam ver. Esse é o nosso país. O país que no Plano Nacional de Vacinação, e
passa aqui são 30 itens, neste Plano Nacional de Vacinação tem ali pessoas da saúde,
trabalhadores, ele está em 19º ou 20º deixa eu aqui ver… Está em prioridade 19ª de 30.
Essa é a prioridade que nós estamos dando para nossa educação. Isso é um absurdo, senhor
presidente. Isso a mim, eu vou te falar bem sincero, a mim me dá um sentimento dos mais
rudimentares que um ser humano possa ter. Porque eu não consigo, eu posso ter todos os
defeitos, mas eu estou sempre tentando ensinar alguma coisa para meu filho. Nós passamos
o final de semana inteiro joga vôlei joga tênis vamos jogar um futebolzinho, porque
aprendizado gente; eu só estou aqui e consegui me formar médico e tenho uma cadeira
hoje no legislativo, porque eu fui educado para isso senão não conseguiria. Porque os meus
pais com certeza fizeram isso com muita vontade e acertaram, graças a Deus, por isso
estou aqui. Então eu quero dar de melhor para o meu filho; agora só eu não posso ir contra
um governo todo que de 30 quesitos de 30 situações para vacinar botam o professor lá no
final em 19º. Antes estão os presos, gente. Preso, gente! Preso antes que professor. Por
favor, vamos se respeitar. Então assim, gente, né. Tenho visto que muitas pessoas têm mais
medo de voltar ao trabalho do que de pegar o vírus. Este é um dos problemas também né.
A gente tem que ter esse entendimento. Galera do quanto pior melhor; sociedade
moralmente falida, individualista, hipócrita. Trabalhar não pode é perigoso ficar
saracoteando no centro e no litoral pode. E as crianças empolgadas com a volta às aulas
pagando essa conta. Por favor, gente, me escutem um pouquinho só tá. Eu sei que eu falo
algumas coisas que muitas vezes as pessoas não podem concordar, mas eu gostaria; o
documento do Roque maravilhoso tem que ir para lá um documento dessa Casa. Conversei
já pessoalmente com prefeito na quinta-feira numa janta maravilhosa que ele nos
proporcionou isso também é importante que a gente tenha essa sincronia, essa conversa.
Quando fui presidente dessa Casa a primeira coisa que fiz foi também fazer uma janta com
todos vereadores, lembra Tadeu, tanto da situação quanto da oposição. Espero que o
presidente também faça. Então, gente, eu venho aqui né com esta, com essa questão, para
defender as crianças do nosso país do nosso estado da nossa cidade, elas tem que estar na
escola. Criança tem que estar na escola. Foi assim que eu aprendi, independente de
pandemia. Tem riscos? Tem riscos, viver é um risco. Mas neste momento o benefício ou a
falta de benefício que eles estão tendo é muito maior do que os riscos então, por favor. Não
posso me calar também com relação ao acontecimento da prisão daquele cidadão, daquele
deputado Daniel Silveira, se eu não me engano, o nome dele tá. Quero deixar bem claro
aqui, bem claro aqui, para mim aquilo que ele falou é uma ignorância absurda tá. Repudio
a fala dele. Aquele cara para mim imbecil, entendeu? Tem cara de imbecil, jeito de imbecil
só pode ser um imbecil. Mas, mas, mas daí mandarem prender o cara porque ele falou
alguma coisa num país que tu prende apenas 5% das pessoas dos homicídios; os
homicídios 5% dos homicídios são presos. Num país da impunidade, onde as pessoas
botam dinheiro na cueca, onde roubam bilhões e dificilmente vão para a cadeia. Botar na
prisão um cidadão, porque falou meia dúzia de asneira. Gente, fecha o Congresso
Nacional, não são mais necessários entregaram para o STF assumir tudo: Executivo,
Legislativo e Judiciário. Está surgindo a ditadura da democracia, ou seja, se agrada ao
Supremo Tribunal Federal é democracia, se não agrada, manda prender. Aqueles que
acharam legal por que são a favor não são a favor do deputado preso amanhã podem ser os
próximos. Muito obrigado e boa noite.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador doutor Thiago Brunet que
falou aqui pelo Movimento Democrático Brasileiro – PDT. E eu peço escusa e agora eu
convido o menino… Primeiro veio a experiência e hoje um dos discursos inflamados do
doutor Thiago. Parabéns. Chamar o menino Tiago Ilha, a nova geração aí, essa gurizada, e
dizer de que ele vai ser privilegiado, ele tem 15 minutos para falar no Grande Expediente.
Boa noite, Tiago, seja bem vindo.
VER. TIAGO ILHA: Boa noite Senhor Presidente, é sempre uma honra e uma alegria ter
a oportunidade ímpar que todos nós temos de se posicionar aqui nessa Casa Legislativa na
nossa Câmara Municipal e não só colocar a nossa opinião né, mas também defender
bandeiras que as pessoas nos colocaram para estar aqui defendendo-as. Quero
cumprimentar a todas as pessoas que estão aqui na nossa Casa Legislativa, as pessoas que
estão em casa ou que vão assistir também essa sessão em outro momento; à imprensa
nosso carinho especial, aos membros do Executivo Municipal aqui quero saudar nosso
secretário de obras que está aqui presente, meu amigo Arielson, Fernando também estava
aqui nosso secretaria da agricultura, enfim. Primeiro assunto que eu queria começar a
minha prosa aqui se diz respeito a um momento que a gente está vivendo que ele é muito
mais grave do que nós estamos passando pela uma pandemia. É um momento de
concepção individual, de extrema dificuldade e aonde polarizou tudo; toda situação que
acontece no nosso país e no nosso momento, ela acaba polarizando e essa polarização não
faz em nada bem para o cidadão. Vou dar um exemplo: hoje quando estava saindo de um
mercado até que eu estava no meu carro guardando as compras, uma pessoa, um cidadão,
me parou e disse “Tiago quero falar contigo”. “Mas mais claro estou aqui vamos prosear”.
“não, porque olha só, porque que você tem que fazer isso, tem que falar aquilo, porque não
sei o quê, porque o prefeito fez isso, fez aquilo, fez aquilo ontem e porque você não é do
lado do prefeito, você tem que falar, não sei o quê, não sei aonde”. Eu disse assim para o
cidadão: “peraí, calma aí, o quê que é a situação?” “Não, mas é isso, isso, isso, isso, isso,
isso e aquilo”. Eu falei “olha, se o senhor está buscando alguém que defenda uma bandeira
que o senhor defende, o senhor está falando com a pessoa correta, agora se o senhor está
buscando alguém para fazer politicagem barata, o senhor não fale comigo”. Eu não estou
aqui para fazer isso. Não preciso ficar a vida inteira na política de vereador sei lá do que
fazendo isso. Não preciso por que esse espaço é passageiro. Inclusive nós vereadores,
deputados estaduais, federais, presidente, deveriam colocar isso na cabeça antes de sentar
naquelas cadeira por que esses espaços são passageiros e a gente não pode se apropriar
deles ou fazer deles o nosso individualismo. Daí fica sempre naquela mesma situação que
eu disse para esse senhor: quem ganha fala mal de quem perdeu e quem perdeu fala mal de
quem ganhou. Gente, se é para achar problema tu acha problema na tua casa, se tu quiser
achar problema, tu acha problema no teu casamento, se tu quer achar problema, tu acha
problema em tudo. Agora o quê que o cidadão busca? O problema ou a solução? “eu busco
a solução” ele me respondeu. Então se o senhor me permitir que seja do meu jeito eu
gostaria de tentar buscar essa solução. Aí a prosa mudou para o lado que eu acredito e eu
quero aqui fazer um cumprimento e uma referência muito justa pelo menos nesse início de
trabalho do Executivo Municipal de Farroupilha. Não só eu como tenho também
acompanhado aqui intervenções dos vereadores que são um elo colocado lá pela população
todas as vezes que eu estive me dirigindo ao Executivo Municipal, sempre fui tratado com
muito respeito com as portas extremamente abertas e com diálogo necessário, nossa líder
do governo. Então espero que esta conduta inicial ela seja seguida pelo período que
equivale ao mandato do prefeito, do vice-prefeito e de seus secretários. Porque na semana
passada eu levei ao conhecimento do prefeito 10 pautas que nós trabalhamos na Câmara,
que a gente colaborou e liderou quando secretário e outras ações que a gente sempre
defendeu e levamos como sugestões. E a gente tornou público isso e guardei com muito
carinho esse documento. Por quê? Porque eu quero provar para mim mesmo que muitas
vezes a gente olha para o lado errado. Quando tem bons projetos, gente, não importa de
quem seja tem que ser levado adiante, porque senão tudo para e nada acontece. Voltamos
aqui o recorte para questão da pandemia colocada aqui pelos meus colegas vereadores que
me antecederam. A pandemia é um exemplo claro que a briga política liderada, muitas
vezes, pelo próprio presidente da República com seus desafetos ocasionou uma trancação
na chegada dessa vacina jamais vista num país. Porque se um governador falava que a
vacina era boa, jamais o outro falava que era boa, que era ruim ou botava muitos defeitos e
outros falavam que tinha isso e outros falaram que tinha aquilo e a coisa virava uma briga
de ego, pessoal, política mirando 2022 e não pensava no cidadão que precisa ser vacinado,
presidente, que está morrendo todos os dias. Veja bem como é a situação, num grande
palanque eleitoral. E aí vamos descer aqui no Governador, a mesma coisa. Quando estava
toda a situação olhando para os problemas e é legítimo para qualquer cidadão querer ser
candidato a qualquer coisa, não estou questionando isso, mas eu esperava ouvir do
governador, nesse episódio de uma semana atrás, que ele se lançou candidato, em précandidato a presidente, que ele ia dizer “olha meu compromisso e minha atenção está aqui
no estado que eu fui eleito para governar este não é um assunto que eu debato nesse
momento”. De novo, a política, o ego muitas vezes a ganância pelo cargo ou sei lá outro
motivo, faz com que dentro de um partido político de grande expressão nacional, que já
tem um pré-candidato uma turma não concorda com aquele candidato, buscar lá no Rio
Grande do Sul um destaque que é o governador para liderar um choque partidário interno
para depois discutir uma briga eleitoral em 2022. Então essa polarização não faz bem para
o cidadão. O quanto pior melhor, como o doutor Thiago falou, ele é individualista e ele não
faz que nada se resolva. Aqui na no dia a dia da nossa cidade, o Thiago deu um exemplo
claro, quando as pessoas falam de bandeiras, hoje eu tive boa parte do comércio fazendo
uma visita até para sentir, senhor presidente, como é que estava sendo os protocolos. Tem
bandeira preta né então com a bandeira preta boa parte do comércio não pode trabalhar
essa que é o regramento. Eu fui ver com os meus olhos e que todos vocês vão no comércio
de Farroupilha também podem ver, quando você encontrou um comércio, não vou dizer
que todos são perfeitos, mas colocou que a maioria do comerciante, da indústria, do
empresário, coloca protocolos que nem na nossa casa a gente faz. Muito, eu desafio aqui a
todos nós se o protocolo que a gente usa aqui na Câmara Municipal muitas vezes a gente
vai usar quando recebe uma visita; e deveria, doutora Eleonora, porque a visita pode trazer
o vírus e a gente às vezes não vai ter essa percepção pelo carinho do visitante, e às vezes
vai trazer o vírus. A gente usa esse protocolo lá no comércio, além do protocolo de você
entrar com a máscara, te higieniza as mãos, toda a vez tem um vendedor te oferecendo um
álcool gel. E ele tá ali fazendo o quê, doutor Thiago? Ganhando o pão do dia a dia dele. E
se nós tirarmos isso que é a ferramenta de trabalho de quem precisa, no momento que a
pandemia deixa as famílias e a economia que a gente fala que não tem inflação; nós
trabalhamos com alimentação, o preço do arroz aumentou de uma forma desenfreada, a
carne muda toda semana, o azeite. O custo de vida do cidadão na nossa cidade e em todo o
Brasil aumentou. Aí eu pergunto para o cidadão que está me assistindo o teu salário
aumentou na mesma proporção? Aumentou na mesma proporção? Claro que não. Então
toda vez que a gente faz com que a economia não funcione, eu entendo que o grande
problema da pandemia está numa palavra chamada que é a maior dificuldade de todo
executivo municipal, seja ele aqui no município, seja executivo estadual, ou federal:
fiscalização. Então os governos deveriam investir em fiscalizar para que pudesse separar o
joio do trigo, presidente. Porque o que está acontecendo com a questão da bandeira sabe o
quê que é? Que pessoas que estão se esforçando se dedicam botam protocolo abrem a loja
gasta um monte com um monte de equipamentos de segurança estão fechando as portas,
porque tem meia dúzia que não quer saber, que ignora a pandemia que se junta e se
aglomera. Aí o Poder Público Municipal precisa agir, mas agir forte com equipes na rua;
tira aquela pessoa, muitas vezes, que está lá fazendo outra atividade e coloca na rua, pega
lá 7 ou 8 carros e espalha pela cidade inteira. Porque só assim a gente vai conseguir fazer.
Porque se o protocolo, eu sempre desde o início da pandemia o pessoal falava: “ah tem que
ficar em casa por que ninguém cumpre”. Tá, gente, então é que nem aquela história que
acontecia uma vez que não podia vender bebida na beira da rua. Gente, se o cidadão não
cumpre tem que ser punido. Mas não pode fazer isso ao contrário. O cidadão tem que ter a
liberdade de que dentro dos protocolos necessários, ele possa trabalhar e viver a vida dele
normalmente. Porque o doutor Thiago falou alguma coisa, vocês viram pelo esse
cronograma, por tudo que estamos vivendo, nós acreditamos que a questão da pandemia
vai acabar esse ano? Não vai gente, não vai nem vacinar todo mundo esse ano. Então nós
tínhamos que aumentar o rigor nos protocolos, colocar a fiscalização na rua para cumprir o
que determina a lei, a ordem, a organização, e deixar o povo continuar sua vida. Porque
toda vez que a gente fizer isso a gente vai estar dizendo que o cidadão: “viu tu pode
continuar aberto, pode continuar atividade”. Eu tenho participado, até dar um exemplo aqui
de academia, pelo menos na que eu tenho frequentado, é rigoroso a entrada, a permanência
e a saída. Não tem dado muito certo né comecei agora a pouco. Mas o importante é a
dedicação né. Mas eu falo isso, gente, porque é necessário é necessário a gente olhar muito
mais a gente está olhando para o problema e é muito mais fácil para um governante dizer
“não pode”. Quando eu fui secretário, que diversos já foram secretários trabalharam ou
trabalham no executivo, quando chega um cidadão com pepino lá, Tadeu, o que é mais
fácil tu dizer? “Não pode”. Chega lá com uma confusão, Arielson, o que é mais fácil dizer?
Não pode está aqui a lei. Mas o que eu tiro o chapéu, secretário de obras, é quando tu sai
daquela da tua comodidade e eu vou achar um jeito de resolver isso, porque tudo pode
‘desde que’ e eu vou encontrar esse ‘desde que’. E aí o que a gente precisa olhar para essa
questão da pandemia a gente precisa estabelecer a ordem, deixar que as pessoas possam
trabalhar com rigor necessário para que as coisas não fujam do controle e que a pandemia
se estabilize. Senhores, era o que eu tinha para o momento, meu muito obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Tiago Ilha. E justificando o
equívoco que eu cometi, por isso fiz até a brincadeira para o Tiago me poupar um
pouquinho na tribuna, porque eu pulei a vez do Tiago do Republicanos e equivocadamente
chamei primeiro o partido democrático trabalhista – PDT. Muito obrigado, Tiago, pela
compreensão. E convido o Movimento Democrático Brasileiro – MDB para que faça uso
da tribuna. Fará uso da tribuna o vereador Marcelo Broilo.
VER. MARCELO BROILO: Boa noite, senhor presidente, colegas vereadores,
vereadoras, funcionários da Casa, nosso sempre Vereador Arielson, secretário de Obras
Schmitz obrigado pela presença, Leandro representando a toda à imprensa e comentando
que no dia 16 de fevereiro foi o dia nacional do repórter então, isso eu fiquei sabendo hoje,
Leandro. De igual sorte quero aproveitar as palavras do Thiago Brunet e de modo muito
genuíno agradecer o que foi nos proporcionado na quinta-feira à noite pelo nosso prefeito e
vice-prefeito algo realmente muito particular, algo que independente né da questão
ideológica ou política fez com que estivéssemos todos reunidos com algumas exceções,
mas que realmente de coração aberto num espírito de muita união a gente consiga fazer o
nosso melhor por Farroupilha e passa por essa Casa também. Então realmente me senti
muito, muito feliz, muito lisonjeado com a participação e realmente os parabéns pela
iniciativa do nosso prefeito e nosso vice-prefeito. Realmente algo muito bacana e que mais
vezes possa acontecer também. De posse disso, do que foi falado, doutora Eleonora, a
senhora infelizmente não pode participar, várias ideias também foram comentadas e nós da
bancada do MDB e vou deixar esse assunto mais adiante para a senhora comentar com
mais propriedade, mas da alegria cívica de ter conseguido um recurso para nossa
Farroupilha. Então, assim, vem bem ao encontro dessa vontade toda do Executivo em fazer
pela nossa cidade. Pessoal, bem sucinto, eu protocolei nesta Casa na verdade é uma
emenda aditiva algo simples, mas de muita importância à lei municipal nº 3.771/2011. Na
verdade é a ficha limpa para o servidor público municipal. E ali rola vários preceitos e
crimes que a pessoa estando ali arrolada não pode em hipótese alguma participar ou ser
convidada por essa função. Mas teve uma depois de estudar, que eu vejo que foi esquecida
ou talvez a demanda está mais latente agora, tudo se refere a Lei Maria da Penha. O que eu
quero fazer alterando, de forma sucinta, a lei, é colocar mais uma linha nesta lei sobre a
violência doméstica e familiar contra mulher, ou seja, a pessoa agressor, por ter o fato, está
sendo condenado não pode participar de função publica municipal. Nós já temos a questão
nossa de vereador, é outra lei, mas a questão Prefeitura Municipal. Então, na verdade, a
letra ‘k’ que eu quero, na verdade, está protocolado depois vou levar mais adiante a
apreciação dos colegas. É algo mínimo, poucas palavras, mas de uma importância tão
grande no momento e que tu procura de todas as formas dar um alento à questão da
proteção da mulher e que esse indivíduo não assume, não assuma cargo algum. Então
pessoal isso depois mais adiante a gente pode falar um pouquinho mais. Tudo que
configura ato e está na lei contra a mulher a gente tem que analisar com bastante carinho e
ver em todas as esferas da sociedade o que mais pode ser feito. E não obstante ao que eu já
fiz e protocolei eu estou trabalhando pessoal isso mais uns dias vou vai estar mais
completo o trabalho nessa mesma linha, porém algo inédito na nossa cidade. Algumas
cidades do estado já fizeram, do país também, e nós não temos; é criar, obrigar, enfim,
bares, restaurantes, casas noturnas, enfim, supermercados, as nossas lojas do nosso
município de Farroupilha, de novo, algo simples, mas muita importância, mas que tenham
nesse estabelecimento, vamos aprimorar, é claro, vai ter indicativos uma placa sinalizando,
mas um local um ambiente e uma pessoa responsável para acolher uma mulher em caso de
uma agressão, de uma perseguição, uma violência, enfim. Que ela possa nos
estabelecimentos de Farroupilha adentrá-los e estar segura. Eu vou citar depois o que está
acontecendo nas cidades vizinhas aqui de códigos que o pessoal dos estabelecimentos
combinam então com a sua cliente do sexo feminino em caso de apuros, é algo interessante
o que acontece. Ninguém está livre e a gente pensa que acontece só em outro lugar né.
Então temos toda a questão de poder chamar o 190, a brigada, mas vamos supor que essa
pessoa está sendo perseguida e chegando na loja, principalmente, até à noite né que é mais
até nessa questão toda a bebida alcoólica e tudo mais, e ela realmente chegar lá e ele, o
agressor, entre nesse estabelecimento juntamente não tem o que fazer. Mas ela vai saber se
nós conseguirmos aprovar isso de modo muito singelo quem sabe nós aqui em Farroupilha
a gente suba um degrau, a gente avance nessa parte, Chico, que possa todos estarem
governados assim dizendo ou estarem na mesma ideia, na mesma vibração, dizendo que
sim, nós vamos proteger a mulher. Ela vai estar segura. Pode ser um banheiro, uma sala,
um ambiente e não precisa ser alguém especializado. Até aqui envolvia se nós fossemos
pensar até treinamento, mas envolve custo. Estamos falando de pandemia até os colegas
falam a todo instante é difícil né baixou o rendimento das empresas, mas não quero nós, eu
depois o legislativo, agregar mais custos ou complicações para as nossas lojas,
restaurantes, bares, enfim. É algo muito sucinto que a pessoa responsável pode ser o
gerente ou guarda que ela está cuidando, um promotor de eventos né quando passada a
pandemia isso vai voltar, a gente sabe disso que acolha diga “pode vir aqui que está bem
acolhida”. E depois quem sabe até conduzir até o carro, fazer uma gentileza, isso é vida
pessoal e algo que não afeta custo né. O Executivo já viu com bons olhos também, gostou
dessa parte, porque é algo de dignidade humana. Sim, já me reuni na semana passada com
o Sindigêneros eles têm só uma partezinha do que eu penso fazer em relação todos os tipos
de estabelecimentos e dessa parte deles enfim, na pessoa do Bonetto da Cristiane, foram
totalmente favoráveis. Então a primeira entidade de classe que eu procuro Sindigêneros
aceitou e falaram assim “meu Deus, que boa ideia não tínhamos pensado nisso”. Estou
reunindo na quarta-feira com mais uma entidade e quero avançar precisa de umas três
quatro para a gente conseguir na totalidade. Nada imposto. Eu gosto de compartilhar. Não
adianta a gente fazer algo ter mais uma lei e mais uma lei e mais uma lei. Mas essa é muito
importante e acredito sim que o pessoal das outras entidades também vão pensar da mesma
forma até porque, pessoal, para finalizar queria ter mais tempo, mas códigos que essas
clientes femininas; ah, e vale lembrar que quanto também o estabelecimento pode estar
perdendo principalmente estabelecimentos noturnos que a mulher não vai se ela não tem
segurança sabe. Então no momento que a gente possa aprovar isso quem sabe também a
termos de atributos para esse local; mais confiança, mais segurança, enfim. Mas para vocês
terem noção, o município de Capão da Canoa se a pessoa tem um aviso no banheiro
feminino relato de várias pessoas que me falaram que diziam assim “você mulher se sentir
acuada, enfim, amedrontada, desculpa, eu com medo de alguma situação chegue no balcão
e peça o drinks ‘x’. é um código. Já teve inscrições em vermelho na palma da mão teve
cartão vermelho e até também nas farmácias. Olha só como isso acho que vai acontecer em
breve; farmácias no nosso estado, no momento que a gente chega na farmácia e pede mais
máscaras brancas ou pretas, isso é um código também se a pessoa lá pedir uma máscara da
cor roxa é um código que ela está em apuros e o pessoal da farmácia já sabe a providência,
enfim, chamar a segurança, chamar a brigada. Então, pessoal, e o último relato que chega
nessa questão de aulas foi uma salvação de uma senhora que ela estava sendo agredida
costumeiramente então pelo companheiro e esse cidadão, por sua vez, não saía de perto
dela, ia na padaria ele ia junto ia no estabelecimento ia junto e não foi diferente na escola
quando com a nossa volta às aulas e ela teve que levar o material enfim para professora,
para diretora e conseguiu em rápidos instantes, segundos, quando então esse cidadão não
pode não viu, ela escreveu na capa do caderno socorro ou algo do gênero. Depois de um
dia ou dois, quando a diretora, a professora viu, abriu o caderno para colocar o nome da
criança viu aquele recado e fora presa a pessoa. então acho que isso não precisaria
acontecer essas artimanhas essas situações um pouquinho mais até surpreendentes. Eu diria
que se nós em Farroupilha tivéssemos algo do gênero dizendo assim: esse estabelecimento
respeita você mulher, está bem acolhida ou, enfim, algo que se possa criar. Eu vou
trabalhar muito incisivo, porque eu acho muito importante isso conforme lei municipal ‘x’
vamos sonhar quem sabe se todos os pares concordarem e nós aqui dar um salto gigantesco
nessa questão da proteção à mulher, certo? Então é uma ideia genuína, uma ideia que achei
de muita importância e quis trazer para conhecimento que estou trabalhando nessa questão.
Pessoal, da minha parte é isso, obrigado pela oportunidade, e deixo para doutora mais
adiante comentar a nossa alegria da qual o Executivo já está sabedor também. E da minha
parte então boa noite a todos e obrigado pela oportunidade.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Muito obrigado, vereador Marcelo Broilo.
Apenas um desabafo antes de colocarmos em votação os requerimentos que foram lidos no
Grande Expediente. Mas não é fácil né, gente, não é fácil. Estava ao telefone com uma
pessoa aonde que vidas, e olha que quero dizer para vocês que não é por falta de esforço,
viu, mas o nosso sistema nos apavora, nos apavora; olha com intervenções de pessoas de
uma importância, neste momento, extremamente grande e aí me somo a algumas alguns
depoimentos que tivemos aí no Grande Expediente, mas é uma vida e ainda não obtemos
não obtivemos o melhor resultado nenhum. Mas vamos continuar acreditando, acho que o
caminho é esse. Olha, até os óculos aí vamos ver se a gente lê sem eles. Vamos colocar em
votação o requerimento do vereador pastor Davi André de Almeida, ou os requerimento…
nós podemos votar no pequeno, sim. Estes foram lidos no Grande Expediente, né, foram
comentados e aproveitando para não demorarmos demasiadamente e até porque dentro da
bandeira preta, nós ficarmos dentro de algum horário não atingindo, não atingindo o
horário tão, até para que a gente procure também contribuir com o recolhimento.
Colocamos em votação os requerimentos apresentados pelo pastor Davi, sendo o primeiro
requerimento de nº 48 que foi lido por esse vereador que seja instituído e incluído no
calendário oficial de eventos do município, a Marcha para Jesus e a Mateada Cristã. Os
vereadores que estiverem de acordo, permaneçam como estão. Aprovado por todos os
vereadores com a ausência justificada do vereador Felipe Maioli. Colocamos em votação o
requerimento nº 44 que trata do seguinte assunto: solicitação de congratulações ao Hospital
Beneficente São Carlos na pessoa da superintendente-geral senhora Janete de Fátima
Toigo, ou melhor, senhora Janete de Fátima Toigo D’Agostini em comemoração 87 anos
de existência do Hospital São Carlos. Os vereadores que concordam, permaneçam como
estão. Encaminhamento de votação, vereadora doutora Eleonora Broilo ou foi a Clarice
que pediu? Doutora Eleonora.
VER. ELEONORA BROILO: Senhor presidente, colegas vereadores, colega vereadora,
todos que se encontram aqui. Eu gostaria, em nome da bancada do MDB, de subscrever
esse requerimento dizendo que 87 anos do nosso hospital é uma vida e que uma vida
dedicada sempre ao salvamento de outras vidas. Então nós gostaríamos de subscrevê-lo.
Obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Ok, vereadora do MDB, doutora Eleonora. Mais
alguma bancada? Também o PDT, doutora Clarice também subscrito; subscrito por todas
as bancadas. Muito obrigado. Vamos à votação dos requerimentos solicitados ou feitos
pelo vereador Roque Severgnini. Primeiro a moção de protesto já explanado na tribuna. Os
vereadores que estiverem de acordo, permaneçam como estão. Requerimento de nº 51;
subscrito também pelo PDT, pelo MDB, pelo PP, por todas as bancadas. Aprovado por
todos os senhores vereadores. Também o requerimento nº 49 o plano de vacinação; os
vereadores que… Encaminhamento de votação, Vereador Juliano Baumgarten.
VER. JULIANO BAUMGARTEN: Bom, acreditamos então que a única saída da
pandemia é a vacinação. Infelizmente ela não foi, a pandemia no Brasil ela não foi levada
nem um pouco a sério. Nem um pouco. Por isso que os insumos se atrasaram, por isso que
se demorou e olha quantas pessoas até agora foram vacinadas. Infelizmente o nosso chefe
maior do Estado, nosso presidente da República, não faz jus ao cargo que utiliza.
Debochou, falou que brasileiro desenvolveu o anticorpo para mergulhar em esgoto, que era
uma gripezinha, que nada seria acometido por ser um atleta, que quem fizesse, quem
tomasse a vacina poderia virar um jacaré e essas falas elas contribuíram para proliferação
do corona, para a proliferação da pandemia. E quando o doutor Thiago vem aqui e fala da
nova variante que veio aqui foi algo totalmente infelizmente politiqueiro do nosso
Governador. Isso perdeu a oportunidade, não tínhamos a determinada variante e ela está
aqui; não sabemos de que forma que se foi, mas sim há uma hipótese. Quando falamos
também na questão da vacinação e na questão da pandemia, as aglomerações são
constantes, mas cabe ressaltar: cadê as fiscalizações, onde está a fiscalização? Porque
agora é muito simples. Se, se sabia não sou aqui nenhum Nostradamus, nenhum profeta,
nada, isso é lógico, se sabia que todo mundo ficou quase todo ano trancado, que não via a
hora de chegar as suas férias, final do ano, festas, família, para a praia, o quê que foi feito?
Liberado tudo. Tudo. Nessa semana que se findou tivemos o feriadão de carnaval sabendo
que essa festa não aconteceu, mas infelizmente houve muitas aglomerações, muitas, e
festas clandestinas nem se fala. Então também é importante quando a gente fala isso que
não adianta também o pessoal reclamar quando aumenta os índices se cada um não faz a
sua parte. Porque depois é fácil, porque o governador, porque o vereador, mas precisa de
fiscalização; onde ela está? E cabe também o bom senso de ambas as partes caminharem
juntos. O problema não é de um grupo determinado, é de todo o mundo. E quando o
presidente nega um fato, algo que acontece, a nossa maior liderança, o quê que a população
faz? Fica perdida, fica a mercê, do quê? Então já, e eu falava com o Vereador Sandro e as
mortes no Brasil elas se banalizaram. Nós vamos chegar a mais uma marca triste como se
nada aconteceu. Soube também de uma discussão que teve ali na reunião com o comitê
onde que se defendia o fechamento das academias. Nessa Casa está para tramitar um
projeto que prevê a educação física, a atividade física como essencial e agora um cutuca o
outro e vai e agora se nós queremos achar o culpado. Não tem culpado. Ou todos
caminham pela mesma direção ou o caos vai continuar. Parabéns, Vereador, pela iniciativa.
E para finalizar, que país é esse onde põe os presidiários em primeiro lugar, acima dos
professores que são o nosso pilar? Que país é esse? Que vergonha de quem montou esse
plano; é amador.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador professor vereador Juliano
Baumgarten. Encaminhamento de votação, vereadora doutora Clarice Baú.
VER. CLARICE BAÚ: Boa noite, Presidente. Boa noite a todos. Só para somar na
questão que o Juliano está falando e muitos aqui também usaram a tribuna para falar na
questão da fiscalização. Acho importante que cada um faça a sua parte com certeza né e
parabenizar aqui o Executivo por que tivemos a informação de que foi trabalhado inclusive
sábado e domingo para montar um plano de fiscalização neste momento. Acho importante
esclarecer que todos estão sensíveis né, tanto legislativo, como executivo, mas as pessoas
estão também devem fazer a sua parte; e também trabalhamos a questão nós né temos que
ser a voz dessa população e fazer um trabalho preventivo também mais eficaz e mais
efetivo. Porque senão as coisas não adianta depois buscar a cura através da vacina se o
contingente vai estar muito grande em função de que não houve a prevenção. Acho que a
prevenção é bastante importante; então possamos aqui refletir e pensar de que forma fazer
um programa né de prevenção, nós legislativo, seria muito importante. Obrigado,
presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: os vereadores… A palavra continua à disposição.
Vereador Gilberto Amarante. Telefone, ou melhor, perdão, microfone. Ok.
VER. GILBERTO DO AMARANTE: Boa noite, presidente, boa noite aos demais
vereadores, vereadoras. Questão de votação, senhor presidente. Eu queria dizer queria
concordar com o Juliano que o nosso presidente até agora ele não foi exemplo para essa
pandemia, ele não acreditou, ele fez, aliás, ele não fez nem pouco, ele não fez caso
nenhum. Que agora então ele passe acreditar nisso e use máscara; não faça aglomeração no
dia a dia, não passe o mau exemplo para todos, que muitos inclusive os seguidores deles
passam a morrer por acreditar nele. Então vamos lá, vamos todos, nós falamos de muitos
falamos de governador, falamos de deputado, falamos de tanta gente, falamos da
sociedade, falamos do funcionário público. Até eu queria dizer que em relação, o Thiago
até citou a questão do Poder Público, que às vezes não quer voltar ao trabalho. Não é
verdade isso. Eu tenho uma professora lá em casa que é professora do estado e reformou
toda uma escola nesse período de pandemia. Eles estão todos ansiosos para voltar também
a trabalhar. Mas quando? Esta mesma sociedade as vezes que cobra hoje daquele
funcionário público para que volte, ela está se aglomerando no dia a dia. Então todos nós
vamos fazer esse cuidado até nos termos uma definição, nos termos uma situação
controlada que vai, infelizmente, demorar ainda. Porque muitos países ofereceram
laboratórios, nossos laboratórios, ofereceram para os nossos governantes a organização da
vacina como um todo; empresas internacionais ofereceram 70 milhões de doses lá em
outubro/agosto para nós para nossas autoridades máximas que são quem pode comprar e
não trouxeram para nós. Engraçado que ninguém fala nisso. Hoje o comércio está pagando,
está pagando caro por isso; tem alguns setores que morreram, presidente. Setores de evento
cadê? Desapareceu. Não tem mais como voltar; acabou o setor de eventos. Se fosse um ano
agora de repente daria até para retornar nós estabilizar, mas quando vai voltar esse setor?
Desapareceu. Quebraram. E nós continuamos a nossa economia sendo devastada o por
vírus ou por mal atitudes. Quem paga somos todos nós no final a conta. Com contas que
não se termina mais do Governo Federal por conta disso tudo. Então, senhor presidente, eu
quero, sim, assinar junto esse pedido aí com Roque que é muito bem colocado. Muito
obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Ok. Subscrito pelo PDT também pelo PS… Ah,
vereador professor Juliano, MDB, todos os partidos. Doutora? Encaminhamento de
votação com a senhora.
VER. ELEONORA BROILO: Já terminou? Obrigado, presidente, colegas vereadores de
novo, agora eu vou saudar o Arielson que não saudei antes, meu grande amigo, mentor
político né, e as pessoas que se encontram aqui. Bem, eu no início dessa pandemia, até por
que eu tenho um sobrinho que mora há três anos em Portugal e acompanhando muito
atentamente o que acontecia na Europa, eu fui uma das pessoas que extremamente
favorável ao lockdown. No início eu fui, depois eu fui mudando de opinião, porque como
diz meu mentor político, eu não me envergonho de mudar de opinião, porque eu não me
envergonho de pensar. Se fosse uma pandemia que tivesse durado quatro, cinco, seis meses
justificaria o lockdown, justificaria, mas nós não podemos simplesmente fechar tudo por
um ano, dois anos; eu não sei quanto tempo vai durar. Esse vírus ele na realidade eu disse
isso várias vezes e o vereador Thiago sabe disso eu disse quantas vezes aqui que nós não
conhecíamos nada desse vírus. Que não adiantava a gente chegar aqui e dizer “porque isso,
porque aquilo, porque vai terminar…” Porque nós não conhecíamos o comportamento dele.
Ele era novo para nós e com todos os estudos científicos ainda assim nós não conhecíamos
e nós não conhecemos ainda. Nós ainda não sabemos, tem um nobre político que diz que
vai terminar em maio ele só não especificou de que ano; uma hora ele acerta. Não citei
nomes. Bem, mas, enfim, eu concordo plenamente com esse requerimento eu acho que
existe uma prioridade para as pessoas da saúde, para as pessoas da educação. É muito
interessante, porque ir para escola não pode, mas ir para praia pode, ir para o shopping
pode, ir para o centro pode, ir para Caravaggio pode, ficar andando lá pode; quer dizer
pode tudo, não pode ir para escola. Então eu acho que a vacinação dos profissionais da
educação ajudaria em muito, termina com essa história e manda essas crianças para o
colégio, porque eles estão precisando. Porque ninguém vai me convencer de que
alfabetizar uma criança em casa é a mesma coisa que alfabetizar na escola, ninguém vai me
convencer disso, tá. E pelo meu consultório passam centenas de criança no mês, centenas
de criança num mês, e eu vejo com meus próprios olhos isso. As crianças em casa não
estão sendo alfabetizadas, não adianta, vai ficar um rombo, vai ficar um rombo na
educação neste ano que elas ficaram em casa. Eu não posso dizer que não foi bom na
saúde, Vereador Thiago, quantas gripes o senhor viu? Nenhuma. Eu não tive paciente
doente esse ano; muito pouco quase nada. Não houve criança doente. Realmente ficar em
casa é muito bom para saúde das crianças e consequentemente para saúde dos idosos por
que quem acaba passando para os idosos são as crianças. Mas infelizmente não é esse a
nossa evolução. As crianças precisam de escola, as crianças precisam ir para o colégio com
as devidas agora a gente sabe que, já vou encerrar, agora a gente sabe que as crianças e
todos os profissionais da educação precisam ser educadas quanto aos cuidados e pronto. É
assim que vai ter que ser daqui para frente, porque nós não sabemos quando esse inferno
vai ter fim. obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereadora doutora Eleonora Broilo.
Queria apenas deixar registrado aqui tivemos a presença anteriormente do secretário
Argídio Schmitz, do sempre vereador que está aqui conosco ainda Arielson Arsego,
tivemos também ou temos ainda a presença do Senhor Renato Benachio e tivemos também
do ex-presidente Fernando Silvestrin que esteve aqui conosco. A palavra continua à
disposição. É um por bancada, vereador. Sim. Sim. A palavra continua à disposição. Se
ninguém mais deseja fazer uso da palavra, colocamos em votação o requerimento nº 49
solicitado pelo Vereador Roque Severgnini. Aprovado por todos os senhores vereadores.
Encerramos aqui o espaço destinado ao Grande Expediente e passamos ao espaço
destinado ao Pequeno Expediente.
PEQUENO EXPEDIENTE
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: A palavra está à disposição dos senhores. Com a
palavra o vereador Juliano Baumgarten.
VER. JULIANO BAUMGARTEN: Senhor presidente, vereadores, vereadoras, imprensa,
todos os cidadãos que nos acompanham presencial ou virtual. Tem algumas pautas então
aqui; então vamos falar um pouquinho. Primeiro gostaria de pedir que o senhor incluísse
na pauta o projeto de resolução nº 17/2021 que cria o jovem parlamentar. Depois dando
sequência para colocar todos em votação, eu estou encaminhando duas sugestões de
projetos de lei que havia apresentado primeiramente como projeto de lei então, passado,
que é o requerimento nº 41/2021 que é uma sugestão então para o Executivo Municipal
sobre o uso dos veículos municipais. A principal ideia desse projeto quando apresentei, ela
é muito simples transparência e economia. Também depois para colocar em votação o
requerimento nº 42/2021 que institui o Dezembro Verde que é o mês focado então em
ações de conscientização ao abandono e os maus tratos aos nossos animais. Também
falando um pouquinho, quero que permaneça na pauta o requerimento nº 05/2021 da
Frente Parlamentar da Juventude enquanto que aguardamos o andar do projeto de
resolução que prevê no regimento interno. Quero aqui também falar então um pouquinho
do requerimento nº 43/2021 onde que foi procurado então por ciclistas e usuários da pista
de caminhada, mas o problema em si que ele trata é ali na altura do restaurante do CTG
Ronda Charrua onde tem muitas britas e que é o requerimento tem por objetivo ver a
remoção dessas britas e também ver uma forma de se estudar para que elas não voltem por
que quem faz essa descida ali de bicicleta, às vezes, fica meio ruim. Quero também que se
coloque em votação novamente o requerimento nº 32/2020 sobre audiência pública sobre o
tombamento do Moinho e quero falar então um pouquinho do nº 40/2021 que eu solicito
então a permissão aos nobres vereadores para ir até a nossa capital em busca de recursos
para as diversas áreas. Algumas coisas que nós temos acompanhado e não adianta um dos
erros desse formato político que temos é que é muito Brasília e pouco município. Se
houvéssemos, de fato, um pacto federativo que andasse, que fosse coerente… Tá então vou
segurar a pedido dos colegas para programação, esse nº 40 então a gente segura também na
pauta. Voltando então aqui ao assunto que levou para depois encerrar. O nº 40 então a
gente vai segurar. Então o quê que acontece, quando falamos antes a questão da pandemia
e eu sei que é um assunto que está todo mundo de saco cheio, que ninguém mais aguenta
mais ele é presente e é muito sério, é muito sério e cada dia que passa, os números não
diminuem, pelo contrário, eles aumentam. Fora a questão da vida fora questão dos custos
do investimento as sequelas que os pacientes, muitos, alguns deles adquirem com o vírus.
E se nós formos pegar lá na história lá em 1918 lá no meio da gripe espanhola, a gente vê
que algumas das recomendações da época manter o distanciamento era presente então 100
anos atrás. Claro a gente sabe também que o Brasil tem uma característica diferente, nós
somos um povo que quer esse contato, que gosta desse calor humano, mas também a nossa
cultura, a nossa educação tem sérias falhas com que faz que o povo não cumpra, com que o
povo não respeite. Então, por conta disso, o preço que está se pagando é alto demais. E
mais uma vez reforçar a todos os nossos cidadãos todo cuidado é pouco. Precisamos
reforçar o uso de máscara, evitar aglomerações e para nossa juventude, cuidado; não
brinquem, essas festinhas clandestinas podem tirar um familiar seu, podem tirar uma
pessoa muito querida sua e muitos destes estão levando na brincadeira. Então coloque em
votação estes, senhor presidente. Obrigado e era isso.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador. Colocamos em votação;
iniciamos a votação e a palavra está à disposição dos senhores vereadores. Com a palavra o
vereador Roque Severgnini.
VER. ROQUE SEVERGNINI: Senhor presidente, senhores vereadores, demais pessoas
presentes. Eu gostaria de trazer um assunto a essa Casa e vou fazer um pedido de
informação ao Executivo Municipal quanto a questão do SISBI. O SISBI é o Sistema
Brasileiro de Inspeção e ele é muito importante para nós porque ele diz respeito à inspeção
dos nossos produtos para que eles possam ser vendidos para fora do Estado do Rio Grande
do Sul. Hoje nós contamos com o sistema SIM – Sistema De Inspeção Municipal. Mas a
Prefeitura Municipal precisa caminhar apressadamente em direção ao SISBI para que nós
possamos aqui, com a nossa cadeia de frigoríficos de aves, de bovinos e outros também
embutidos e também a cadeia de proteína animal para que a gente possa mandar para fora
do Estado do Rio Grande do Sul. Mas isso não é uma coisa muito simples, precisa de
legislação. Esse processo andou e sei que ainda está andando, mas ele precisa andar mais
rápido, porque e hoje os frigoríficos da nossa cidade precisam muito do SISBI, e não tem
como implantar SISBI por conta da empresa, tem que ser o Poder Público Municipal ou
então Estadual. Diante disso, eu faço então o pedido de informação para saber qual a
situação atual do consórcio liderado pelo CISGA, aqui está repetido duas vezes consórcio,
mas é uma vez só, com relação ao Sistema Brasileiro de Inspeção – SISBI. Qual o prazo
para aprovação do SISBI pelo Ministério da Agricultura no município de Farroupilha?
Qual a situação da estrutura física e de pessoas qualificadas para operar o sistema e qual o
prazo para disponibilização do serviço às empresas interessadas? Eu sei que está tendo um
esforço grande do secretário Fernando, sei também que falamos na semana passada aí com
o prefeito Fabiano, com o ex-vereador Arielson, mas é importante a gente reforçar e deixar
aqui gravado dessa nossa preocupação. Sei que deverá vir um projeto de lei para a Câmara,
mas que a gente consiga acelerar isso que é muito importante. Uma outra situação, gostaria
de encaminhar a Prefeitura Municipal, ao prefeito municipal, senhor Fabiano Feltrin um,
uma sugestão de projetos aonde que inclui no calendário oficial do município o evento
Trilhas e Montanhas. O evento Trilhas e Montanhas ele ocorre anualmente em Farroupilha
e reúne muitas pessoas de fora de Farroupilha, inclusive. Eu sei que estamos no momento
que é o momento de pandemia, mas nada impede de incluir esse evento de Trilhas e
Montanhas para dar ainda mais robustez a ele. Então que seja feito essa inclusão/sugestão
ao nosso prefeito municipal. Sugestão também de um projeto de lei com relação à questão
do troco solidário. Troco solidário na nossa cidade se vai em muitas lojas, farmácias e de
vez em quando vai alguém pede se tu quer doar um troco, que se troco vai, às vezes para
entidades do nosso município e às vezes para entidades de fora do município. Eu já vi
gente pedindo para ficar com o troco para ajudar hospitais de fora daqui e já vi também
para o hospital aqui de Farroupilha. Então para a gente normatizar isso aí que troco
arrecadado em Farroupilha tem que ficar para as entidades de Farroupilha. Uma coisa
simples, mas acho que estimula mais o cidadão quando ele sabe que vai para o município
aqui da nossa cidade. E também, senhor presidente, nós estamos deixando aí essas
sugestões para que a gente possa ser acolhido então pelo Executivo Municipal nesses
projetos e também nesse pedido de informação. Temos aí alguns projetos de lei também
dando entrada na Casa e que deveremos discutir isso aí na durante a semana aí ou na
semana que vem com mais profundidade Quero agradecer também aqui os colegas
vereadores pelo apoio na aprovação dos dois requerimentos um para a ministra da
Agricultura, para a Tereza Cristina, e um que trata do aumento do preço da uva né fazendo
nossa contestação por ser um preço muito irrisório, um aumento muito irrisório ante as
dificuldades dos agricultores; e um segundo então para o Ministério da Saúde pedindo que
o ministro, que o governo federal, inclua os professores como prioridade na vacinação para
que nós possamos ter as nossas aulas com os professores vacinados e nós mais tranquilo.
Muito obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Roque Severgnini.
Iniciamos, a palavra continua à disposição. Vereador Gilberto do Amarante.
VER. SANDRO TREVISAN: O senhor não vai colocar votação senhor presidente?
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Vou colocar em votação.
VER. SANDRO TREVISAN: Então encaminhamento de votação.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Ok.
VER. SANDRO TREVISAN: Gostaria rapidamente aqui, vereador, já para poder suprir
algumas informações a respeito do pedido de informações nº 09/21 que hoje mesmo a
gente teve então uma conversa lá no executivo junto com o nosso prefeito Fabiano Feltrin
e com o vice Jonas Tomazini, com os demais vereadores né, onde já foi adiantado para nós
que está vindo para a Casa sim. E o SISBI, na verdade, né junto através do CISGA vai ser
orquestrado todo o SISBI que é uma agilidade no processo de venda né desses frigoríficos
em que ele consegue o mercado muito mais amplo que tem hoje. E o prefeito também ele
fez, na verdade, um comunicado a nós dizendo que foi um pedido extremamente feito para
ele na época de campanha mesmo e é uma necessidade que se tem a muito tempo né e o
prazo para isso deve ser de aproximadamente, segundo o prefeit, ele pediu urgência no
momento que chegar o pedido até aqui no sentido de que pretende que seja aprovado até
agora no máximo no final do mês de março. Então eu sou favorável ao pedido de
informações tá e acho que o senhor vai se surpreender, porque as informações são
extremamente favoráveis a que se tenha um movimento em relação então ao SISBI. E é
uma demanda extremamente necessária para o nosso município, acho um dos das intenções
do nosso governo agora falando com o Prefeito não se dá em função do SISBI e sim todos
os tipos de processos que possam fazer com que o nosso município consiga cada vez mais
ampliar o seu mercado, conseguir novos clientes, conseguir avançar nesse quesito
extremamente importante que estamos numa época de difícil arrecadação. O secretário de
Finanças estava também apelando aos vereadores que nós temos que ter estratégias para
poder conseguir fazer com que nosso município se desenvolva cada vez mais, porque a
época é bem complicada. Obrigado, senhor presidente, então e eu sou, eu voto favorável
então ao pedido de informações nº 09/21. Obrigado, presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Sandro Trevisan. A palavra
está com vereador Gilberto do Amarante.
VER. GILBERTO DO AMARANTE: Boa noite, senhor presidente, boa noite aos demais
e a todos os funcionários da Casa. Nós tivemos uma reunião hoje então com a RGE para
tratar de vários assuntos dos quais nós tratamos dos cabeamentos da cidade, senhor
presidente, da falta de energia e a organização de postes danificado no interior; aonde a
Polyanna então, a coordenadora da RGE, ela trouxe para nós alguns exemplos de alguns
municípios que já estão em andamento aqui no nosso estado. Ela citou, por exemplo, a
cidade de São Leopoldo, Passo Fundo e outras cidades que formaram um comitê para
acompanhar este e outros trabalhos. Eu sei que nós poderíamos pensar assim: então vamos
formar um comitê para nós tratarmos dos assuntos da RGE aqui do nosso município? Eu
acho que vamos sim, porque nós estamos tendo problemas. Assim como esta Casa, o
Executivo e muitos integrantes da sociedade organizada se envolveu, ali dois três anos
atrás, na questão da água na questão da CORSAN e nós colhemos hoje muitos bons frutos
principalmente a questão da falta de água que era muito frequente; não quer dizer que hoje
não venha faltar, tá faltando ainda algumas questões que a CORSAN se prontificou em
fazer e ainda não terminou, mas fará. Então mesma coisa a RGE. Vamos conduzir isso,
vamos formar esse comitê nos próximos dias, sendo que terá a Câmara, integrantes da
Câmara Municipal, do Executivo onde nós tivemos também aqui a secretária Cristiane
Girelli que nos acompanhou e trouxe vários outros apontamentos: a questão de poda, a
questão de replantio de árvore, a questão do remanejo de plantas na agricultura onde é uma
coisa que a gente vai estar tratando também com os agricultores, a questão do plantio de
árvores de grande porte embaixo das redes. Por exemplo, plantar eucalipto muito próximo
ou embaixo das redes. Vamos estar conversando com os agricultores junto com essa
comissão, junto com a RGE e num futuro próximo aí quem sabe nossa a nossa previsão,
até eu falei para Polyanna, é de nós começaremos a colhermos frutos daqui a seis meses já;
é uma coisa que queremos resultado rápido. Tem uma questão também que ela coloca que
essa parceria pode se estender junto ao pessoal do interior. Vamos fazer isso, vamos estar
conectado. Encaminhamos também algumas situações de postes que estão muito
degradados e que precisam ser trocados, e encaminharei outros assuntos pertinentes a isso.
Também queria falar, Doutor Thiago, em relação ao deputado que nós até o nosso partido
foram contrário nesta questão, só para mim não deixar passar em branco, nós temos dois
deputados, um votou a favor, outro votou contra. Eu digo que eu votaria a favor da prisão
do deputado, por quê? Porque o Supremo Tribunal Federal ele é a lei que coloca nos
deputados, governantes e outros né, lá é da parte de cima. Vamos supor nós cidadãos fosse
largar foguete aqui na frente do quartel da brigada e depois falar um monte de barbaridade
para eles. Será que eles iriam nos prender ou não? Então eu acho que a mesma coisa, tanto
nesta esfera menor quanto maior. Um deputado ele não pode ser autoridade máxima no
nosso país. Então é mais essa questão que eu não posso… Em defesa dessa questão de que
eu acho que mesmo que a democracia tenha todos os defeitos, eu ainda defendo a
democracia. Porque se nós botar uma pessoa lá coordenar o nosso país e ficar lá
perpetuado se ele fizer certo ou errado nós também não temos mais direito; o direito que
nós estamos tendo hoje de reclamar, não teremos mais. Muito obrigado, senhor presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Gilberto do Amarante. E a
palavra está à disposição dos senhores vereadores. Encaminhamento de votação, doutora
Eleonora Broilo. Senhora pode usar também a palavra né pelo seu tempo, sem problema
nenhum.
VER. ELEONORA BROILO: Obrigada. É só encaminhamento de votação em relação
a…
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Não está nada em votação no momento,
vereadora.
VER. ELEONORA BROILO: Mas não está em votação os requerimentos?
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: No final.
VER. ELEONORA BROILO: Então…
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Ok. Pode ser depois?
VER. ELEONORA BROILO: Pode.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: A palavra continua à disposição dos senhores
vereadores. Se ninguém quiser fazer uso da palavra… Espaço de liderança ao vereador
Roque Severgnini.
VER. ROQUE SEVERGNINI: Senhor presidente, eu não vou deixar de falar sobre o
episódio da prisão do deputado. Porque eu acho que nos custou muito caro nesse país o
Ato Institucional 5 de outubro, o AI-5, que muitos gostam de levantar, referendar, se
vangloriar como que foi uma revolução. Não. Não foi uma revolução, foi um golpe. Foi
um golpe aonde que calou as instituições, calou a imprensa, cassou deputados, cassou
senadores, torturou pessoas, matou pessoas, sumiu com pessoas. E o deputado faz uma
reflexão, em sua defesa, dizendo o seguinte “cadê a liberdade de expressão”. Mas que
liberdade é essa que o cara quer falar em liberdade para defender um ato que proibiu a
liberdade? Um ato que proibiu a liberdade. Aí vem lá e faz essa manifestação, mas como
que isso não bastasse, o seu currículo traz com ele uma série de ações, de agressões, de
ataques aos poderes, de mau comportamento, inclusive, no desempenho das suas funções
enquanto policial, mais de 90. Quem de vocês se tiver uma empresa, o cara mais de 90,
mais de 90 queixas lá contra o seu trabalho, com prisões; onde que está a moral desse
cidadão para querer falar mal de alguém, para querer contestar alguém? Um cara que
desrespeita o servidor que o algemou, que desrespeita os funcionários da instituição de
saúde que estavam lá, que, aliás, não desrespeita só eles, desrespeita as pessoas que
estavam lá internadas, porque o cara se negou em pôr a máscara. Um troglodita. Um cara
desse não tinha como ter uma outra, um outro deslinde a não ser a sua prisão para o bem do
país, para o bem da democracia. O PSB teve uma deputada aqui do Rio Grande do Sul que
votou pela absolvição dele, porque usou o argumento que o poder legislativo, que o poder
dos deputados e tal, mas dá uma olhada nos deputados para ver tudo que aconteceu e eu
concordo com o vereador Thiago Brunet, tudo que aconteceu e não foram, não foi tomado
atitudes. Mas a Câmara dos Deputados poderia ter tomado atitude e levado para comissão
de ética e encaminhar a cassação dos deputados. Não fez. Esse foi preso, porque o
Supremo mandou prender. Ainda que tenhamos uma série de discordância em relação à
atitude do Supremo em muitas vezes, mas não podemos fechar os olhos. Porque se o
Supremo não fizesse isso, jamais a Câmara dos Deputados faria, jamais, eu digo, porque já
trabalhei lá 4 anos. Não faria. Não faria. Tanto assim é verdade que a primeira coisa que o
presidente fez foi botar panos quentes, em segundo momento foi tentar encaminhar uma
representação ao conselho de ética, que foi instalado em função desse episódio, e se não é a
força popular ter repercutido, porque foi vergonhoso o que ele fez. Aliás, esse cidadão teve
uma vereadora que independente da sua posição política, foi morta no Rio de Janeiro,
mataram, assassinaram a vereadora, o cara foi lá, e deram o nome de rua, foi lá e arrancou
uma placa como fosse um troféu, como fosse a cabeça da vereadora que estava levantando;
um cara desse não merece ter outro destino a não ser a prisão. Então eu lamento que
alguns, enfim, tem posição contrária vamos nos respeitar em termos disso, mas eu acho
que o Supremo fez certo e eu acho que os 364 deputados fizeram certo; mantê-lo preso. Foi
assim quando Delcídio do Amaral foi preso, do PT, lá no senado e o senado manteve ele
preso; foi assim em outros episódios. Então esse muito mais, esse muito mais. Então
gostaria de deixar claro aqui o posicionamento meu, do vereador Juliano, em relação a esse
episódio. Muito obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Roque. E a palavra
continua… Ok no seu espaço, vereadora doutora Eleonora Broilo.
VER. ELEONORA BROILO: Bom, cumprimentando a todos então né. Boa noite a
todos, presidente, colegas vereadores, colega vereadora, Adamatti, todos que se encontram
aqui no momento. Bem, antes de qualquer coisa eu gostaria de falar sobre a emenda do
deputado federal Márcio Biolchi que encaminhou R$ 500.000,00 para a saúde de
Farroupilha. Então nós não precisamos ir a Brasília nem nada, nós fomos à Porto Alegre,
conseguimos uma agenda através do presidente Ademir Baretta do MDB de Farroupilha,
através dele conseguimos uma agenda com deputado federal Márcio Biolchi que nos
recebeu muito bem e prontamente atendeu a nossa solicitação e essa emenda não deve
demorar a chegar para a saúde então de Farroupilha; que de acordo com a necessidade do
município, vai para a construção então de um novo, uma nova UBS no bairro Industrial
que não deveria nunca ter sido desativada né, mas então vai para a construção dessa nova
UBS. Então eu só tenho agradecer tanto ao nosso Presidente Baretta que nos proporcionou
essa agenda com Marcio Biolchi, quanto ao deputado Marcio Biolchi que tão prontamente
acolheu a nossa solicitação. Como dentro de seis dias inicia o mês da mulher, e eu achei
extremamente oportuno o seu requerimento, eu quero deixar um uma frase que eu
considero de extrema importância, acho que todos conhecem, da presidente do Chile
Michelle Bachelet que disse o seguinte: “quando uma mulher entra na política muda a
mulher quando várias mulheres entram na política muda a política”. E isso corrobora o que
disse o vereador Calebe sobre as diferenças entre as mulheres e os homens. Nada contra,
por favor, não me entendam mal, mas eu realmente acho que a mulher tem um sentimento
diferente em relação a quase todas as questões, salvo nas questões financeiras. Essa eu
acho que os homens ganham da gente. Bem, eu queria falar uma coisa: vereador Calebe, o
senhor falou sobre morosidade, que as coisas têm maior morosidade do que o senhor
imaginava. Vereador Calebe, eu gostaria que o senhor estivesse, tivesse estado aqui nos
oito anos em que nós fomos vereadores de oposição, aí o senhor ia ver o que era
morosidade. Eu acho que nós não estamos tendo morosidade em nada. Eu acho que na
realidade o senhor está afoito para que as coisas aconteçam. Eu vou lhe dar um exemplo
em 2019, no início, eu fiz um projeto sobre transparência na fila de espera de pacientes do
SUS para cirurgias, para exames, para consultas. Um projeto que eu considerei, eu acho
que as pessoas consideraram, até hoje me param na rua para falar sobre isso de suma
importância, foi aprovado por todos e voltou dentro de um mês, uma coisa inédita, voltou
do Executivo dentro de um mês para nós. Ele era para entrar em vigor no dia 9 de
novembro de 2019, se isso não é morosidade, eu não sei o que é morosidade. Agora ele
está entrando em vigor, agora ele está, mas… Eu vou usar espaço de líder. Agora ele está
entrando em vigor, mas essa é a morosidade que eu me refiro, porque as coisas não
aconteciam mesmo aprovadas pelo Executivo. Na maior parte das vezes elas não foram
aprovadas, elas eram aprovadas e não voltavam do Executivo para nós, muitos projetos
aconteceu isso, não voltaram.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Vereadora, a partir de agora seu espaço de
liderança.
VER. ELEONORA BROILO: Muito obrigado. Então aí nós tínhamos um exemplo muito
claro de morosidade. Mas enfim, eu entendo o seu afã de que as coisas aconteçam rápido e
eu acho que realmente as coisas estão acontecendo bem rápido. Bem, nós temos eu vou
aproveitar o espaço já para falar sobre isso. O projeto troco solidário do vereador Roque
Severgnini. É óbvio que nós votaremos favorável, nada tenho contra, eu só gostaria de
acrescentar o seguinte: esse projeto vem da cidade de Cruz Alta, do final de 2016 de uma
vereadora do MDB; em Cruz Alta, inclusive, fez muita diferença para o hospital de lá. O
hospital estava quase quebrado, quebrado praticamente, e esse projeto do troco solidário
ajudou e muito, tanto que em 2017 eu tentei, não foi, não cheguei a colocá-lo aqui na
Câmara, mas eu cheguei a fazer. O Gabinho não está mais aqui, mas o Gabinho me ajudou
e nós fizemos o projeto, inclusive, criando um conselho para poder lidar com esse dinheiro,
porque em Cruz Alta entrou muito dinheiro. Só que eu fui informada de que as o pessoal
que trabalhava, as mulheres, enfim, que trabalhavam no hospital né com a… Enfim, as
voluntárias da saúde, tinha me fugido o nome de voluntárias da saúde já tinham isso já
faziam isso; havia as urnas que coletavam em todos os pontos né, farmácias, lojas, etc. e
tal. Conversando com elas, porque eu fui conversar com elas fui mostrar o projeto elas
disseram “sim, mas nós já fazemos isso; em quê que vai agregar uma vez que nós já
fazemos isso”. E realmente eu fui procurar, fui ver e todo tudo que era farmácia, todos os
pontos importantes tinham a urna de recolhimento. Eu nem coloquei esse projeto, mas
enfim, tá eu acho importante votarei a favor, mas só para saber que pelo menos no período
de 2017 existiam essas urnas, existem ainda, né e as voluntárias da saúde que coordenam
essa coleta né que vai para o Hospital São Carlos. Enfim, só para deixar claro, mas na
cidade de Cruz Alta fez muita diferença para o hospital esse projeto. Era isso, obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereadora doutora Eleonora Broilo. A
palavra continua à disposição. Vereador Cleber Coelho.
VER. CALEBE COELHO: Apenas para complementar então o que a doutora Eleonora
falou. Me lembra um texto que eu li, muito importante, do escritor chamado William
Golding, escritor, novelista, dramaturgo e poeta, ele viveu de 1911 até 1993. Ele diz o
seguinte: “acho que as mulheres são bobas ao fingir que são iguais aos homens, elas são e
sempre foram muito superiores; tudo que você dá a uma mulher ela vai tornar maior. Se
você der o seu esperma ela lhe dará um bebê, se você lhe der uma casa, ela lhe dará um lar,
se você lhe der mantimentos, ela lhe dará uma refeição, se você lhe der um sorriso, ela lhe
dará seu coração. Ela multiplica e amplia tudo que é dado a ela. Então se você fizer alguma
“m” então se você fizer alguma “m” esteja pronto para receber uma tonelada de ‘m’”.
Então isso aqui de acordo com que o Marcelo falou também para mostrar a grandiosidade
da mulher. Eu entendo tua preocupação, Marcelo, porque um dia eu estava dando aula para
tua filha e ela entrou correndo na minha sala, porque tinha alguém seguindo ela; e as tuas
duas filhas são lindas e é natural e mesmo que não fossem né. Então nós temos que ter
muito muita preocupação com a mulher. Se fala sobre muitas coisas, sobre cuidar dos
animais, sobre cuidar das pessoas carentes né, mas a mulher em si, porque a mulher é tudo
isso ela multiplica tudo o que a gente entrega nas suas mãos né. Eu treinei muito para mim
poder assistir o parto da minha filha, assistindo vídeos, porque eu não queria desmaiar, já
comentei isso né, e foi a coisa mais linda que eu posso ter imaginado na minha vida. Então
faço minha as palavras do escritor William Golding que viveu aqui nessa terra em 1911 até
1993. E te parabenizo também, Tadeu, pelas palavras na quinta-feira na reunião dos
vereadores em que o Tadeu comentou que ele, com essa história da eleição e essa
participação, que ele ganhou mais uma filha que é a Dani, a quarta filha, e eu achei isso
uma coisa muito bonita. Então parabéns e obrigado pelo momento. Obrigado pela palavra.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Um aparte ao vereador Thiago Brunet.
VER. THIAGO BRUNET: Só para complementar o que a Eleonora falou, que o Marcelo
e esse texto maravilhoso que tu leste agora né. Para que a gente tenha o entendimento da
importância da mulher é bem simples: 50% das pessoas do mundo são mulheres e os
outros 50% são filhos delas.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Fantástico. Obrigado, doutor Thiago. Vereadora,
com a palavra a vereadora Clarice Baú.
VER. CLARICE BAÚ: Eu fiquei aqui ouvindo todos desde o Grande Expediente e
realmente né na questão dos requerimentos do Roque Severgnini, na questão da uva
levando isso para nossos agricultores, com certeza né, Roque, nós temos que sermos a voz
do agricultor. Inadmissível mesmo ter só dois centavos de aumento né na questão da uva.
Então nós temos essa responsabilidade, temos que ser a voz da mulher, a voz dos jovens,
né e dessa vez a voz do agricultor né. Então parabéns para o nosso vereador, o Roque, pela
iniciativa. E como certeza ele expôs muito bem que a nossa carga tributária é muito alta
não ia ser diferente na questão do vinho e que sempre é o consumidor que paga também
essa carga né, nós contribuintes que pagamos essa conta, dessa carga tributária alta nos
nossos produtos. Então acho importante, realmente, já passou, mas eu queria fazer esse
registro. Na questão da vacinação, sim, vai demorar nossa vacina. Eu iria um pouco longe
só que eu não sou técnica nessa questão da saúde, então data vênia, outro entendimento,
que além de nós podermos ter os professores com prioridade nossos alunos, parece que
depois dos dois anos, poderiam já receber né as crianças receber a vacina. Porque tanto se
fala que as crianças são os condutores do vírus e elas não são vacinadas. Então eu não
tenho essa questão técnica, mas acharia importante também nós termos condições de ter
vacinação também né elencado aí naquele quadro algum espaço para o nossos jovens
também né; para os nossos alunos que são considerados que deveriam ficar em casa,
porque seriam os condutores né e poderiam inseminar o vírus. Então não sei acho
importante também não só os professores, mas os alunos também aqueles que já pudessem
ser vacinados né; e ter condição financeira para que termos vacinas para todos né. Isso
pode ser até um sonho, mas quem sabe. Queria também aqui, o Calebe, nosso colega,
comentou na questão dessa reunião que nós tivemos hoje com o Executivo né. Muito
importante, se fez uma avaliação na verdade da questão dessa harmonia que estamos
tentando aqui fazer na Câmara de Vereadores; quando em campanha muitos falavam
queriam uma renovação. Então acho que nós conseguimos essa renovação, estamos
caminhando de mãos dadas para a renovação com a experiência dos colegas que já estavam
aqui né e nós estreando com essa questão da renovação, de fazermos a diferença, de
unirmos esforços. E hoje o prefeito colocava que todos os projetos que trarão benefícios
que poderiam ser revertidos em melhores condições de qualidade de vida, independente se
for situação ou se for oposição, será visto com bons olhos pelo Executivo. Acho importante
essa sensibilidade, eu acho que realmente essa reunião/confraternização que tivemos né
não pude estar presente, estava em viagem, mas soube que realmente teve uma
contribuição grande de todos os vereadores e essa proposta de unirmos né esforços e
realmente pensar na população e não só nos egos políticos ou nas brigas de bandeiras
políticas. Acho importante isso, acho que estamos no caminho certo, vamos insistir vamos
continuar nesse caminho. Outra questão também que conversamos na reunião hoje foi a
questão que a bancada PP/MDB/PL sugeriu então né, fizemos uma avaliação, conversando,
na questão do IPTU. Que nós pedimos já foi feito já entrou na Casa o requerimento não
pode ser votado hoje porque foi depois das 17 horas, mas foi visto a sensibilidade do
Executivo… Tem a de liderança? …do executivo com bons olhos né; então fazer uma
avaliação de quanto tempo ou se tem essa condição de realmente nós prorrogarmos o
pagamento do IPTU deste ano. Porque estamos entrando, não sei se estamos entrando
estamos no meio ou estamos saindo uma pandemia e nunca se sabe; como aqui os doutores
falaram a gente não conhece realmente essa questão.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Vereadora Clarice, seu espaço de líder do
governo.
VER. CLARICE BAÚ: Então além de toda essa questão que a economia está sofrendo em
função desse desgaste através da pandemia, acho importante a iniciativa e quero
parabenizar nossos colegas de bancada nessa questão de ter tido essa iniciativa de pedir a
prorrogação do pagamento do IPTU. E a gente sabe as dificuldades que o Executivo
também deverá estar passando na questão dos investimentos da saúde né em todas as
questões em função dessa pandemia. Mas mesmo assim tivemos uma sinalização que
poderemos ter sim essa prorrogação. Por quanto tempo? Vamos avaliar; eles vão o
Executivo vai avaliar. Estamos de parabéns e claro contamos com todos os nossos colegas
vereadores também se isso né vier como projeto ou como também a gente consiga aprovar.
Então eu digo que nós estamos no caminho certo. E outra questão do covid, ninguém aqui
deve ser e a gente viu todos os depoimentos favorável na questão do fechamento ou de
parar de trabalhar ou de nossos alunos não ir para as escolas. A economia, a saúde e a
educação tem que andar juntos. Não adianta pararmos tudo em função; o que nós temos
que fazer é fortalecer os nossos hospitais, não podemos ter o colapso no Sistema Único de
Saúde, temos que ter estratégias e recursos para que façamos isso. Então acho que não
pode nem passar a hipótese de nenhum decreto que venha para o fechamento, isso sim
seria o colapso não só na saúde, como na economia, como na educação. Então acho que
nós temos que realmente, nós legislativo, brigarmos até o fim junto com o Executivo
porque é o mesmo entendimento de nós termos realmente caminhar nessa questão de
prevenção, que eu sempre acredito nessa questão de prevenção, dos cuidados e de
responsabilidade. Muitas campanhas; acho que tem que conscientizar. Estive em viagem e
assim o povo não está se cuidando, não estão usando máscara, os mercados em que eu
visitei não estão nem limpando mais os carrinhos, estão assim largando as coisas né. Então
acho que é importante também a iniciativa que o Executivo teve de fazer um plano de
fiscalização, porque não adianta se não tiver uma pressão, ser humano só reage sobre
pressão. Então nós temos que ter sim é uma responsabilidade do Executivo, Legislativo
nós fiscalizarmos realmente que as pessoas que não ainda se conscientizaram ter uma
puxada de orelha pelo menos né, porque está prejudicando num todo. Acho que nós
estamos sim no caminho certo. Então parabéns por todos nós vereadores pela harmonia que
estamos aqui tentando traçar para os quatro anos aqui tá bom. Obrigado, presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereadora Clarice Baú. E a palavra
continua; com a palavra o vereador Sandro Trevisan.
VER. SANDRO TREVISAN: Boa noite, senhor presidente, senhores vereadores, público
aqui presente, funcionários da Casa, TV Serra que ainda está aqui conosco, o Leandro.
Bom, senhor presidente, gostaria de começar demonstrando a felicidade que tenho em que
nosso pedido né, vereadores, que estavam junto comigo, vereadores da bancada do MDB,
vereadores da minha bancada do PP, vereadores do PL, nosso pedido feito ao Executivo
Municipal foi muito bem acolhido e sim a probabilidade de que seja atendido é muito
grande. Então provável muito, muito provavelmente sim isso foi quase definido hoje, que
teremos então a prorrogação do vencimento do IPTU em função desse momento
extremamente complicado. Gostaria também de dizer que existe alguns anseios e a gente
sabe que uma parte da população, uma grande parte da população, ela sim quer que seja
feita fiscalização, quer que seja feita a cobrança e hoje em conversa com prefeito e com o
vice, com Fabiano e com o Jonas, e mais os vereadores, eles estavam tratando e vem
tratando disso há tempo de se trabalhar com uma fiscalização rígida no sentido de colocar
tudo funcionar da maneira adequada. Então estão sim tendo essa preocupação de que tudo
seja fiscalizado para que as coisas sejam cumpridas. Porque a gente sabe que a grande
maioria da população quer sim que tudo corra de maneira correta, do quê que está ali seja
cumprido. A respeito disso também tem uma outra coisa interessante é que em função,
tudo bem que agora a gente não tem muitas informações a respeito disso, porque hoje de
tarde foi uma correria em função de que quando nós estava na reunião saiu o prefeito e o
vice correndo para ver a ‘live’ que estava o Governador fazendo, para pegar o retorno das
informações. É um turbilhão de coisas que têm que ser resolvida na hora, mas está sendo
então revogado dez decretos, senão me engano, que eram do ano passado, que eram
referente a covid, então o cidadão de Farroupilha procurava um decreto, o decreto estava lá
tinha outro decreto era aquela confusão. Então na verdade agora né está sendo revogado,
vão ser revogados se não foram revogados ainda hoje, mas logo serão revogados aqueles
10 decretos que tinham lá para poder fazer o que então? Fixar em um, um decreto
compilando tudo, é óbvio que buscando o que diz o governo do estado, porque não é nem
uma questão de decisão nossa, né, a gente tem que obedecer o Decreto Estadual, tem que
ser compatível com o que o decreto prevê né; mas em função disso, para o cidadão ficar
bem tranquilo, que vai ser simplificado isso que vem numa das propostas que é
desburocratizar. Tornar a informação compacta, acessível para que a população possa ir lá
buscar uma informação que está na sua frente bem compilada, bem fácil de entender, não
ficar correndo por lacunas até que se busque a informação. O que é uma das coisas que
acontece no nosso país. Bom, eu gostaria também, senhor presidente, de ler o requerimento
nº 46/2021 e que no final do meu tempo pudesse ser posto ele em votação. Esse
requerimento então é um requerimento feito em conjunto com a bancada PP/MDB/PL. Os
vereadores signatários, nos termos do Art. 138, inciso IV do Regimento Interno, solicitam
a anuência dos demais pares e requerem a vossa excelência que seja enviado votos de pesar
à família do senhor Antônio Luís Piccoli. Essa Casa Legislativa não pode deixar de prestar
uma singela homenagem póstuma, apresentando publicamente sentimentos de pesar e se
solidarizando nesta hora de dor. Um homem batalhador e visionário, sendo sempre
reconhecido pela gestão de frente de seu tempo. Antônio ajudou a fundar a Rede Serrana
de Comunicação (RSCOM), grupo as quais pertencem, entre outros empreendimentos, a
Rádio Viva e a Jovem Pan Serra, de nossa cidade. Referência no meio, Piccoli, formado
em Jornalismo, Publicidade e Propaganda chegou a lecionar no curso de Jornalismo na….
Gostaria do espaço de líder de bancada, senhor presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Seu espaço
VER. SANDRO TREVISAN: Perfeito. …na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de
Porto Alegre. Atuante também em sua comunidade deixa um grande legado e, acima de
tudo, por sua personalidade cativante e solidária, grande exemplo, boas lembranças e
saudades. Aos familiares, colaboradores e amigos o nosso fraterno abraço com votos de
pesar e irrestrita solidariedade pela triste, precoce e irreparável perda. Então no final
gostaria que pudesse pôr em votação, senhor presidente. Continuando então não tenho
como não falar a respeito da do que foi comentado aqui através do vereador Calebe que a
experiência que tivemos então com a AFADEV. Então agradecer todos a todas as pessoas
que estavam lá. A gente tinha lá o Ademar, a gente tinha lá a Ana, o Pablo, a Sofia, a
Magali que fez todas as fotos, e dizer que a gente não tem noção das coisas simples que
existem nessas ruas como obstáculos e carros e faixa de segurança e piso tátil; o quanto
isso é importante para quem não está enxergando. Gente, nós fomos, o Calebe é prova
disso também, nós fomos com aquela bengala tateando e de repente senti bater assim numa
coisa tipo uma lata; eu digo “meu Deus do céu quê que essa lata que tem aqui do lado
assim?” Aí o Pablo, sem enxergar, ele me disse e uma pessoa disse assim “mais para
esquerda mais para esquerda” e nós fomos mais para a esquerda eu e o Pablo. E eu “meu
Deus que lata estranha” e ficou na cabeça isso. Quando que nós fomos para frente o Pablo
disse “tu viu o carro?” Eu digo “não, não vi”; tapadaço. E ele disse, o cara e ele não
enxerga, o Pablo e ele disse assim: “o carro estava em cima da faixa de segurança” e a
gente chegou e bateu no carro. Então assim coisas que são tão simples placas no meio da
estrada e eu curvado que eu estava e sabe o que era bastante isso, Calebe? O medo de
tomar pancada na cabeça. Porque tu vai andando assim com os olhos fechados, sabe que
tem galho, tem placa, tem um monte de coisa. Então o fato da gente ter ido lá, muda toda
uma percepção. Gente, coisas que para nós são insignificantes que realmente parece que
não tem nada a ver, para eles são extremamente importante para poder se locomover. Um
absurdo que é aqueles carros que nós chegamos lá, eu nem sabia onde que estava, que nós
chegamos lá no asfalto, eu nem sabia onde estava, e tu ouvia os caminhões passar assim e
o Pablo “vem para frente vem para frente”. Meu Deus vou para frente tem um barulho de
caminhão, de ônibus; “não, vem vem”. Então assim, experiência incrível experiência
incrível que faz com que a gente valorize cada detalhe que as pessoas põem numa cidade
para poder auxiliar pessoas que realmente necessitam. E por fim, senhor presidente,
utilizando o resto do tempo, quero dizer que eu voltei, a gente deu nem uma semana de
aula, hoje eu entrei na última turma que eu não tinha dado aula e amanhã a gente não vai
estar mais dando aula presencial, vamos para virtual de novo. E começa, eu digo, uma
loucura; é incrível. Mas agora o que realmente, vereador Thiago, o que realmente deixa a
gente extremamente decepcionado e não estou nem falando de mim, porque até eu passei
covid já então para mim nesse momento tudo bem que tem novas variantes, mas acho que
de certa forma eu tenho alguns tipos de anticorpos; mas ver, simplesmente ver que os
professores estão colocados numa posição de preferência, esses professores que vão estar
lá com as crianças inferiores a presidiários. Todos nós temos o mesmo valor. Vai ter gente
que vai defender. Gostaria de que, por exemplo, um deles estivesse dando aula para seu
filho. Eu sei que vai ter gente que vai defender. Eu sei que vai ter gente que vai defender.
Aonde eu estou? Eu não estou no presídio, mas eu cuido para isso, eu cumpro as coisas que
tem que ser cumpridas. Porque para defender vai ter bastante, pode ter bastante; agora eu
quero ver pegar uma pessoa daquelas que muitos defendem e colocar para dar aula para o
filho. Desculpa, é forte? É forte, mas assim não tem, não tem como ficar calado sabendo
que a prioridade do professor não é a mesma de alguém que está num presídio para ser
vacinado. Me desculpe, pode isso vir sanções depois; eu posso me incomodar com o que
estou falando hoje. Mas essa é a minha opinião e eu tenho direito de ter a minha opinião.
Obrigado, senhor presidente, era isso.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Sandro Trevisan. E a palavra
continua à disposição. Com a palavra o vereador Gilberto do Amarante no seu espaço de
partido, líder de bancada.
VER. GILBERTO DO AMARANTE: Boa noite ainda àqueles que ainda se fazem
presente. Eu queria também comentar, doutora Eleonora, doutora Clarice e demais
vereadores Thiago, os dois Tiago, do encontro que o nosso prefeito tem promovido não só
com os vereadores. Eu tenho visto eu participei na semana retrasada, semana passada aí, de
muitas reuniões com a UAB com outras entidades da qual eu percebo que ele traz, não
estou aqui para ser situação, continuamos sendo uma oposição para construir, mas ele traz
a maioria das cabeças pensantes para formar e tirar dessas pessoas o melhor que elas têm.
Já que nós moramos numa cidade que temos grandes grupos de voluntariados nada mais
justo do que coletar desse grupo de pessoas o que temos de melhor e colocar para a
administração pública que é algo que é o nosso dinheiro; 30/40% de tudo que nós
trabalhamos em nosso dia a dia nós depositamos para essas pessoas fazer gestão. Então
nada mais justo do que nós tirar um tempo também como voluntário e fazer parte desta
gestão. Queria dizer também que o Calebe falou muito das mulheres assim como a doutora
Eleonora, doutora Clarice, Thiago Brunet, e como é bom. Hoje eu tenho duas mulheres que
eu digo que são as mais importantes da minha vida minha esposa Heloísa e a minha filha
Djenifer até estavam aqui presente hoje, mas acho que de repente elas tinham um outro
afazer foram para casa, e as mulheres são sim são como o Thiago falou 50% é os homens e
os outros 50% são os filhos delas. Só que às vezes o valor é deixado de lado, nós demos
pouco paramos para pensar, pensamos em tudo. Eu vejo quando foi lá na época da nossa
mãe como ela zelava, como ela cuidava, o pai já era mais de fazer o trabalho do dia a dia,
mas a mulher, a mulher não. A mulher era aquela que estava ali o tempo todo nas horas
boas e principalmente nas horas difícil. Senhor presidente, com relação a voltar às aulas, eu
sou completamente a favor. As nossas crianças estão ficando doente em casa, elas não
aguentam mais, assim como os pais também. Mas é justo que o professor receba a vacina
com prioridade.
VER. ELEONORA BROILO: (INAUDÍVEL)
VER. GILBERTO DO AMARANTE: Quer dizer que vamos ter aula então no segundo
grau?
VER. ELEONORA BROILO: Educação presencial para turmas de educação infantil e 1º
e 2º ano do ensino médio.
VER. GILBERTO DO AMARANTE: Bom, já é um começo. Eu acho que, pessoal, já é
um começo. eu sei que nós temos que ter todo o cuidado do mundo. E eu tive que viajar
dias atrás fui para um outro município numa viagem muito rápida e me espantou nesse
outro local que lá ninguém usava máscara, doutora Clarice, mas ninguém. Mas nós aqui
principalmente o nosso governo, aliás, o nosso comércio e a nossa indústria são os que
estão mais preocupado em se cuidar e cuidar de seus funcionários. Porque ele sabe que se
de repente uma pessoa importante de uma operação fundamental lá no setor faltar, ele vai
perder muito com isso. Então nós, de Farroupilha, se nós sairmos, todos estão de máscara
com exceção da nossa juventude; inclusive eu tenho um filho de 18 anos, eu sei o quanto é
difícil segurar essa galerinha em casa, 18/19 anos; então o quanto é difícil. Mas
infelizmente para o bem de todos nós, nós temos que procurar a viver esse novo com tudo
que tem de ruim que estamos vivendo. Porque o ser humano, mesmo na época da bomba
atômica de Hiroshima, eles buscaram forma de sobreviver e viveram, eles construíram de
uma forma muito difícil, por um período muito difícil. Então nós temos que viver de forma
construtiva, produtiva, este meio, esta forma que nós estamos vivendo. Têm alguns setores
que sim, como já falei antes, vão desaparecer do mercado: setor de eventos vai ter que se
iniciar de novo, mas temos que trabalhar para que todos nós continuamos vivendo dessa
maneira difícil que estamos vivendo, mas arranjar meios e usar métodos de segurança para
nós continuar vivendo e trabalhar. Muito obrigado, seu presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Gilberto do Amarante. E a
palavra continua à disposição dos senhores vereadores. Se ninguém mais quiser fazer o uso
da palavra, peço à vereadora vice-presidente deste parlamento para que ela assuma a
cadeira por alguns instantes para que eu possa usar a tribuna do Pequeno Expediente e
também apresentar um requerimento.
VER. TADEU SALIB DOS SANTOS: Senhores vereadores, senhora presidente, saudar a
todos e também ao seu Benachio que ainda continua aqui conosco; saudar ao Leandro
Adamatti; eu via antes o Zé, mas eu acho que ele já deve ter se retirado, o Zé Theodoro; e
agradecer muito ao Leandro Adamatti que leva todas as mensagens, inclusive, dos boêmios
e românticos inveterados; estou me referindo ao Calebe, ao doutor Thiago e mais alguns aí;
ah, não posso esquecer do Marcelo também, porque eles fizeram hoje à noite aqui
verdadeiras declarações. Eu queria dizer aos senhores e usando meu espaço que já está em
3 minutos e meio, de que hoje uma mistura de sentimentos, aquilo que é feito pelo
Governo do Estado, aquilo que é feito pelo Governo Federal e também aquilo que é feito
pelo nosso Governo Municipal. Quero dizer aos senhores que tudo isso se resume em uma
única coisa: quem respeita a vida, respeita, acima de tudo, o pós-vida. Por isso que eu quis
trazer aqui este requerimento que diz o seguinte: o vereador signatário, após ouvir a Casa,
requer a vossa excelência que seja encaminhado ao setor competente do Poder Executivo
Municipal, a solicitação de iluminação com câmeras de vigilância nos cemitérios públicos
municipais. Tal medida visa proporcional ou proporcionar segurança e tranquilidade a toda
população. Falamos tanto em sentimento, falamos tanto em respeito e falamos
fundamentalmente na vida. Eu queria dizer aos senhores que durante 40 anos, aonde eu
pude trabalhar diretamente com a maior obra criada universo, criação de Deus, o ser
humano, eu quero dizer de que, aqui no Cemitério Público Municipal do Centro, eu tenho
ali, seguramente, mais do que eu tenho dedos na mão, de pessoas da minha família e de
pessoas que eu aprendi a respeitar e, acima de tudo, ter aprendido muito com eles. Eu
quero dizer que estão também pessoas que passaram por essa casa aqui, pessoas
extremamente importantes em algum momento de nossas vidas. Por isso que não é justo
nós deixarmos ser saqueado, não aqueles pedacinhos de ferro que valem tão pouco, mas de
serem saqueado como são, das suas questões emocionais, porque lá simbolizava muito
mais um nome comum de um “Tadeu da vida”, mas de um significado que teve uma
importância que marcou várias pessoas e algumas geração que ficarão além da sua vida.
Então eu peço encarecidamente, através deste requerimento, que realmente o executivo
possa iluminar, que há 40 anos eu venho pedindo isso e sugerindo, iluminar não somente
aqui no Centro, mas também em nova Vicenza e que ele também possa colocar ali câmeras
que estão guardadas de um alcance muito bom e que eu acho que vai, no mínimo, amenizar
o sofrimento de muitos de nós. Era isso, senhora presidente. Muito obrigado.
VICE-PRES. ELEONORA BROILO: Vereador Tadeu Salib dos Santos, por favor,
retorne ao seu lugar de presidente da casa.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Senhores vereadores, vamos começar a colocar
em votação apenas pedir à vereadora que só me confirme, a senhora devolve o que foi
pedido vistas para que eu já possa colocar, inicialmente, do vereador Juliano Baumgarten.
Eu passo a palavra à senhora para que, se haver possibilidade, nós já colocamos em
votação.
VER. CLARICE BAÚ: Sim devolvo, presidente, e também fiquei de passar algumas
informações né, por isso que foi pedido vistas nessa questão então do moinho, do
tombamento. Então já veio até para casa né as informações, mas a última, o último
andamento e movimentação deste processo de tombamento, é que foi criada uma comissão
especial voltada à análise e avaliação do patrimônio histórico, artístico e cultural do nosso
município. Então já tem essa comissão e vai ser então avaliado essa questão do
tombamento; então muito tempo ficou parado esse processo de tombamento e agora
realmente estão sendo tomado as providências. Então já recebeu as informações né, colega
vereador, então já devolvo a vistas. E que dizer que realmente a questão da audiência
pública é importantíssima. Sempre nós darmos a palavra e temos a voz da nossa
população; também ouvir, mas temos que ver e avaliar em que momento se possa fazer
então essa questão da audiência pública. É isso, presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereadora Clarice. E colocamos em
votação o requerimento 032/2021 que é a solicitação de audiência pública feita pelo
vereador Juliano Luiz Baumgarten. Os vereadores que estiverem de acordo, permaneçam
como estão. Aprovado por todos os senhores vereadores. Colocamos em votação o
requerimento nº 41/2021 também feito pelo vereador Juliano Luiz Baumgarten. Assunto:
sugestão de projeto de lei que trata dos veículos oficiais. Os vereadores que aprovam,
permaneçam como estão. Aprovado por todos os senhores vereadores. Colocamos em
votação o requerimento nº 42/2021 também solicitação do vereador Juliano Luiz
Baumgarten. Assunto: sugestão de projeto de lei que trata do Dezembro Verde. Os
vereadores que aprovam, permaneçam como estão. Aprovado por… Encaminhamento, Dra
Eleonora Broilo.
VER. ELEONORA BROILO: Bem, então. Eu e minha bancada, nós somos, obviamente,
favoráveis ao projeto, mas só para lembrar que este projeto já foi colocado, é de minha
autoria, foi colocado em 2000…deixa eu me lembrar agora, dois mil e… Bom, enfim, acho
que foi 2017 também, 2018 por aí. Foi aprovado, não voltou para nós, não voltou para nós,
tá, mesmo assim eu sei que várias ações foram feitas, tudo mais, mas o projeto em si não
voltou para nós; embora tivesse sido aprovado por todas as bancadas, todos os vereadores,
não voltou para nós. De qualquer maneira nós, da nossa da bancada do MDB, somos
favoráveis ao projeto.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereadora. A palavra continua à
disposição. Se ninguém mais, se nenhum dos vereadores quiser fazer uso, colocamos em
votação o projeto de número ou requerimento de nº 42. Os vereadores que aprovam,
permaneçam como estão. Aprovado por todos os senhores vereadores. Requerimento nº
43/2021, feito pelo vereador Juliano Luiz Baumgarten. Assunto: remoção de brita
proximidades do CTG Ronda Charrua. Os vereadores que aprovam, permaneçam como
estão. Aprovado por todos os senhores vereadores, com a ausência do vereador, ausência
justificada do vereador Felipe Maioli. Requerimento nº 46: solicitação dos Vereadores
Sandro Trevisan e Calebe Coelho. Apresentado pelo vereador Sandro Trevisan. O qual
colocamos em votação e os senhores vereadores que aprovam, permaneçam como estão.
Aprovado por todos os senhores vereadores. Colocamos em votação o pedido de
informação 09, feito pelo vereador Roque Severgnini, que fala sobre a qual situação do
consórcio liderado pelo consórcio intermunicipal de Sistema Brasileiro de Inspeção, o
SISBI. Os vereadores que aprovam, permaneçam como estão. Aprovado por todos os
senhores vereadores. Colocamos em votação o requerimento nº 50/2021 também do
Vereador Roque Severgnini que pede sobre a sugestão de projeto de lei que inclui o evento
Trilhas e Montanhas no calendário oficial de eventos do município. Os vereadores que
aprovam permaneçam como estão. Aprovado por todos os senhores vereadores.
Requerimento de nº 39 também de autoria do vereador Roque Severgnini. Assunto:
sugestão de projeto de lei que dispõe sobre o Programa Troco Solidário. Encaminhamento,
vereador Roque Severgnini.
VER. ROQUE SEVERGNINI: Senhor presidente, eu ouvir a manifestação da colega
vereadora doutora Eleonora sobre o projeto e realmente é isso que ela coloca é bem o que
acontece, têm muitos postos de arrecadação, têm muitas pessoas que estão envolvidas nisso
e com certeza pelo, pela grandiosidade do hospital, o hospital é o grande timoneiro né. Mas
qual que é a preocupação? Existem também aqueles que não fazem para Farroupilha,
mandam para fora esse troco solidário, porque às vezes é uma empresa que está instalada
aqui, mas tem a matriz em Porto Alegre, em Passo Fundo, até fora do estado e ela tem uma
política de ajudar determinada entidade fora. Então nesses casos ou talvez alguns que
poderão vir se instalar e implantar essa política então eles têm que saber que dentro do
município precisa ficar no município, é somente isso, mas é reconhecido sim o trabalho
que tem sido feito e muitos e muitos, a maioria, com certeza, faz isso para o município
Farroupilha, mas se a gente conseguir fazer com que todos façam é melhor e também vindo
uma lei para cá, um projeto de lei para cá, nós e que vamos transformá-lo em lei, isso
acaba se ressuscitando esse discurso e dando uma publicidade nisso e também isso
mobiliza, com certeza, a sociedade a se solidarizar com esses projetos importantes sociais.
Obrigado.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Roque Severgnini, que é o
autor deste requerimento, tendo como sugestão de projeto de lei que dispõe sobre o
Programa Troco Solidário. Os vereadores que aprovam, permaneçam como estão.
Aprovado por todos os senhores vereadores. Peço licença aos senhores para colocar
também este requerimento de nº 45, de autoria deste vereador, solicitação de iluminação e
também de instalação de câmeras de vigilância nos cemitérios públicos municipais. Os
vereadores que aprovam, permaneçam como estão. Com a palavra o vereador Gilberto do
Amarante. Encaminhamento de votação.
VER. GILBERTO DO AMARANTE: Encaminhamento de votação, senhor presidente.
Eu também quero subscrever. Dizer que realmente o pessoal que rouba os letreiros, as
fotos dos seus ente querido, tanto no Municipal faziam muito isso, agora no Nova Vicenza.
O Municipal foi um pouco inibido com a cerca de concertina que foi colocado. No, lá no
Nova Vicenza, falta então colocar as câmeras aqui no Centro, colocar as câmeras lá no
Nova Vicenza, melhorar a iluminação pública. Também estive falando com o secretário
Schmitz para que nós fizesse o cercamento do Cemitério Nova Vicenza que ainda não tem.
Então se puder acrescentar e muito obrigado, senhor presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Gilberto do Amarante.
Encaminhamento de votação, vereador Juliano Baumgarten.
VER. JULIANO BAUMGARTEN: Senhor presidente, muito importante isso, muito
importante, porque infelizmente esses vândalos que fazem isso é absurdo, é vergonhoso.
Eu estive, no último domingo, no cemitério do Nova Vicenza e na parte lateral, aquela que
dá acesso ao colégio, à Escola Carlos Fetter, foi feito uma limpada, foi removido algumas
árvores e isso, no meu ver, de certa forma, está facilitando, porque existem entradas
laterais. Então eu estive caminhando por lá e essa brecha que ficou, mantém o portão
fechado, não adianta praticamente nada. Então, obviamente, importante, porque quando a
gente fala em vida, a gente fala numa questão de pertencimento aqui do local que serve
para guardar os restos mortais de familiares. Então, enfim, isso também é uma preocupação
e vergonha né, vergonha de nós estarmos no ano de 2021 e tem um bando de pé de chinelo
ainda fazendo esse tipo de coisas. Obrigado, senhor presidente.
PRES. TADEU SALIB DOS SANTOS: Obrigado, vereador Juliano Baumgarten. A
palavra continua à disposição dos senhores vereadores. Apenas para que os senhores
tenham conhecimento, será colocado além da iluminação e também das câmeras, o
cercamento, o cercamento do Nova Vicenza, que isso virá a contribuir e muito e muito.
Colocamos em votação o requerimento de número 45 e os senhores vereadores que
aprovam, permaneçam como estão. Aprovado por todos os senhores vereadores, com a
ausência do vereador Felipe Maioli, subscrito pelo vereador Gilberto do Amarante,
também Thiago Brunet, por todas as bancadas, por todas as bancadas. Muito obrigado.
Encaminhamos às comissões de Constituição e Justiça, Saúde e Meio Ambiente, o projeto
de lei nº 4/2021; às Comissões de Constituição e Justiça, Obras, Serviços Públicos e
Trânsito, o projeto de lei nº 05/2021; às comissões de Constituição e Justiça, Finanças e
Orçamentos, o projeto de lei número 06/2021; e às Comissões de Constituição e Justiça,
Educação e Assistência Social o projeto de resolução nº 17/2021. Nada mais a ser tratado
nesta noite, declaro encerrados os trabalhos da presente sessão ordinária. Uma boa noite a
todos e até amanhã.

 

Tadeu Salib dos Santos
Vereador Presidente

 

Felipe Maioli
Vereador 1º Secretário

 

OBS: Gravação, digitação e revisão de atas: Assessoria Legislativa e Apoio Administrativo.