Pular para o conteúdo
06/12/2019 18:38:16 - Farroupilha / RS
Acessibilidade

Ata 3965 – 10/09/2019

SESSÃO ORDINÁRIA

 

Presidência: Sr. Sandro Trevisan

 

Às 18 horas o Senhor Presidente Vereador Sandro Trevisan assume a direção dos trabalhos. Presentes os seguintes Vereadores: Alberto Maioli, Arielson Arsego, Deivid Argenta, Eleonora Peters Broilo, Fabiano André Piccoli, Fernando Silvestrin, Jonas Tomazini, Jorge Cenci, José Mário Bellaver, Josué Paese Filho, Odair José Sobierai, Sedinei Catafesta, Tadeu Salib dos Santos e Thiago Pintos Brunet.

 

 

PRES. SANDRO TREVISAN: Invocando o nome de DEUS declaro abertos os trabalhos da presente Sessão Ordinária. Solicito ao Ver. Sedinei Catafesta para que proceda a leitura de um trecho da Bíblia.

VER. SEDINEI CATAFESTA: Senhor Presidente boa noite a Vossa Excelência, boa noite aos demais eminentes parlamentares dessa Casa. O Senhor é meu pastor; Salmo de Davi: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre”.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado Vereador. Solicito ao Ver. Fabiano A. Piccoli, 2º Vice-Presidente, para que proceda a leitura do Expediente da Secretaria.

 

EXPEDIENTE

 

2º VICE-PRES. FABIANO A. PICCOLI: Boa noite Senhor Presidente, colegas Vereadores. Ofício nº. 169/2019 – SEGDH. Exmo. Senhor Sandro Trevisan, Presidente da Câmara Municipal de Vereadores. Assunto: Mensagem Retificativa ao Projeto de Lei nº 56/2019. Senhor Presidente, honra-nos cumprimentar Vossa Excelência, oportunidade em que submetemos à elevada apreciação dessa Casa de Leis a presente Mensagem Retificativa ao Projeto de Lei nº 56/2019, para fins de contar que onde se lê: gemellaggio, leia-se: geminação. Atenciosamente, Claiton Gonçalves, Prefeito Municipal. Era isso Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. Passamos então para a Ordem do Dia.

 

ORDEM DO DIA

 

PRES. SANDRO TREVISAN: (PROBLEMA DE ÁUDIO)

VER. JONAS TOMAZINI: …merecimento da comunidade que vai ser atingida de maneira positiva. Assim como nós falamos já em outras oportunidades, isso não tem muito que se discutir, é certo que a comunidade merece é certo que isso provoca uma melhor qualidade de vida para as pessoas que ali residem ou que transitam por esse local. A gente pode ter uma estimativa também de melhoria da economia quando a gente tem uma infraestrutura mais adequada, mas ao mesmo tempo dizer que ter coragem para fazer financiamentos, acho que não é o termo mais adequado. Coragem para fazer financiamento, acho que não precisa tanta coragem para fazer isso principalmente considerando e conforme a gente já expôs em outros momentos que o que temos aqui são linhas com carência maior, prazo de pagamento maior, mas não há com as taxas de juros lá tão competitivas. A gente percebeu em outros momentos linhas que município já contratava com taxas muito parecidas ou até menores do que essas. Então o que a gente tem aqui é um estendimento do prazo e da carência para iniciar o pagamento. De acordo com este relatório, nós temos então em fase de amortização, e me permitam aqui falar valores arredondados, em torno de R$8.700.000,00; nós temos em fase de carência em torno de quase R$12.000.000,00 e em fase de contratação, incluindo o financiamento que é objeto deste Projeto de Lei, em torno de R$17.500.000,00. E aí cabe registrar e quero que fique aqui nesta Casa que muitas vezes a gente ouve que todos deixaram carnês ou contas a serem pagas. Na nossa, na nossa administração à frente da Secretaria de Finanças foram feitos três financiamentos, esses três financiamentos dois eram de curto prazo e vamos definir curto prazo para isso até cinco anos, seis anos entre carência e pagamento. Sendo que um quase concluído durante a nossa administração, um segundo que concluiu logo no primeiro ano de governo da atual administração, no primeiro mandato ainda, e um outro que aí sim é o primeiro aqui o CEF Pró-Transporte PAC 2ª etapa, que foi feito pelo período de 20 anos. No entanto na atual gestão agora em fase de amortização além desse que eu citei, nós temos mais um outro de 20 anos aí nós temos dois de quatro anos e meio e aí nós vamos para fase de carência aonde a gente tem já financiamentos de 6 e de 5 anos sendo que tem um que não vai iniciar pagamento de valor principal nesse governo por que inicia só em 2021, um de R$3.000.000,00 o FINISA, e em fase de contratação nós temos mais dois de 17 anos de pagamento. Então é um cenário completamente diferente do que nós tínhamos entre 2012/2013 para o que nós temos hoje. Lá falávamos de um comprometimento de em torno de 3 a 4 milhões de reais contratados a serem pagos e hoje a gente fala de 38 milhões de reais. Então isso o nosso orçamento desse período não cresceu 10 vezes, o nosso comprometimento sim. Então nós temos que fazer esses apontamentos, acho que não é a coragem para fazer empréstimo que é o termo mais adequado e vamos continuar discutindo esse Projeto de Lei nº 53. Era isso muito obrigado, Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra esta à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Ver. Alberto Maioli.

VER. ALBERTO MAIOLI: Senhor Presidente, Senhores Vereadores, pessoas aqui presentes. Eu devia ter me manifestado ontem de noite sobre valores de que ainda não começaram a ser pago, são mais de R$26.000.000,00 mais de R$8.500.000,00 que estão em andamento de pagamento. Soma total hoje que a Prefeitura deve R$35 milhões. E agora nós estamos fazendo uma um Projeto de Lei que nós vamos votar evidentemente quem seria eu para votar contra o Projeto de Lei. Agora me preocupo porque mais R$3 milhões são R$38 milhões que a Prefeitura, fora os juros né, que tem pagar mês a mês. E são 20 anos desse financiamento para pagar. Aqui não diz no Projeto de Lei quanto é o juro, mas tudo bem. O que me preocupa certamente que a Prefeitura eu acho que deve ter contratado algum atuário para fazer a contabilidade para ficar dentro das proporções de poder esse dinheiro que seja gerenciado para poder quitar esse financiamento. E senão, gente, a minha coisa se é um ano acho que o orçamento no município não consegue cobrir aquilo que estaria na expectativa. O que acontece com esses financiamentos? É uma das minhas preocupações não que votaria contra um Projeto dessa natureza por que quem é que não vai gostar de ter melhoria na sua lavoura, nas suas estrada. É uma coisa muito importante sim, mas me preocupo. Era isso aí que queria deixar registrado, Senhor Presidente. Muito obrigado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Arielson Arsego.

VER. ARIELSON ARSEGO: Senhor Presidente e Senhores Vereadores e os que nos acompanham. Na verdade o Ver. Jonas já fez uma breve explanação e nós aqui queremos dizer que quanto mais asfalto nós tivermos no nosso interior, na nossa cidade enfim, melhor é. Ninguém vai aqui, eu tenho certeza dos 15 Vereadores, dizer que asfalto é ruim, que asfalto não devia ter. Não. Todo mundo quer só basta ver como se consegue esses investimentos. Eu tive a satisfação e o MDB com o PP junto em uma administração de fazer da Busa até Caravaggio e conseguir uma Emenda Parlamentar e não se gastar nada de financiamento. Agora vai ser feita o outro lado. Na Linha Jacinto onde foi para Santo André e São Luís agora, nós sabemos que precisa; a subida toda da Linha Jacinto foi feito com recursos da Prefeitura sem fazer financiamento. Uma das partes para Santo André foi feito com recursos de Emenda Parlamentar do Deputado do Mauro Pereira do PMDB. Os asfaltos que nós fizemos para a Linha Ely, foi com recursos de Emendas Parlamentares de vários partidos, mas que não se fez financiamento. E nós poderíamos ter feito muito mais asfalto quem sabe fazendo financiamentos e a modalidade agora de fazer os agricultores, os proprietários das terras no interior, pagarem. É justo. É justo. Mas o Vereador Alberto Maioli tem razão, Vereador Jonas, que os financiamentos não é aquela maravilha toda que se pensa. Que ter coragem de fazer financiamento é quando a gente faz com dinheiro do bolso da gente. Ter capacidade de se endividar lá na hora em uma loja na hora tu pode ter depois tu pode perder o emprego não tem mais como pagar; assim como a arrecadação pode diminuir bastante e não tem mais como pagar como o município. Então esses cálculos que o Vereador Jonas faz, o financiamento pegar em fase de contratação os que estão em fase de carência e mais os em fase de amortização, são R$41 milhões de financiamento. R$41 milhões de financiamento. E a comunidade tem que saber. Quando vier aqui a comunidade de Linha Palmeiro eu vou falar também a mesma que estou falando aqui. Vou dizer para comunidade não porque para achar argumento para votar contra. Não. Eles podem até achar ruim na fala da gente porque “pô agora que chegou a minha vez lá não vão votar”. Não! Nós vamos votar, mas ele tem que saber; a comunidade tem que saber tem que ficar registrado aqui que nós estamos votando sabendo que tem R$41 milhões em financiamento. Vocês sabem quando for pego tudo isso essas três modalidades ou que está em fase de contratação ou que está em fase de carência ou que está pagando do que foi pego e o que vai pegar e tudo vai faltar R$38 milhões para pagar Ver. Alberto não é 25 R$38 milhões para pagar. E eu fiz um cálculo de um financiamento só, um dos financiamentos só para ter uma ideia do que se paga e ainda quando se deve. Vocês pegam o Pró-transporte PAC 2 segunda etapa. O valor do financiamento era R$4.231.000,00; a Prefeitura já pagou um R$1.968.000,00; um milhão e novecentos de quatro milhões e duzentos; quase a metade ela pagou né. Vocês sabem quanto a Prefeitura deve ainda de financiamento três milhões seiscentos e oitenta. Então na verdade dos R$4.231.000,00 que ela pegou e ela pagou R$1.968.000,00 o que ela pagou de juro foi um milhão e quatrocentos e para abater na dívida só R$500.000,00. Vejam bem que de um milhão e novecentos que foi pago dos 4 milhões foi pego um milhão e quatrocentos é para Juro e os outros R$500.000,00 é para amortização da dívida. Gente isso aqui é um juro que quando a gente vota aqui “ah é 6% mais não sei o quê”. Parece pouquinho. Pouquinho por alguns outros empréstimos que são feitos fora, mas é juro também e o município vai pagar sim. E esse valor aqui não tem em cima desse valor lá os agricultores ou quem vai receber no bairro vai receber a Prefeitura vai receber uma parte desse valor de volta. Não! A Prefeitura está colocando o valor, mas volto a dizer, que bom que a gente pudesse fazer mais cem milhões de financiamento poder fazer asfalto para tudo que lado. Mas tem cuidar porque logo ali na frente pode dar problema. Então por enquanto “ah mais três milhões só”; mais três milhões. Junto com esses três milhões são mais 38 que dão 41 e que falta 38 para pagar. Obrigado, Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra então o Vereador José Mário Bellaver.

VER. JOSÉ MÁRIO BELLAVER: Senhor Presidente, colegas Vereadores, saudar o Secretário Francis e os demais funcionários da Casa e a população que está nos prestigiando nesta noite. Realmente, Vereador Alberto Maioli, a gente sabe o quê que é financiamento. E concordo perfeitamente com os colegas Vereadores que me antecederam que o juro realmente 20 anos nesse financiamento 20 anos imagina o quanto que vai dar de juro. Mas lógico que nós somos favoráveis ao asfaltamento do interior naquela região que bastante necessita para o escoamento da safra além do roteiro turístico daquela região. Mas uma coisa que me preocupa aqui eu estou vendo pelo pelos valores de três milhões para realizar 3.900 metros quase 4 quilômetros. Dá um valor de R$780.000,00 o quilômetro, mais a contra partida da comunidade. Me parece que esse asfalto aumentou bastante de dois anos para cá. Não sei se o Vereador líder do governo de repente possa nos informar quanto custa um quilômetro de asfalto porque pelo financiamento, só de recurso do financiamento, dá R$780.000,00 por quilômetro mais a contrapartida da comunidade. Me parece que é caro esse asfalto, não sei se líder do governo tem alguma informação ou um colega Vereador tem informações a respeito desses valores e se não tiver hoje para a próxima 3ª feira que possa nos informar o valor real ao quilômetro. Porque nos preocupa; me recordo quando começou o asfaltamento no interior era R$400.000,00/R$460.000,00 isso e agora dobrou, mais que dobrou pelos valores que nós temos aqui. Então seria importante que pudesse nos trazer essa informação para que nós possamos analisar e votar conscientemente assim com mais tranquilidade né esses valores, esse Projeto. Era isso, Senhor Presidente, muito obrigado.

SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Tadeu Salib dos Santos.

VER. TADEU SALIB DOS SANTOS: Senhor Presidente, Senhora Vereadora Dra. Eleonora, Senhores Vereadores, Secretário Francis, prazer tê-lo aqui conosco, seu Menzen, as demais pessoas que estão conosco juntamente com os nossos colegas trabalhadores desta Casa. Algumas coisas nos levam a refletir sobre a questão do que falou o Vereador Jonas, de um alerta, do que falou o Vereador Alberto Maioli, do que falou o Vereador Arielson, do que falou José Mário na questão da bola de neve dos aumentos. Mas as consequências desses aumentos não somente da matéria-prima, mas também a nossa realidade e também o futuro que nos aguarda aí na frente. Os futuros gestores com a herança de pagar a conta. E as demais, as demais localidades, que isso virá às cobranças não que seja contra essa parte aí de São José e da Palmeiro assim conhecidas, uma estrada que tem uma história desde os tempos em que Caravaggio era 24 horas na semana em que se comemorava a contagem de anos de Nossa Senhora padroeira da diocese, aqui na nossa região. Tantas mudanças foram feitas e o caminho também melhorado e agora para fechar é claro que o asfalto é bem-vindo, merecido e justo para aquelas pessoas que ali transitam turisticamente e para aqueles produtores. Só que não vai parar por aí Vereador Alberto primeiro porque nós temos que ter muita cautela, muita cautela na votação, dizendo de que nós temos que ter no mínimo ciência e apontamentos do que isso significa para o futuro de Farroupilha. E os futuros Vereadores desta Casa Legislativa deverão, em um futuro bem próximo, receber mais pedidos porque Farroupilha irá continuar. E se nós olharmos cada região vai achar a sua justificativa e o seu jeito de solicitar e também nós vamos entender porque é o sonho de todos transformar as vias, sejam elas rurais ou também as nossas vias aqui da cidade, as nossas vias urbanas, em asfalto em melhores condições em mais praticidade aquilo que é necessidade de todos, tanto do produtor, quanto do comprador, quanto do vendedor quanto de quem está industrializando a produção que vem. Então que esses apontamentos sejam feitos por nós de uma forma harmoniosa sem dar o sentido de não apoio a isto. Mas conscientes de que isso será uma prática do futuro das gerações e das administrações. E dizer de que a comunidade de São José, sempre muito unida, como as demais que conhecemos, mas não deixaram de lembrar que muitas Emendas vieram. E que nós juntamente com o Executivo enfim, que se houver a possibilidade de nos engajarmos na mesma bandeira para buscar Emendas lá de Brasília, ou seja, dos nossos representantes lá na capital federal é extremamente importante no momento presente e fundamentalmente para o momento futuro. Muito obrigado, Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Ver. Fabiano A. Piccoli.

VER. FABIANO A. PICCOLI: Obrigado, Senhor Presidente. Respondendo ao questionamento do Vereador José Mário, a nossa autorização é para que um limite de até três milhões e o Projeto quando ele for ele não está feito ainda porque nós não demos autorização ainda para o município, mas quando ele for feito ele segue o padrão da tabela SINAPI, que é uma tabela a nível nacional, que determina os valores que máximos que vão para licitação. E depois no processo licitatório a gente sabe que se tiver concorrência e tomara que tenha, os preços podem diminuir. Então o que a gente pode trazer é pegar uma licitação antiga e trazer essa informação de quanto custa por quilometro nessa modalidade. Esse asfalto aqui será de 7 metros então ele vai custar um pouco mais porque ele será de 7 metros. Isso eu posso buscar, pegar uma última licitação que está em aberto e ver quanto que deu de 6 porque tem 6; tem de 6 que ali podemos pegar na linha 30, ali na linha Jacinto para nós ter uma ideia. Mas é uma licitação que aconteceu o ano passado. A gente sabe que o CAP ele tem uma oscilação bastante grande então é bastante difícil a gente ter uma informação correta de como vai ser o valor do quilômetro. E em relação à modalidade da realização de obras serem feitas por licitação, eu acredito que é uma característica de cada governo, alguns mais arrojados uns mais conservadores porque quando você não utiliza modalidade de financiamento você tem um perfil conservador. Eu vou fazer conforme minhas pernas garantem e eu particularmente prefiro o perfil mais arrojado porque se nós não fizermos isso, vou fazer uma comparação o asfalto para Linha Ely Salto Ventoso nós estamos ali se eu não me engano na décima etapa é a décima o Secretário Francis é a décima ou nona etapa agora? Oitava etapa? Nona etapa. E desde 2008 quando o Prefeito era o Baretta que vem sendo feito esse asfalto e eu fico muito feliz porque desde 2008 a gente luta muito para buscar Emendas Parlamentares. E nós recebíamos críticas muitas vezes do pessoal da base por que nos diziam: “ah, os partidos da base”, que era o PMDB e o PP, para o asfalto do Salto Ventoso, temos poucas Emendas; temos lá do Jose Otávio e do Molling se não me engano. Mas nós lutávamos tinha lá o Pimenta, o Pepe, o Fontana, o Pompeu, o Stédile, tinha mais um do PDT e para buscar Emendas e o pessoal nos criticava, eu recebi criticas, “vocês estão trabalhando para o governo”. “Não. nós estamos trabalhando por Farroupilha”. Então só que se nós continuássemos nessa modalidade de Emenda nós ia levar 20 anos para chegar até o Salto ventoso. Então são perfis de administradores; certo ou errado acho que só temos que ter a responsabilidade de olhar para frente e não comprometer o município. E eu acredito que é esses financiamentos não vão comprometer. Além disso, o quanto que desenvolve uma região quando você coloca o asfalto. Aqui nesse financiamento de R$7.000.000,00 que não está aí ainda nem em prazo de carência o quanto vai desenvolver não só o turismo, mas essa região de Linha Ely/Linha Muller; é uma região altamente produtiva. Aqui em São José o quanto a gente pode desenvolver a área industrial. E nós sim temos que continuar a captar Emendas e já tem até um Projeto da comunidade se vier uma Emenda para cá de fazer uma pista de caminhada na lateral do asfalto de 7 metros com iluminação. Então eles já estão pensando nisso e eles vão bater nas nossas portas e nós também vamos continuar indo atrás das Emendas porque elas são importantes e ajudam muito o município de Farroupilha. Obrigado, Sr. Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Fernando Silvestrin.

VER. FERNANDO SILVESTRIN: Saudar o Senhor Presidente, saudando o Presidente quero saudar todos os Vereadores, a nobre colega Vereadora Eleonora, quero saudar também o Francis, ex-colega Secretário, e os ex-colegas aí da Prefeitura Municipal e os demais presentes que estão nessa Casa aqui. Referente ao Projeto nº 53 que autoriza a abertura de crédito de R$3.000.000,00 tenho certeza que 15 Vereadores vão votar a favor até porque é uma obra que vai contemplar uma comunidade e não somente uma comunidade, vai unir dois municípios aí; e até a questão do turismo religioso então vai ser de extrema importância. Mas temos que ressaltar também né eu analiso as finanças da Prefeitura que nem assim as finanças de uma família. A gente tem que dar o passo conforme a renda então a gente sabe que temos investir 25% na educação, 15 na saúde R$13.000.000,00 no hospital, mais passagem para estudante intermunicipal, creche, infraestrutura e outras Secretarias mais que são importante. Então eu não sei te dizer hoje qual é o poder do investimento que o Poder Municipal teria, mas acredito que entre 5 a 8 milhões fazendo uma economia. Só que o seguinte, a gente olhando todos esses financiamentos a gente vai ter que ter um cuidado muito grande para o futuro porque daqui um pouco vai ter algum ano que nós vamos esse poder de investimento vai ser só para pagar financiamento. Então daqui um pouco pode inviabilizar outras gestões independente de quem vai estar lá então a gente vai ter que ter um cuidado sim né. Então nós temos um Secretário da Fazenda lá, o Benami, acredito que ele esteja fazendo essa avaliação aí né para depois no futuro né tem o Ver. Jonas Tomazini aí que também é esperto nas Finanças, que já foi Secretário, e acho que tem que se fazer esses estudos sim porque a gente para o futuro a gente também não pode inviabilizar para os próximos governos né. Não é que sou contra participei em várias obras nesse Governo o asfaltamento é sim muito importante para as comunidades tanto rural quanto urbana, mas a gente vai ter que ter uma cautela daqui adiante sim para quem sabe inviabilizar futuras administrações. E no restante tenho certeza que todos os Vereadores vão concordar né até porque é uma obra muito importante, mas esse debate, essa discussão que a gente tem aqui na Câmara é para isso mesmo né, a gente tem que nós muitas vezes se alertar para o futuro sim. Então não é que a gente é contra financiamento pelo contrário, mas a gente tem que dar o passo conforme a perna. Então a minha parte seria isso aí, Presidente, agradeço pela atenção aí.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra Vereador Sedinei Catafesta.

VER. SEDINEI CATAFESTA: Senhor Presidente, eu estava aqui ouvindo atentamente a manifestação dos meus colegas Vereadores. Primeiro quero registrar o carinho que eu tenho pela comunidade que todos as Vossas Excelências tem também. São José da linha Palmeiro tenho um carinho especial por diversas famílias que lá residem e sei da real necessidade dessa pavimentação. Todos nós sabemos. Comem pó no verão e barro no inverno. Isso é verdade e é um absurdo; aquela rodovia de 3 quilômetros e 900 metros é totalmente precária. Somos sabedores disso. Mas também somos sabedores do quanto está engessando financeiramente o governo, somos sabedores disso. Essa planilha que veio de amortização todos os financiamentos feitos eu peço que a Casa providencie novamente para o setor de finanças, que cobre a vinda dela com uma revisão. Não fecham os cálculos, os cálculos não estão batendo pelo menos em alguns dos financiamentos dos contratos aqui em anexo. Espero eu que o Secretário Benami, de finanças, não erre como errou os IPTU aqui dessa cidade. Estou falando aqui: acabou! Acabou vim IPTU errado aqui e a família lá pagando e depois sofrendo ali perdendo trabalho, perdendo escola, enfrentando fila para resolver o problema que é do governo. Era do governo. Estou mentindo? Era do governo. Está tudo bem, pegou férias deixou tudo a Deus dará nesse período estou dando recado aqui, estou mandando recado. E se aqui nessa planilha aqui estiver errado eu tenho certeza que serão cinco novos governos que vão pagar as contas, cinco novos governos neste financiamento. Então vamos analisar aqui: Pró-transporte PAC 2 faltam ainda ser pagos R$2.176.646,79 para se ter uma ideia. Eu vou falar aqui do Pró-transporte PAC 2 segunda etapa, se pagou-se 54 parcelas de um total de 240; faltam ainda 186 parcelas de um total então de 7 milhões. Quanto se tirou? 4 milhões emprestado vamos pagar 7. É o que está aqui.  Agora vamos lá para o contrato com o Banco do Brasil, nº 20, vamos analisar feito em 2017 hein. Foi tirado um milhão oitocentos e doze de financiamento começou a pagar a 1ª parcela e que aqui diz que a primeira parcela era 43 mil reais, mas se pagou-se já 44 mil reais, já se pago com juro ou está errado. E aqui vamos fazer o cálculo diminui então essa parcela de R$44.370,25 com o total que falta pagar: R$1.637.681,21; o total que falta ainda um milhão setecentos e sessenta e sete. Se tirou um milhão oitocentos e doze está errado. Aqui está errado. Então assim tem que ser analisado eu não quero o cálculo feito aqui nas coxas tem que fazer as coisas com cautela. Estamos aqui votando o futuro do nosso município Presidente, eu não sou contra o Projeto jamais, o Projeto vem com tudo que Vossa Excelência falou aqui, líder de governo, e mais um pouco. Vem ali beneficiar a comunidade vem de encontro ao turismo está aí o Secretário nessa noite, vem ao desenvolvimento das indústrias, tudo isso a gente sabe. Mas em cinco governos futuros vai ter dívidas. Pé para trás, pé no chão, vamos acalmar um pouquinho o coração porque assim eu vou votar quando vier uma nova planilha revisada. Erro de IPTU já basta e este ano estou na Casa tá. Acabou! Secretário Benami acabou para você.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Ver. Josué Paese Filho.

VER. JOSUÉ PAESE FILHO: Obrigado, Senhor Presidente, Senhores Vereadores, Vereadora Eleonora, Secretário Francis, demais amigos que se encontram nessa Casa hoje à noite. Vamos começar pelo seguinte: aonde estão os 24 km de graça que foi prometido em campanha?  24 km de asfalto sem custo nenhum. Segundo ponto: foi feito ali em São Miguel. Segura meu tempo, por favor. Obrigado. Não, mandei segurar só para esclarecer as coisas tá certo acho que aqui tem o debate volta e meia tem que quebrar o protocolo mesmo para esclarecer bem a situação né. Tá ótimo não tem problema nenhum. Vila Rica foi feito sem financiamento, Santa Rita sem financiamento, Farrapos sem financiamento, Rua Colorado sem financiamento, cooperativa Vitória sem financiamento, Barão do Rio Branco sem financiamento, uma das maiores obras nos últimos 20, 30 anos, Armando Antonello sem financiamento, e não lembro se tem mais alguma que o Ver. Arielson, 3 de Outubro e tantas outras; Desvio Machado e tem um monte aí. Eu gostaria de saber, gostaria de saber, só uma questão. Quanto dinheiro público quanto dinheiro nosso dos nossos impostos aqui em Farroupilha foi feito melhorias ou asfalto ou qualquer coisa na infraestrutura. Com dinheiro próprio. Gostaria de saber, gostaria de ter essa resposta. E realmente, Vereador Alberto, todos os Vereador que me anteciparam aqui e comunidade, e Ver. Catafesta, eu nasci no interior e eu sei o que é comer poeira e barro. Eu sei disso que é difícil poeira, barro, é tudo.  Mas também não dá para resolver a situação em 8 anos? Eu não sei qual é o Vereador que falou antes, cinco ou seis talvez até mais, mas no mínimo 5 próximos Prefeitos. É normal de alguns Prefeitos ficar algumas coisas para pagar, dentro da legalidade, agora aqui a coisa está indo longe demais. Não adianta ir para a imprensa e dizer que foi feito isso, aquilo, aquilo, aquilo; a população não sabe disso aqui e eles têm que saber. Eles têm que saber. Nós vamos, com certeza, Vereador Fernando, que o Senhor disse que o Senhor tem certeza que os 15 Vereadores votam favorável a este financiamento agora do Projeto nº 53. Com certeza ao menos o meu voto, mas até quando que nós vamos. Amanhã eu já sei está aqui o Alexandre Paese já teve reunião na Linha Paese, lá na minha terra, para fazer lá em torno de 800 m. É merecido? Merecido. Tem indústria naquele trecho, tem tudo. Aí mais um financiamento? E é mais um; e eu não voto contra Alexandre. Agora tem que ter o Executivo tem que ter os pés no chão porque os próximos Prefeitos vão estar com as mãos atadas. Vão ficar de mãos atadas. Aí abre um buraco nesse asfalto aqui e não tem dinheiro depois para fechar o buraco. E o Ver. Fernando disse bem, nós temos saúde, temos educação, temos tanta coisa. E eu sou a favor disso aqui e já está registrado se procurar nas atas nos anis dessa Casa e gostaria de ver todo o interior e todos os bairros calçado e asfaltado. Que nem o Prefeito Cettolin está fazendo agora com R$28.000.000,00 em Garibaldi de infraestrutura; 28 milhões com Emenda e dinheiro próprio. A pergunta que eu faço novamente: se pudesse me trazer nessa Casa quanto foi do dinheiro nosso aplicado em infraestrutura? Obrigado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Odair Sobierai.

VER. ODAIR SOBIERAI: Boa noite Senhor Presidente, colegas Vereadores, Secretário Francis, demais presentes. Quero dizer que a preocupação dos Senhores colegas é a mesma minha, sobre financiamento, endividamento, futuro né. Preocupa muito, mas também preocupa se tu votar contra um Projeto o que vier por trás de novo né. Mas em si eu gostaria só de tirar algumas dúvidas não sei se; no art. 5º fica o Poder Executivo Municipal autorizado a abrir crédito adicionais até o limite do financiamento para aplicação da contrapartida do município no investimento em questão. Eu sou meio leigo eu não entendi esse artigo o que quer dizer então se alguém pudesse me explicar depois. E também os últimos financiamentos que a gente aprovou foram asfaltados 6 m agora o líder do governo falou que é 7; gostaria também de saber o porquê né de 7 metros essa região? Porque vamos fazer vamos digamos dar uma diferença de uma comunidade para outra, se é roteiro turístico também né. Então essas são as dúvidas sobre o artigo quinto e porquê de 7 metros e ahh também a taxa de juros. A gente vai estar não sei se já se sabe algo que também alguém pudesse falar. Um aparte ao Ver.  Josué Paese Filho.

PRES. SANDRO TREVISAN: Aparte, Ver.  Josué Paese Filho.

VER. JOSUÉ PAESE FILHO: Obrigado, Ver. Odair Sobierai. O Senhor levantou dos 7 metros para seis também gostaria de saber. Quando eu falei aqui que eu gostaria de saber quanto dinheiro foi aplicado nosso, vocês vejam aqui que nós aprovamos aqui, mas só para ter uma noção por isso estou fazendo essa pergunta quanto dinheiro foi do município, do caixa do município; foi feito um empréstimo de R$3.000.000,00 para regularização do PPCI das escolas municipais. Nem aí não teve investimento do dinheiro próprio. Obrigado pelo aparte Vereador.

VER. ODAIR SOBIERAI: Só para concluir, quero dizer que também não sou contra ao desenvolvimento turístico e de outras áreas do município também. Vou ser favorável ao Projeto, mas gostaria de uma maior clareza sobre essas perguntas que eu fiz. Então para mim traria uma maior segurança na votação.

PRES. SANDRO TREVISAN: Mais 2 minutos.

VER. ODAIR SOBIERAI: Um aparte ao Ver. Alberto Maioli.

PRES. SANDRO TREVISAN: Aparte, Ver. Alberto Maioli.

VER. ALBERTO MAIOLI: Eu não sei se é bastante ou se é pouco, mas corresponde R$208.000,00/mês só de juro. É isso aí que eu queria deixar registrado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. Terminou a fala? A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Então se nenhum Vereador mais quiser fazer uso da palavra esse Projeto vai para 2ª discussão. Projeto de Lei nº 55/2019 que institui o Programa de Apoio à Reciclagem, e dá outras providências. Pareceres: Constituição e Justiça aguardo; Saúde e Meio Ambiente aguardo; Jurídico aguardo. O presente projeto permanece em 1ª discussão. Cumprimentar a presença do nosso Secretário Francis, Alexandre, Joel e o nosso expectador seu Menzen, funcionários da Casa. Em 1ª discussão Projeto de Lei nº 56/2019 que autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio de intercâmbio – gemellaggio – com a cidade de Cadaval em Portugal. Pareceres: Constituição e Justiça favorável; Educação, Esporte, Cultura, Lazer e Assistência Social, favorável; Jurídico favorável. Então nesse momento convidamos o Secretário Francis para que faça uma explanação logo após eu passarei então a palavra aos Vereadores.

SEC. MUN. DO TURISMO FRANCIS CASALI: Boa noite Senhor Presidente, Senhores Vereadores, Vereador Eleonora, prazer estar aqui com vocês. Uma saudação a quem nos acompanha aqui da Casa e quem nos acompanha através da internet também. Primeiro agradecer o convite dos Vereadores para explanar um pouco sobre o Projeto de Lei nº 56 que trata de uma autorização legislativa para a gente firmar um acordo de gemellaggio, no caso geminação, com a cidade de Cadaval em Portugal. Cidade essa e que vou falar um pouquinho sobre eles e o porquê dessa ideia de Projeto. A Vila do Cadaval é uma cidade portuguesa centro e sub-região do oeste do município com 174 km2 de área, 14.228 habitantes. Parece uma cidade pequena se levarmos em conta o tamanho das nossas cidades no Brasil, mas por conta do tamanho de Portugal é uma cidade relativamente grande ou com uma população interessante. Um dos principais produtores de uvas do moscato, se não me engano provavelmente a principal produtora de uva moscato de Portugal e com certeza a principal produtora de vinhos moscato tranquilo e espumante. Diferente de Setúbal que também é uma cidade que eu tive a oportunidade de visitar que produz um vinho através da uva moscato, um vinho licoroso um pouco parecido com o nosso vinho de missa. E por isso tivemos essa ideia de entrarmos em uma parceria com Cadaval. No início não era um gemellaggio, uma geminação, e sim de uma parceria através da ENOTUR, que é a Associação Internacional de Enoturismo, no qual Farroupilha é sócia-fundadora, faz parte desde sua fundação e participa ativamente das suas atividades; então a gente através da ENOTUR cujo José Arruda na época era vice-presidente e presidia essa Associação com uma brasileira que é a Ivani Fávero, Ex-Secretária de Turismo de Bento e de Garibaldi. Estivemos lá em Cadaval e o Prefeito, o Senhor José Bernardo Nunes, da cidade do Cadaval quando estivermos lá propondo essa parceria para ampliar o programa de formação de jovens aqui do município de Farroupilha que os Senhores Vereadores puderam aprovar o ano passado uma autorização para que o município encaminhasse através do gemellaggio cinco estudantes, ou melhor, cinco jovens já a maioria deles já formados para se especializar em Latina, a nossa ideia é por conta da questão de Farroupilha se tornar a capital nacional do moscatel em janeiro desse ano, procurarmos um parceiro para aprendermos novas técnicas ou aprimorarmos as nossas técnicas na produção da uva moscato, mas não só da uva moscato. Entendemos que Portugal é um dos principais destinos enoturísticos do mundo, principalmente nessa parte do país que é a região de Cadaval, uma região que tem um enoturismo muito, muito desenvolvido e em tempo a gente mandará para essa Casa para apreciação e autorização uma solicitação para encaminharmos novos estudantes para fazer esse intercâmbio. Não só essa vez a ideia de mandarmos na área da agricultura, mas sim também da enologia, do enoturismo e da gastronomia para ampliarmos um pouco essa possibilidade de outras formações terem essa especialização. Uma das outras coisas que nos aproximam muito de Farroupilha para Cadaval, é a Festa das Adiafas que é uma é uma festa nacional do vinho leve e acontece lá em Cadaval. É um festival onde eles exaltam a qualidade de seus produtos enfim não só do vinho, mas eles envolvem outros momentos dentro desse evento. Falar um pouquinho aqui, já falei antes da questão do enoturismo, mas Cadaval faz parte da rota da Vinha e do Vinho do Oeste; é uma associação lá em Portugal que desenvolve o turismo e trabalha roteiros integrados na região, isso é uma coisa também muito interessante para a gente desenvolver aqui na nossa região. Não só os poderes públicos trabalham no desenvolvimento do turismo, mas os próprios investidores do trade turístico se organizam em associações para desenvolver os produtos locais. Por exemplo, nessa rota e vocês podem ver no mapa aqui mais embaixo o mapa de Portugal a região em verde é a região onde o mapa está um pouquinho maior que é a região de Cadaval. Cadaval fica no nº 1 lá um pouco mais ao norte, essa região para o pessoal se localizar um pouco ao norte de Lisboa, cerca de 50 km de Lisboa, e Setúbal a outra cidade eu falei, ao sul. Vou falar um pouquinho das vinícolas que eu tive a oportunidade de conhecer e são cooperativas duas delas cooperativas umas das maiores cooperativas de Portugal; a Adega Cooperativa Cadaval que na semana que vem o Presidente dessa cooperativa estará visitando Farroupilha é o Senhor Leopoldo Neves, estará nos visitando. Ele é uma das uma vinícola uma cooperativa criada em 63, 800 hectares de vinhas, 7 milhões de litro de vinhos, desses 70% brancos e produzidos boa parte deles a partir das uvas moscatéis que são de excelente qualidade lá. Vale ressaltar que o vinho ‘tranquilo’ dos Portugueses e o vinho espumante; o vinho ‘tranquilo’ é muito parecido com o nosso tem um sabor muito parecido com o nosso e o espumante é muito diferente, é muito saboroso também, mas é muito diferente. Esse é um dos motivos que nos levam a querer que os nossos agricultores, filhos de agricultores, produtores de vinho, tenham esse conhecimento no futuro para a gente aproximar e talvez termos uma nova variação aqui no nosso município. São algumas fotos da Cooperativa Cadaval, essas são as vinhas dele, esse Senhor que me acompanha na foto de camisa xadrez é o Senhor José Bernardo, Presidente da Câmara de Cadaval no caso o Prefeito da cidade; em Portugal a Câmara de Vereadores é a Prefeitura, o Presidente então é o Prefeito e os Vereadores são os Secretários, e a Câmara de Vereadores é a Assembleia Municipal. Então só para deixar claro porque as nomenclaturas inclusive quando eu estive lá a Prefeitura fez uma publicação dizendo da visita do Vereador de Farroupilha, Vereador do Turismo de Farroupilha, e aí pareceu estranho, mas não porque para eles o Vereador é o Secretário Municipal; então só para deixarmos alinhados essa nomenclatura. Então esses são alguns espumantes que eles nos apresentaram. A outra vinícola é a Adega Vermelha. A Adega Vermelha é uma outra grande cooperativa uma das mais conhecidas de Portugal, eles tem um produto conhecido e reconhecido no mundo todo; tem o vinho mundus que é um vinho hoje que a companhia aérea TAP serve em todos seus voos internacionais. Então é uma companhia que tem ‘know-how’ de venda para todo mundo, uma experiência incrível para que o nosso pessoal possa conviver e aprender e o José Bernardo ele foi Presidente das duas cooperativas antes de ser Prefeito. Inclusive eles têm, segundo ele me relatou, eles têm uma grande vontade de unificar as duas cooperativas e se tornarem a maior cooperativa de Portugal, mas segundo ele, só vai acontecer quando ele deixar de ser Prefeito para poder articular e organizar isso; mas enfim é uma questão que só trouxe para conhecimento, mas é bem interessante. São algumas vistas externas da Adega Vermelha pude visitar, eles têm um varejo muito bonito, novo, bem estruturado; eles têm uma produção de vinhos totalmente automatizada ela é muito interessante, a tecnologia empregada nessas duas cooperativas. Então a gente trouxe isso também. A Quinta do gradil, no meu ponto de vista e pelo que a gente conversou lá e me explicaram, hoje é uma das principais adegas de Portugal na questão do enoturismo por conta de fazer parte daquela rota. Essa é uma das que fazem parte. Eles têm uma quantidade de produtos enoturísticos variados, essa quinta, essa vinícola ela tem, me falta à quantidade de anos, mas é muito, muito antiga ela foi uma vinícola do Marquês de Pombal. Então a gente viaja muito no tempo quando está lá dentro. E eles têm atividades muito parecidas com as nossas, que as nossas vinícolas já oferecem, como o bike tour que a Perini tem ou trail run que é uma corrida também do vinho que também a Vinícola Perini já está na 5ª ou 6ª edição e esse final de semana até aproveito para convidá-los, para quem tem a oportunidade, a Vinícola Cappelletti vai estar promovendo a walking run, que é uma caminhada do vinho, então vai ser um evento bem bacana. A gente está desenvolvendo muito o enoturismo através do esporte também, e eles já fazem isso também lá. Eles têm tradicionais degustações, eles têm jantares harmonizados, enfim são várias possibilidades que nos aproximam. Então essas são algumas imagens da Quinta do Gradil que a gente esteve lá. Bom, deixa acho que não há de mais interessante a não ser mais fotos agora. Então, Senhor Presidente, Senhores Vereadores, eu gostaria de ficar à disposição dos Senhores para responder as perguntas necessárias, acredito que para o desenvolvimento de um município, as relações interinstitucionais elas devem se fortalecer a cada vez mais. Os tratados de gemellaggio ou de geminação eles são importantes para o desenvolvimento de várias áreas, para parceria em várias áreas. Farroupilha tem um gemellaggio com Latina que esse ano comemoram 10 anos e nesses 10 anos a gente produziu muita coisa; tem livros, tem cursos, inclusive estaremos agora na semana do dia 4 de outubro com um curso de especialização na Universidade de Caxias do Sul ministrada por professoras da Universidade ‘La Sapienza’ de Roma organizado também por conta do nosso gemellaggio e isso eu acho que por si só faz e se justifica esses acordos de parceria. Eu acredito que Farroupilha se quer, no longo prazo, se tornar uma cidade não só turística, mas totalmente amplamente desenvolvida a gente tem que estar abraçado com o resto do mundo e é mais uma oportunidade de nós levarmos o nome de Farroupilha, apresentarmos um pouco mais Farroupilha para outros locais para outras ‘quintas’ como os portugueses falam. Então agradeço, Senhor Presidente, e estou à disposição das perguntas.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. Eu acho que tem uma pergunta que é extremamente relevante e que provavelmente surgirá aqui então nesse momento eu faço. A quantidade de pessoas que tem previsão de quantidade de pessoas que irão para lá e quais são os custos suporte? Essas pessoas vão para lá o quê que a Prefeitura o que a gente tem que subsidiar? Passagem aérea, hospedagem, quais são esses custos?

SEC. MUN. DO TURISMO FRANCIS CASALI: Acredito, Presidente, no momento oportuno a gente encaminhe para a Casa o Projeto pedindo autorização para o intercâmbio. Não é nesse momento ainda, mas com certeza ele vai se dar nos mesmos moldes que foi o Projeto do ano anterior. E não há previsão de outra viagem para Portugal; até aproveitando e acabei esquecendo de falar, o Presidente da Câmara, no caso do Prefeito de Cadaval a primeira-dama estarão e o Presidente da Assembleia também estarão aqui no Brasil a partir do dia 18, mais precisamente dia 18 à noite, eles chegam em Farroupilha ficam aqui conosco alguns dias prestigiam o festival do moscatel vão ter a possibilidade de conhecer um pouco da nossa tradição gaúcha por conta dos festejos Farroupilhas, eles vão estar aqui na mesma época e em seguida eles vão participar da Wine South America em Bento Gonçalves onde Farroupilha também estará representada.

PRES. SANDRO TREVISAN: Senhores Vereadores, alguma pergunta? Vereador Arielson Arsego uma pergunta.

VER. ARIELSON ARSEGO: Cumprimentar o Secretário Francis. Só fazer uma pergunta: a gente sabe que os hóspedes, foi um decreto do Prefeito, decretou então hóspedes oficiais do município de Farroupilha algumas pessoas, não sei quantos, de Portugal. 5 pessoas. Eu gostaria de saber o custo das pessoas que vem de Portugal por conta de quem é? E qual é a estimativa de custo se for por parte da Prefeitura?

SEC. MUN. DO TURISMO FRANCIS CASALI: O custo é por conta do município sim nesse caso e a gente estima que em torno de R$2.000,00 a gente vai conseguir fazer esse pagamento. Em torno disso.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Secretário. Mais alguma pergunta? Secretário era isso?

SEC. MUN. DO TURISMO FRANCIS CASALI: Era isso. Eu gostaria, Presidente, de mais uma vez então agradecer e pedir para os nobres Vereadores a possibilidade de apreciarem e votarem esse Projeto essa noite uma vez que pela presença do Prefeito na nossa cidade na semana que vem, sendo aprovado pelos Senhores Vereadores e sancionado pelo Prefeito Municipal poderemos aproveitar a data para assinar e oficializar esse acordo de geminação.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Secretário pela disponibilidade e os esclarecimentos. A palavra nesse momento está à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra Ver. Fabiano A. Piccoli.

VER. FABIANO A. PICCOLI: Obrigado, Senhor Presidente, obrigado pela presença do Secretário Francis. Então o Projeto de Lei nº 56 que autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio de intercâmbio, geminação, com a cidade de Cadaval em Portugal. Nós tivemos então a entrada de uma Emenda na noite de hoje na qual solicita que seja feita a troca de onde pode-se ler gemellaggio para que leia-se geminação. Então o artigo 1º fica o Poder Público Municipal fica autorizado a celebrar convênio de intercâmbio e geminação com a cidade de Cadaval em Portugal para fim de promover e ampliar os laços culturais e econômicos entre essas duas comunidades. Artigo 2º as despesas decorrentes desta Lei de competência do município serão suportadas por dotações orçamentárias próprias. Essa Lei entrará em vigor então na data de sua publicação diz o artigo 3º. A justificativa desse Projeto de Lei então foi amplamente exposta pelo Secretário de Turismo Francis Casali então dessa forma, Senhor Presidente, eu peço que o Projeto seja analisado na noite de hoje em regime de urgência seja votada urgência o referido Projeto na noite também. Muito obrigado, Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra; questão de ordem, Vereadora Eleonora Broilo.

VER. ELEONORA BROILO: Eu gostaria de propor que já que o Secretário Francis veio, explicou, explanou eu gostaria que nós tivéssemos uns minutos 3, 4, 5 minutos para que nós pudéssemos discutir entre nós, a bancada; discutir na bancada sobre a posição da bancada a respeito do Projeto.

PRES. SANDRO TREVISAN: A gente pode suspender a Sessão; todos concordam em suspender a Sessão por 5 minutos? Não, acho que terminamos com isso o tempo vai ser o mesmo né. A gente termina com o assunto pode ser Vereador? Então nesse momento suspendemos a Sessão por 5 minutos. (SESSÃO SUSPENSA) Nesse momento então retornamos aos trabalhos da presente Sessão. A palavra está à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Jonas Tomazini.

VER. JONAS TOMAZINI: Senhor Presidente e Senhores Vereadores. Quero apenas então dizer, depois a nossa líder de bancada vai se pronunciar em nome da bancada, mas apenas colocar que na semana passada em uma discussão aqui na Câmara eu apontei essa questão que veio a mensagem retificativa então que aqui está escrito como gemellaggio e para nós é difícil nos desacostumar dessa palavra que está já mais enraizada na nossa cultura italiana, mas me chamou atenção porque nós estamos fazendo um acordo com uma cidade Portuguesa e gemellaggio é uma palavra italiana. Então por isso que nós sugerimos que fosse feita essa alteração e nos documentos oficiais que vieram do município de Cadaval eles também sempre tratam da palavra constante no dicionário português que é geminação. Quero conceder um aparte ao Ver. Fabiano A. Piccoli.

PRES. SANDRO TREVISAN: Aparte, Vereador Fabiano A. Piccoli.

VER. FABIANO A. PICCOLI: Obrigado, Vereador Jonas. E perdoe que na minha defesa eu acabei não mencionando isso. A sugestão e a observação veio do Vereador Jonas em relação ao gemellaggio e nós levamos ao governo, levei ao Secretário, e a Emenda Retificativa e a Mensagem Retificativa então veio iniciativa por uma sugestão do Vereador Jonas. Me perdoe por não ter e foi esquecimento mesmo anteriormente. Obrigado pelo aparte.

PRES. SANDRO TREVISAN: Vereador.

VER. JONAS TOMAZINI: Retomando agradeço ao Vereador Fabiano A. Piccoli por ter levado à frente então é nós ficarmos com a legislação correta até porque senão ficaria estranho nós mandamos a nossa Lei lá para Portugal com uma palavra escrita em italiano sem sendo que o nosso idioma é o português por mais que nós ressaltamos a nossa cultura italiana acho que assim é o mais correto. Com relação apenas ao Projeto de Lei que nós gostaríamos é de conscientizar as ações do governo para que tenha na sua consciência presente sempre que possa claro explorar o máximo possível dos acordos existentes, tanto o que a gente tem hoje com a cidade de Latina e com esse que está sendo proposto, mas acima de tudo, tentar maximizar o resultado minimizando os custos para o município. Acho que os intercâmbios, as formas de aprendizado para os estudantes que foram, por exemplo, lá para Latina ver a cultura do kiwi, Ver. Fernando Silvestrin, agora quem sabe ter a oportunidade também de conhecer uma outra área de produção agora com as uvas moscato como foi colocado, pode ser interessante não precisa de acordo de geminação para isso. Poderia ser feito intercâmbio com municípios lá de outros países e assim como podemos fazer com outras cidades que não estão com acordos escritos poderia se fazer isso também, então não há necessidade expressa de ter esse tipo até porque vai vir uma Lei específica como foi dito pelo Secretário antes para aprovar essas despesas. Então que nós tenhamos o máximo de cuidado, que a gente possa sim explorar essa relação, que a gente possa quem sabe levar o nome do município, levar os nossos produtos, mas minimizar o custo, principalmente quando a gente recebe pessoas lá do outro país aqui como hospedes oficiais; que a gente já teve um Decreto antes mesmo de ter a aprovação desta Lei e também quando a gente envia pessoas para lá. Para que sejamos franciscanos nas despesas com o bolso dos contribuintes, com o bolso dos pagadores de impostos que são os cidadãos farroupilhenses. Era isso muito obrigado, Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra a Vereadora Eleonora Broilo.

VER. ELEONORA BROILO: Bem então, como líder de bancada, eu gostaria então primeiro de dar boa noite ao Senhor Presidente, aos colegas Vereadores, ao Toffanin, ao Secretário Francis, ao seu Menzen que está sempre aqui conosco, aos Broilos presentes e às pessoas que nos acompanham. Como não poderia ser diferente nossa bancada é favorável ao Projeto como a qualquer Projeto que traga benefícios à comunidade ou que aumente as divisas de Farroupilha, seja a nível nacional ou internacional. Mas como muito bem dito pelo Vereador Jonas, nós temos que levar em conta as despesas. Então considerar quando realmente houver um intercâmbio em que haja melhorias, que haja interesse para a comunidade de Farroupilha. E sempre prevendo sempre cuidando que o gasto para que esse financiamento não seja excessivo porque vai refletir claro no bolso do contribuidor e é isso que todos nós aqui temos cuidado ultimamente. Então sim nós somos favoráveis, mas com cuidado com esses quesitos. Obrigada. Era isso.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereadora. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Tadeu Salib dos Santos.

VER. TADEU SALIB DOS SANTOS: Senhor Presidente, Senhores Vereadores, Vereadora. Se um Broilo aqui já nos enche de satisfação, imagina os Broilos aqui formam a satisfação maior ainda. Eu quero dizer também o meu boa noite ao sempre Vereador Toffanin prazer em revê-lo e dizer ao Secretário Francis que e eu não sei se foi a receptividade que Vossa Excelência teve lá ou a projeção de algo que é uma conquista extremamente grande. Primeiro ponto: quem sabe isso venha a ter um resultado maior ali na frente, mas o Senhor nos trouxe uma imagem de uma motivação muito grande lá onde o Senhor esteve, visitou, comprovou e trazendo aqui algo para convencimento até dos legisladores dessa Casa. Agora além desta motivação toda que o Senhor trouxe através das suas expressões, da sua forma de falar, guardando na memória aí fatos que aconteceram lá, eu queria lhe dizer de que algo que nunca será tirado nem de nós nem das futuras gerações, sejam elas nossas sejam elas da nossa comunidade seja da nossa família e seja ela de onde for; uma coisa que ninguém vai nos tirar: conhecimento. E é essa nossa esperança de que política nenhuma, político nenhum irá mudar aquilo que for captado como experiência e aquilo que foi de aprendizado. Eu espero que Farroupilha realmente seja contemplada para o seu crescimento através dessa geminação e lhe dizer mais ainda: que o Partido Progressista é favorável estará confiando de quê venha os ensinamentos que ninguém vai nos tirar e nem das futuras gerações e não precisa alertar, mas eu lhe digo uma coisa: se o Senhor foi bem acolhido lá não esqueça da bela costela gorda na Semana Farroupilha aonde que eles levarão daqui, acompanhado de um bom vinho da nossa região que quem sabe eles digam “o Brasil tem vinho que nós temos que aprender com eles também”. Muito obrigado.

2º VICE-PRES. FABIANO A. PICCOLI: Obrigado, Vereador Tadeu. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Vereador Fernando Silvestrin.

VER. FERNANDO SILVESTRIN: Senhor Presidente, demais Vereadores e demais presentes. Fazer uma saudação especial ao sempre Vereador Aldir Toffanin colega aí de Prefeitura também, obrigado pela presença, cumprimentar o Secretário Francis aí pela bela explanação. Então acredito que clareou bastante porque eu vi ele falar, mas eu não conhecia muito bem a cidade de Cadaval. Então acho que foi bem esclarecedor. Então obrigado aí por ter explanado aí. Esses convênios aí que a gente faz eu sou sempre favorável por que se a gente quer mostrar a cara, isso pode ser individualmente ou mostrar o Município ou mostrar o nosso Estado, País tu tem que se relacionar com todo mundo. Com todas as cidades com todos os países. E tendo um bom relacionamento de uma forma ou outra eles conhecem a nossa cidade, conhece o nosso estado conhece o nosso país. E esse convênio também mostra, até ontem o Ver. Alberto Maioli falou sobre a agricultura, mostra a nossa pujança da nossa agricultura aqui no município de Farroupilha. Hoje o setor primário corresponde a 11% ou 12% da arrecadação e nós temos uma agricultura muito diversificada e forte. O ano passado foi 5 estudantes para ver a questão do kiwi e agora provavelmente no próximo ano, o pessoal vai fazer um estudo sobre a uva moscato, o enoturismo e também sobre enologia do vinho e gastronomia. Então que nem o Ver. Tadeu colocou, também o conhecimento é muito importante, a gente tem que aprender muito e coisas boas que tem em outros locais em outros países a gente que tem que copiar. Então eu quero dizer, não sei se o Presidente concorda, vou falar em nome da bancada do PSB eu tenho certeza que todos os Vereadores vão votar favoravelmente a esse Projeto aí nº 56. Era isso, Senhor Presidente obrigado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. E sim a bancada concorda. Vereador Alberto Maioli? Fique a vontade.

VER. ALBERTO MAIOLI: Caros Presidentes, quero dizer aqui que a satisfação que tenho em cumprimentar meu amigo Aldir Toffanin, Secretário Francis, pessoas que estão aqui presente nesta noite. E em nome do Ver. Odair Sobierai eu falo agora nesse momento que ele teve que se ausentar, para deixar registrado, que ele teve motivo de um telefonema de doença na família. Então por esse motivo e me deixou dito para mim deixar registrado a ausência nesta noite, a retirada aqui da Câmara de Vereadores. Então gostaria que todos os nobres pares tivesse o consentimento da saída o motivo da qual ele teve que se ausentar. E quanto ao Projeto de Lei evidentemente que eu sou um grande defensor de que aonde há pesquisa, há desenvolvimento, há  progresso e produção. E eu quero dizer aqui o seguinte de que a pesquisa é uma das coisas mais importantes que nós teríamos nesse Brasil, que todos nós sabedores somos de que em todos os segmentos aonde que não tem pesquisa não tem desenvolvimento e não tem progresso. Na área da saúde, na área da tecnologia, na área da agricultura que esse é um dos Projetos que eu vejo que vem ao encontro de troca de ideias, troca de conhecimento de muitas variedades que são importantes certamente para o Brasil. E devo dizer o seguinte que nós temos a EMBRAPA que faz pesquisa que é muito importante a qual vem ao encontro da minha atividade profissional de trabalho que quando surge uma variedade de alguma espécie, nova variedade, é muito importante para o agricultor se incentivar ficar na terra para plantar e produzir e ganhar dinheiro. E aquilo que comentei ontem inclusive hoje teve diversas ligações que recebi do pronunciamento que eu fiz aqui que às vezes os agricultores são pouco valorizados e que tem o maior, são os maiores empreendedores, são os agricultores. Que quando ganham dinheiro fazem investimento, fazem progresso fazem isso fazem aquilo. Mas então quanto a esse Projeto de Lei a bancada da Rede, sem se alongar, vota favoravelmente ao Projeto de Lei.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Ver.  Sedinei Catafesta.

VER. SEDINEI CATAFESTA: Presidente, eu quero só aqui saudar o Secretário Francis que veio aqui nessa noite passar as informações que ele esteve lá em Portugal e este acordo que vamos estar assinado aqui entre uma cidade e outra, esse compromisso de unir o conhecimento de Farroupilha com a cidade em Portugal é importante porque o exemplo do passado e tão recentemente onde 5 jovens foram para a Itália e muito aprenderam lá na Itália. E também estão aplicando este conhecimento aqui em Farroupilha no cultivo do kiwi entre outros elementos importantes que movimentam a economia da agricultura do nosso município então é esses fatores que nesta noite me levam a votar favorável. Porque o conhecimento daquela cidade pode ser útil para Farroupilha como Farroupilha pode ser útil para Portugal. Voto favorável e desejo que possa ser uma nova experiência e que a cidade de Cadaval aonde a maioria aqui do parlamento é do meu partido né vocês repararam que o PSD aqui domina aqui, tem seis Vereadores. Então é com orgulho que voto favorável a esse Projeto e desejar sorte, desejar sorte que Farroupilha possa colher frutos deste acordo entre cidades irmãs. Obrigado Presidente em 2009, se eu não me engano quando o Prefeito era o Baretta, veio a essa Casa a criação do gemellaggio o Ver. Josué Paese Filho estava aqui conosco, a Glória, foi antes? Mas veio para cá alguma coisa para nós aprovarmos e de lá em diante poderia se avançar mais? Sim. A gente sabe também que tem custos, mas muito se aprendeu tanto lá em Latina, quanto nós levamos de conhecimento de Farroupilha para Latina. Então voto favorável ao Projeto nº 56, Presidente. Obrigado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Ver. Arielson Arsego.

VER. ARIELSON ARSEGO: Senhor Presidente e Senhores Vereadores. O voto a Vereadora Eleonora já me convenceu aqui, a nossa líder. Na verdade eu ouvi atentamente os colegas Vereadores da bancada e dizendo que para que a gente pudesse ser aqui coerente com a criação aonde tinha o MDB depois o PP junto e nós tínhamos o gemellaggio com a Itália. Na verdade nunca vi muito resultado, não tem; se é para ver não tem resultado. Gemellaggio, geminação, não é germinação é geminação, vai ser a mesma coisa. Vai vir português para cá os brasileiro vão ir para lá e não vai dar em nada. Quando foi aqui os jovens para Itália, veio uma Lei específica não foram por causa do gemellaggio, eles foram por causa de uma Lei que veio para a Câmara e nós aprovamos uma ajuda de custo para esses agricultores irem para lá. Se não tivesse isso, teria intercâmbio poderia entrar na faculdade no meio disso, a UCS; vai vim agora curso de lá tu acha que vão vir aqui de graça os italianos? Esqueçam. Vão vir aqui ganhar dinheiro para dar aula para os brasileiros. Quando eles vieram de lá para cá a única coisa que nós tivemos que fazer e fazer sala para eles aqui o tempo inteiro. Eles pode ser que não gastavam muito, mas nós tinha que gastar para acompanhar eles. Porque nós não pegava da Prefeitura. E fora que quando se vai para lá ou se vem para cá gasto tem sempre. R$2.000,00 Secretário, e cumprimento Vossa Excelência agora aqui, R$2.000,00 eu quero dizer que vocês vão gastar em transporte para levar eles para cá e para lá. Mas tudo bem. Eu vou votar favorável até um pedido da bancada aqui, vou votar favorável, mas eu vou deixar bem claro que a Administração Municipal tome muito cuidado nessa questão das viagens para cá e para lá. Por que eu volto a dizer, pessoas e o Vereador José Mário Bellaver está aqui falou agora que foi para Itália também e me digam o quê que tem de resultado. É uma tentativa. É uma tentativa, mas a gente já fez a tentativa. A gente fez a tentativa com a Itália. Vocês acham que Português vai divulgar o nosso vinho aqui se eles têm o mesmo vinho lá, o espumante lá em Portugal; ou nós vamos ficar divulgando o espumante deles aqui. Nós vamos divulgar o deles ou vamos divulgar o nosso aqui. Se vocês começarem a divulgar o deles que é cidade gêmea, vão levar paulada para tudo que é lado. Tu imagina tu sentado no restaurante com um espumante português. Por quê? Foi para Portugal, Portugal é nosso irmão né. Aí chega o proprietário de uma cantina aqui da nossa região e senta na mesa do lado e tu com um espumante português. É bonito né. É a mesma coisa que ir para Brasília, que nem o Prefeito fez, para visitar o pessoal lá e levar um espumante de Bento Gonçalves. Sim, sim; ahh melhor Porto Alegre. Porto Alegre desculpa. Inclusive foi para o governador que conhece os vinhos daqui. Mas enfim eu acho que depois de toda essa choradeira que eu estou fazendo aqui que é até demais para um Projeto desse que não deve. Fazer uma cidade irmã ou coisas; tudo bem votar esse Projeto as despesas vai ter que ser por outra depois. Aí vocês imaginam, eu me lembrei mais uma coisa, vocês imaginam a cidade gemellaggio como Latina. Vamos lá no bairro São Luiz e vejam a Praça Latina a importância que Farroupilha dá para a cidade irmã de Latina. A praça do bairro São Luiz é exemplo. Obrigado, Senhor Presidente.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Se nenhum Vereador quiser mais fazer uso da palavra colocamos em votação o pedido de urgência formulado pelo Ver. Fabiano A. Piccoli. Os Vereadores que estiverem de acordo permaneçam como estão. Aprovado por todos os Senhores Vereadores com a ausência do Vereador Odair Sobierai. Em votação o Projeto de Lei nº 56/2019 que autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio de intercâmbio gemellaggio com a cidade de Cadaval em Portugal; com Mensagem Retificativa. Os Vereadores que estiverem de acordo permaneçam como estão. Aprovado por todos os Senhores Vereadores com a ausência do Vereador Odair Sobierai. Em 1ª discussão o Projeto de Lei nº 57/2019 que autoriza a contratação de pessoal por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. Pareceres: Constituição e Justiça favorável; Finanças e Orçamento favorável; Jurídico favorável. A palavra está à disposição dos Senhores Vereadores. Com a palavra o Ver. Fabiano A. Piccoli.

VER. FABIANO A. PICCOLI: Obrigado, Senhor Presidente. Na semana passada nós debatemos então esse Projeto de Lei, antes gostaria de saudar a presença do colega Vereador Toffanin, seja bem-vindo Toffanin, e nós ficamos com algumas dúvidas em relação à possibilidade ou não de fazer a renovação do contrato emergencial em ano eleitoral. É possível; então trago essa informação é possível a renovação. E também uma outra dúvida que tivemos e até foi uma sugestão do Vereador Arielson, se eu não me engano, de fazer o contrato por mais de 12 meses. Nós, o departamento jurídico então buscou algumas jurisprudências e tem algumas decisões de que o tempo razoável não pode passar de 12 meses. Por quê? Para que haja a contratação através de concurso público. Então os contratos emergenciais eles são emergenciais e espera-se que o Poder Público faça a contratação via concurso público. Então por isso que os 12 meses é o prazo que é considerado razoável. Sim, um aparte, Ver. Arielson.

PRES. SANDRO TREVISAN: Aparte Ver. Arielson Arsego.

VER. ARIELSON ARSEGO: A dúvida era o concurso público no ano que vem e se podia contratar. Não pode contratar quer dizer pode contratar tranquilo. Tudo certo faz de novo quando vencer os 12 meses que a razoabilidade é 12 meses, bem tranquilo acho que tem que ir pelo correto. Se o ano que vem dá para contratar de novo não se fica sem, mas a questão é aí do concurso público. Pode concurso público no ano que vem também?

VER. FABIANO A. PICCOLI: Não. A minha fala foi de que os 12 meses é razoável para que haja concurso público. Não que o ano que vem vai ter concurso público. As contratações emergenciais são estipuladas, essa razoabilidade de 12 meses, para que os Executivos, as administrações, façam um concurso público e não esse fique ad eternum fazendo contratações emergenciais. Então, Senhor Presidente, na semana passada eu fiz a justificativa de todos os cargos aqui, o auditor médico foi feito o concurso e só uma passou e acabou desistindo, os técnicos de enfermagem e enfermeiro não existe concurso em aberto e no último concurso feito pela Prefeitura esses cargos não estavam; os técnicos em enfermagem eles irão trabalhar dois na vigilância epidemiológica e dois no serviço de atenção especializada e um enfermeiro também no serviço de atenção especializada. E o técnico de segurança de trabalho nós temos inclusive o ofício do SISMUF, ratificando esse pedido da necessidade para atender as demandas da administração e os agentes comunitários de saúde nós temos solicitado 26 vagas porque do último processo seletivo não existem mais pessoas aptas para serem chamadas e ha uma necessidade de bastante grande para atender as ESFs do município, as Estratégias da Saúde e Família; que serão então cinco pessoas para ESF Dr. João Antônio Letti, 5 para o Industrial, 4 do São José, 2 para o Primeiro de Maio I e 3 para o Primeiro de Maio II, 3 para o Cinquentenário, 3 Monte Pascoal e duas do Belvedere. Então Senhor Presidente com as informações trazidas e levantadas na semana passada eu peço o entendimento dos colegas Vereadores para que nós possamos votar o Projeto noite de hoje, analisar em regime de urgência, votar a urgência e votar o referido Projeto na noite de hoje. Muito obrigado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Senhor Vereador. A palavra continua à disposição dos Senhores Vereadores. Se nenhum Vereador quiser mais fazer uso da palavra colocamos em votação o pedido de urgência formulado pelo Ver. Fabiano A. Piccoli. Os Vereadores que estiverem de acordo permaneçam como estão. Aprovado por todos os Senhores Vereadores com a ausência do Ver. Odair Sobierai. Em votação o Projeto de Lei nº 57/2019 que autoriza a contratação de pessoal por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. Os Vereadores que estiverem de acordo permaneçam como estão. Aprovado por todos os Senhores Vereadores com a ausência do Ver. Odair Sobierai. Cumprimentar o sempre Vereador Aldir Toffanin. Projeto de Resolução nº 12/2019 que altera a resolução nº 540 de 5/11/2015 que dispõe sobre o Regimento Interno da Câmara Municipal de Vereadores. Pareceres: Comissão Especial aguardo; Jurídico contrário. O presente projeto permanece em 1ª discussão. Projeto de Resolução nº 13/2019 que altera; encaminhamento de votação? Não. Questão de ordem. Ver. Sedinei Catafesta, questão de ordem.

VER. SEDINEI CATAFESTA: Sobre o Projeto nº 12 e o nº 013 se há uma concordância entre os demais colegas Vereadores para que possamos após a Sessão, 10 minutos, conversarmos a respeito desses dois Projetos que foi dado entrada na semana passada e hoje já veio o parecer de inconstitucionalidade que é contrário né do nosso jurídico da Casa porque ele falta então às quatro assinaturas; tem a minha e está faltando mais 4 assinaturas. E podemos estar ali debatendo a respeito da matéria que prevê esse Projeto. Se há uma concordância dos líderes de sentarmos depois 10, 15 minutinhos após a Sessão.

PRES. SANDRO TREVISAN: Perfeito, Vereador. Projeto de Resolução nº 13/2019 que altera a resolução nº 540 de 5/11/2015 que dispõe sobre o Regimento Interno da Câmara Municipal de Vereadores. Pareceres: Comissão Especial no aguardo; Jurídico contrário. O presente projeto permanece em 1ª discussão. Segunda-feira então, dia 16, Sessão Solene da Semana Farroupilha no acampamento Farrapos às 6 horas da tarde ou 18 horas. Só para registro ontem tive que me ausentar, pois fomos tentar marcar, marcando com o Secretário de Obras do Estado, o Stedile, para até ele levar as reivindicações dos colégios estaduais aqui da serra. E acabou que a agenda foi nesse dia atrasaram a agenda lá depois ficamos impossibilitados de fazer o retorno a tempo. E para registro também o pedido foi do Santiago, o Santiago no início do ano já em função da falta de professores já atrasou o início das aulas, foi feito lá obras de instalações elétricas e foram abandonadas no meio, então tem fios que estão pendurados por tudo quanto é canto. O colégio estadual Farroupilha pede também que se agilize a questão de nova rede elétrica, eles têm necessidade disso e não tem rede elétrica. E o colégio Júlio Mangoni pedindo na verdade questão de PPCI. Então por esse motivo não pude estar presente e nesse momento deixo registrado a minha ausência. Questão de ordem Vereador Sedinei Catafesta, ou comunicado? Comunicado, Ver. Sedinei Catafesta.

VER. SEDINEI CATAFESTA: Presidente, o Projeto nº 53 que está aqui marcado para votação dia 17/09 tá. Hoje é um projeto tão simples que foi votado aqui o nº 57 nessa noite a parceria entre a cidade de Portugal e Farroupilha; estava aqui o Secretário Francis passando as informações. Este projeto nº 53 ele está falando do futuro da cidade, estamos falando de 20 anos de matéria financeira que o Secretário de Finanças tem que estar aqui tá; ele tem que estar aqui nessa tribuna na próxima semana explanando para nós e para a comunidade quais são os juros que está sendo utilizado aqui? Quantos anos vamos pagar esses financiamentos? Isso ele tem que estar aqui, se ele não estiver aqui já declaro meu voto contrario tá. Porque está errado essa planilha, cálculo feito nas coxas tá; isso aqui não fecha. Tem número aqui que não está fechando com o que pediu emprestado com o que vai pagar. E nós estamos falando de dinheiro público e não é de R$100,00 hein, é de milhões. Então está é a minha solicitação que o Secretário esteja aqui caso contrário já não tem meu voto. E vou falar para comunidade por quê. Votar nas coxa comigo não funciona tá e ele é acostumado. IPTU ele errou várias vezes a comunidade pagou a conta, nós pagamos ali fora também. Acabou para ele. Então ele tem que estar aqui. Projeto simples teve o Secretário e esse que é todo complexo ele não tá. Tem que sair da cadeira e vir aqui explicar para nós senão nós vamos lá está aí no meu Regimento Interno, entro a hora que eu quero dentro daquela Secretaria. Obrigado.

PRES. SANDRO TREVISAN: Obrigado, Vereador. Comunicado Vereador Jorge Cenci.

VER. JORGE CENCI: Senhor Presidente, eu quero fazer uma questão. O Senhor citou e a sua ida para Porto Alegre o Senhor citou a escola Santiago, a escola Júlio Mangoni e mais uma escola.

PRES. SANDRO TREVISAN: Júlio Mangoni, Santiago, estadual, mas passamos nas outras também.

VER. JORGE CENCI: Então eu quero reforçar e quero que a Casa também providencie, nós temos uma escola situada no bairro São Roque, Padre Rui Lorenzi, na verdade precisa muita coisa lá; muita coisa mesmo. As crianças não tem um local adequado para fazer exercícios ou ginásticas nas horas de educação física, por exemplo. Também existe um equipamento ou deveria ser um equipamento para que as crianças usufruíssem nas horas de lazer ou um parquinho, a praça em si, e está em precárias condições. Então eu sugiro que o Senhor também faça aí acrescente este colégio para que os 4 colégios estaduais daqui do nosso município sejam contemplados.

PRES. SANDRO TREVISAN: Perfeito. Na verdade só para deixar registrado nós tivemos o cuidado de passar em todos os colégios e foram feitas as reivindicações e eu, só para não me alongar muito, eu citei esses; sim foi feito, foi passado, a gente fez contato com todos os colégios estaduais. Como nos iriamos até lá falar com o Secretário do Estado a gente já fez então as reivindicações foram passadas. Mais nada então a ser tratado nessa noite, em nome de DEUS, declaro encerrados os trabalhos da presente Sessão. Uma boa noite a todos.

 

 

 

 

Sandro Trevisan

Vereador Presidente

 

 

 

 

Fabiano André Piccoli

Vereador 2º Vice-Presidente

OBS: Gravação, digitação e revisão de atas: Assessoria Legislativa e Apoio Administrativo.